Mídia estatal chinesa aumenta ataques contra EUA diante de impasse comercial

Por Olivia Li, Epoch Times

Enquanto as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China aumentavam na semana seguinte ao anúncio surpresa do presidente Donald Trump de um aumento das tarifas sobre as importações chinesas, a mídia estatal da China logo intensificou seus esforços de propaganda, criticando as ações dos Estados Unidos.

Em uma resposta familiar do regime chinês, as notícias referentes à decisão de Trump, em 5 de maio, de elevar as tarifas de 10% para 25% sobre 200 bilhões de dólares em bens chineses foram imediatamente recebidas com censura na China, junto com o silêncio da mídia oficial do regime.

No entanto, enquanto uma delegação comercial chinesa chefiada pelo vice-primeiro-ministro, Liu He, estava confirmada para ir a Washington DC, para outra rodada de negociações comerciais de 9 a 10 de maio, os veículos estatais foram rápidos em retratar o regime entrando em negociações em uma posição de força.

O jornal “Diário do Povo”, do Partido Comunista Chinês, jogou duro um comentário publicado em 7 de maio, alegando que o regime não faria concessões – e tem “total confiança” de que pode resistir a quaisquer desafios econômicos da guerra comercial EUA-China.

“Quando as coisas são desfavoráveis para nós, não importa como você pergunte, não daremos nenhum passo atrás. Nem pense nisso ”, dizia o artigo do Diário do Povo.

Como as discussões sobre comércio estavam prestes a começar em Washington D.C., o Global Times, um jornal publicado no Diário do Povo que se concentra em questões internacionais, publicou um editorial em 9 de maio, argumentando que o regime chinês não seria intimidado pelos Estados Unidos.

O editorial comparou a próxima negociação comercial na capital dos Estados Unidos com os eventos do “Hongmen Banquet”, um famoso incidente da história chinesa em que um banquete foi preparado na tentativa de assassinar o hóspede – o que implica que os Estados Unidos, como anfitrião, tinha uma intenção desonrosa.

O Global Times, reiterando declarações anteriores, também culpou a guerra comercial nos Estados Unidos, dizendo que a disputa resultou de “pedidos não razoáveis dos Estados Unidos” baseados no “entendimento errado de que os Estados Unidos são naturalmente o lado privilegiado na relação bilateral por causa de seu poder nacional”.

A rodada de negociações comerciais terminou no dia 10 de maio, sem acordo, horas após os aumentos tarifários anunciados terem entrado em vigor oficialmente. As discussões devem continuar no futuro, de acordo com Trump, embora nenhuma data tenha sido definida até o momento, informou a CNBC.

No início desta semana, o governo dos Estados Unidos acusou o regime chinês de voltar atrás em compromissos assumidos durante meses de discussões comerciais.

A Reuters informou, em 8 de maio, citando fontes do governo e do setor privado, que Pequim reverteu as promessas anteriores de mudar suas leis para tratar das principais preocupações dos Estados Unidos, incluindo roubo de propriedade intelectual dos Estados Unidos, transferência forçada de tecnologia e manipulação de moeda.

A demanda do governo Trump pelo regime chinês para implementar reformas estruturais, que o impulsionaram a lançar a guerra comercial com a China em março passado, tem sido um ponto crítico durante as negociações comerciais.

Apesar da propaganda prepotente do regime, muitos internautas chineses expressaram apoio às tarifas da Trump. Aqueles esperançosos de uma verdadeira reforma estrutural no sistema econômico da China celebraram o aumento tarifário anunciado por Trump. Eles começaram a espalhar um meme na internet chamando Trump de “grande salvador” do povo chinês.

 
Matérias Relacionadas