Publicado em - Atualizado em 11/09/2017 às 12:04

México expulsa embaixador norte-coreano em retaliação a teste nuclear

Cidadão se informa pelo único noticiário televisionado da Coreia do Norte sobre o novo teste nuclear realizado pelo ditador Kim Jong-Un no último domingo, 3 de setembro de 2017 (JUNG YEON-JE/AFP/Getty Images)

Cidadão se informa pelo único noticiário televisionado da Coreia do Norte sobre o novo teste nuclear realizado pelo ditador Kim Jong-Un no último domingo, 3 de setembro de 2017 (JUNG YEON-JE/AFP/Getty Images)

O governo do México declarou nesta quinta-feira (7) ‘persona non grata‘ o embaixador da Coreia do Norte, Kim Hyong-Gil, e ordenou sua saída do país no prazo de 72 horas, em retaliação ao sexto teste nuclear realizado pelo regime do ditador Kim Jong-Un no último domingo (3). Em comunicado, o governo mexicano classificou as ações norte-coreanas como uma grave ameaça à Ásia e ao mundo.

A Secretaria de Relações Exteriores (SRE) mexicana publicou um boletim afirmando que nos últimos meses a Coreia do Norte “cometeu flagrantes violações ao direito internacional e às resoluções do Conselho de Segurança da ONU ao realizar testes nucleares e lançar mísseis com tecnologia balística de longo alcance”.

“Esta conduta foi reiterada no domingo passado, 3 de setembro, com a sexta detonação nuclear daquele país, com maior potência que as anteriores”, ressaltou a instituição.

Há três semanas atrás, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, fez um apelo aos países da América Latina para que interrompam as relações diplomáticas com Pyongyang, conforme declarou durante visita a Santiago.

Pence fez o pedido diretamente aos mexicanos e a outros três países: Brasil, Chile e Peru, que possuem governos aliados aos americanos. Existem outras duas embaixadas norte-coreanas na região, uma em Cuba e outra na Venezuela.

A SRE declarou também que os exercícios nucleares da Coreia do Norte constituem um grave risco para a paz e a segurança internacional, “e representa uma ameaça crescente para as nações da região, incluindo aliados fundamentais do México como o são Japão e Coreia do Sul”.

A instituição lembrou que, diante da conduta hostil da Coreia do Norte, o Conselho de Segurança das Nações Unidas publicou resoluções proibindo este país de fabricar armas nucleares e mísseis balísticos e sancionando pessoas ou entidades envolvidas com esses programas.

“Em conformidade com a Carta da ONU, estas resoluções são obrigatórias para todos os países-membros, incluindo o México”, observou a SRE no comunicado, justificando o decreto emitido hoje pelo presidente Enrique Peña Nieto ordenando às dependências governamentais que cumpram rigorosamente tais resoluções.

“Com esta ação diplomática, o México expressa ao governo da Coreia do Norte absoluta rejeição à sua recente atividade nuclear, que significa uma franca e crescente violação do direito internacional e representa uma grave ameaça para a região asiática e para o mundo”, escreveu a chancelaria mexicana.

A SRE reafirmou, por fim, o apoio do México ao trabalho do Conselho de Segurança “para alcançar a desnuclearização da península coreana e assegurar a manutenção da paz e da segurança internacional, e o exorta a agir de forma unida para resolver a crise atual de maneira pacífica”.

Leia também:
O estridente recuo da Coreia do Norte e a tática Trump
EUA têm opções para “aniquilação total” da Coreia do Norte, diz secretário de Defesa
EUA, Japão e Coreia poderão pedir suspensão de fornecimento de petróleo à Coreia do Norte

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016