Michelle Bachelet recebe fortes críticas do HRW por seu silêncio sobre a repressão em Cuba

Por Alicia Marquez

O diretor executivo da Human Rights Watch (HRW) para as Américas, José Miguel Vivanco, criticou a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet , por seu silêncio sobre as repressões cometidas pelo regime comunista de Díaz-Canel diante do protestos pacíficos históricos na ilha contra o comunismo.

“Michelle Bachelet  não se pronuncia sobre as violações dos direitos humanos em Cuba desde que se tornou a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Será que ela vai quebrar o silêncio agora que o regime está reprimindo a manifestação mais importante no país em décadas? ”, Escreveu  Vivanco no Twitter.

Isso ocorre depois que na quarta-feira, por meio de um comunicado, 44 ONGs e a imprensa internacional assinaram uma condenação à repressão da ditadura cubana contra os protestos pacíficos que foram implantados em mais de 60 áreas do país, desde domingo.

Até o momento, há um relato de pelo menos um homem morto durante um confronto entre manifestantes e forças de segurança na segunda-feira em um bairro periférico de Havana. Além de vários feridos em La Güinera, segundo a agência de notícias cubana (ACN), nesta terça-feira.

HRW não é a primeira organização a criticar a alta comissária, Michelle Bachelet, por sua falta de posição contra o regime de Castro.

Em março, a repressão constante do regime de Díaz-Canel contra ativistas políticos e jornalistas independentes, somada à perseguição do regime contra artistas e figuras do mundo cultural, incluindo o Movimento San Isidro, antes dos protestos pacíficos contra o comunismo neste fim de semana na ilha, levou o Observatório Cubano de Direitos Humanos (OCDH) a manifestar sua preocupação pelo silêncio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. H H.

A OCDH, em 8 de março, havia notado que a alta comissária “não tem estado à altura da tarefa de defender os direitos humanos dos cubanos”, porque nem mesmo envia posições moderadas sobre como enfrentar a situação dos direitos humanos. Cuba ao contrário de organizações como CIDH, HRW e Anistia Internacional, segundo a organização.

“Durante seu mandato não houve nenhuma reclamação ou investigação pública sobre a repressão em Cuba, em um momento em que o governo radicalizou o assédio contra os diferentes atores da sociedade cubana, mesmo utilizando a situação de pandemia”, disse o orgão.

Um relatório do Grupo de Alto Nível da ONU em 2004 expressou preocupação com a participação na Comissão de Direitos Humanos. H H. Estados com um histórico ruim no DD. H H. dizendo : “Estamos preocupados em observar que nos últimos anos houve Estados que se tornaram parte da Comissão, não para fortalecer os direitos humanos, mas para se proteger contra críticas ou para criticar outros.”

“Pareceu-nos razoável que no início de seu mandato tenha optado por uma gestão discreta no que diz respeito ao tema, para manter um canal de comunicação fluido com Havana. No entanto, dado o comportamento do governo cubano na área dos direitos humanos, esta estratégia não deu resultados e, por isso, preocupa-nos que nada tenha sido feito para modificá-la ”, acrescentou OCDH em março.

Com informações da EFE.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas