Microsoft negocia compra do TikTok, afirma jornal

Por EFE

Nova Iorque, 31 jul – A Microsoft negocia a compra do TikTok, que se tornou um fenômeno de massas, embora o governo dos Estados Unidos tenha considerado proibir o aplicativo chinês no país por representar um problema para a segurança nacional e a privacidade dos americanos, de acordo com o jornal “The New York Times”.

As fontes consultadas pelo jornal especificaram o ponto em que as conversações se encontram, o que poderia levar à entrada da Microsoft em participações do Tiktok, propriedade da empresa chinesa ByteDance, avaliada em cerca de US$ 100 bilhões.

O governo do presidente Donald Trump estudava, entre outras medidas, forçar a ByteDance a se desfazer dos ativos nos Estados Unidos, especialmente o TikTok, o qual adquiriu em 2017.

Segundo “The Wall Street Journal”, a decisão de forçar a ByteDance a realizar esse desinvestimento já teria sido tomada, embora o próprio presidente tenha dado a entender nesta sexta-feira que ainda não há nada definido.

“Estamos olhando para o TikTok. Poderíamos proibir o TikTok”, declarou o mandatário, que disse ter várias alternativas sobre a mesa.

Outras medidas contra a empresa chinesa – criadora do Tuotiao, o maior portal de notícias da China – analisadas pelo governo dos EUA, era incluir a ByteDance na lista de entidades estrangeiras que não podem adquirir produtos e serviços nos Estados Unidos sem autorização prévia.

Os legisladores americanos começaram notar o TikTok à medida que a popularidade do app nos Estados Unidos aumentava astronomicamente. A fama gerou a preocupação de que o governo chinês poderia influenciar a empresa a repassar dados sobre os americanos ou promover certos conteúdos para influenciar a política dos EUA ou outras áreas.

Essas suspeitas contra o TikTok também coincidem com o aumento das tensões entre China e Estados Unidos sobre espionagem industrial e disputas comerciais.

Fundado em 2014, o TikTok cresceu ao ser adquirido pela ByteDance e hoje possui 800 milhões de usuários em todo o mundo.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas