Migrantes com destino aos EUA atacam polícia na fronteira entre Guatemala e México (Vídeo)

Polícia federal mexicana e agentes de imigração ilegal foram atacados com pedras, garrafas de vidro e coquetéis molotov

Por Epoch Times

Um novo grupo de migrantes a caminho dos Estados Unidos confrontou as autoridades mexicanas na fronteira entre o México e a Guatemala no domingo (28).

Segundo relatos, o grupo arrombou um portão na fronteira da Guatemala com o México, em Tecun Uman. Equipes de resgate locais disseram que as forças de segurança usaram balas de borracha contra os migrantes e que uma pessoa, o hondurenho Henry Adalid, de 26 anos, morreu. Seis policiais ficaram feridos, informou a Reuters.

O ministro do Interior do México, Alfonso Navarrete, disse a repórteres no domingo à noite que a polícia federal não tinha armas, nem mesmo para disparar balas de plástico. Ele acrescentou que alguns dos migrantes tinham armas, enquanto outros tinham coquetéis molotov, e que essas informações haviam sido transmitidas a outros governos da América Central.

Migrante hondurenho que acompanha uma caravana com destino aos EUA é fotografado segurando pedras na fronteira entre Ciudad Tecun Uman, na Guatemala, e Ciudad Hidalgo, no México, em 28 de outubro de 2018 (Santiago Billy/AFP/Getty Images)
Migrante hondurenho que acompanha uma caravana com destino aos EUA é fotografado segurando pedras na fronteira entre Ciudad Tecun Uman, na Guatemala, e Ciudad Hidalgo, no México, em 28 de outubro de 2018 (Santiago Billy/AFP/Getty Images)

O governo da Guatemala declarou em um comunicado que lamentava que os migrantes não tivessem aproveitado a oportunidade para o diálogo e, ao invés disso, jogaram pedras e garrafas de vidro na polícia.

Milhares de migrantes da América Central planejam continuar sua viagem pelo sul do México até chegar aos Estados Unidos, segundo a AP.

Migrantes hondurenhos que seguem em caravana rumo aos EUA derrubam portão na fronteira entre Ciudad Tecun Uman, na Guatemala, e Ciudad Hidalgo, no México, em 28 de outubro de 2018 (Santiago Billy/AFP/Getty Images)
Migrantes hondurenhos que seguem em caravana rumo aos EUA derrubam portão na fronteira entre Ciudad Tecun Uman, na Guatemala, e Ciudad Hidalgo, no México, em 28 de outubro de 2018 (Santiago Billy/AFP/Getty Images)

O novo grupo, cujos membros se autodenominam segunda caravana, reuniu-se na ponte internacional que leva de Tecun Uman ao México. Bombeiros guatemaltecos confirmaram que um hondurenho de 26 anos foi morto por uma bala de borracha que atingiu sua cabeça, segundo a AP.

Com relação aos incidentes violentos, o Ministério das Relações Exteriores de Honduras lembrou, por meio de comunicado, aos migrantes da caravana que: “Os países em trânsito estão autorizados pelo direito internacional a exercer sua soberania, aplicando suas leis de imigração através de suas autoridades e que, portanto, devem ser rigorosamente respeitados”.

Em uma coletiva de imprensa realizada no domingo, o ministro do Interior mexicano, Alfonso Navarrete, negou que as forças legais de seu país tenham sido responsáveis.

Ele disse que a polícia federal mexicana e os agentes de imigração ilegal foram atacados com pedras, garrafas de vidro e fogos de artifício quando os migrantes entraram por um portão no lado mexicano da fronteira, mas que nenhum dos policiais portava armas de fogo ou qualquer coisa que pudesse atirar balas de borracha.

“O México não criminaliza a imigração indocumentada”, disse ele.

Migrantes hondurenhos que seguem em caravana rumo aos EUA tentam atravessar à força a ponte fronteiriça internacional Guatemala-México, em Ciudad Tecun Uman, na Guatemala, em 28 de outubro de 2018 (Santiago Billy/AFP/Getty Images)
Migrantes hondurenhos que seguem em caravana rumo aos EUA tentam atravessar à força a ponte fronteiriça internacional Guatemala-México, em Ciudad Tecun Uman, na Guatemala, em 28 de outubro de 2018 (Santiago Billy/AFP/Getty Images)

Raúl Medina Meléndez, chefe de segurança do pequeno município no estado de Oaxaca, disse que a cidade estava distribuindo alimentos e água para os imigrantes que acamparam na praça central na noite de sábado, quando um homem com um megafone pediu que as pessoas esperassem sua vez.

Alguns insultaram o homem com o megafone e depois o atacaram, disse Medina. A polícia resgatou o homem enquanto o espancavam e o levaram para um hospital, embora sua condição não estivesse muito clara.

Segundo a AP, no domingo, vários participantes da caravana se aproximaram dos microfones para denunciar o ataque.

“É assim que vamos nos comportar sempre?”, perguntou uma hondurenha.

O grupo pretendia partir na segunda-feira de manhã para Niltepec, a 53 quilômetros a noroeste do estado de Oaxaca.

 
Matérias Relacionadas