Metais tóxicos estão associados ao aumento do risco de doença cardíaca

Essas descobertas reforçam o fato de que as exposições ambientais são tão importantes para o risco cardiovascular quanto atividade física e dieta e não devem ser ignoradas

Por Reuters

Pessoas com grande exposição a arsênico, chumbo, cádmio ou cobre podem ter maior probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, sugere uma revisão de estudos existentes.

Embora esses elementos ocorram naturalmente na crosta terrestre, certos metais também podem aparecer em níveis inseguros em água potável, alimentos e ar, como resultado de práticas agrícolas e industriais, mineração e fumo, observa a equipe de pesquisa no The BMJ. O cobre e o chumbo, por exemplo, podem infiltrar-se na água potável de canos corroídos, enquanto o arsênico e o cádmio podem se acumular nas águas subterrâneas devido ao escoamento de fábricas e sistemas de irrigação agrícola e também são encontrados na fumaça do cigarro.

Para a análise, os pesquisadores examinaram dados de 37 estudos anteriores, com um total de quase 350.000 participantes. No geral, cerca de 13.000 pessoas tiveram ataques cardíacos, cirurgia de ponte de safena ou outros eventos relacionados a doenças cardíacas e cerca de 4.200 tiveram derrame.

Em comparação com as pessoas com os níveis mais baixos de exposição ao arsênico, aqueles com maior exposição foram 30% mais propensos a desenvolver doenças cardiovasculares. Os níveis mais altos de exposição ao chumbo foram associados a um risco 43% maior, os níveis mais altos de cádmio foram associados a um risco 33% maior e o nível mais alto de exposição ao cobre foi associado a um risco 81% maior.

“Essas descobertas reforçam o fato de que as exposições ambientais são igualmente importantes (além dos fatores de risco comportamentais convencionais, como atividade física ou dieta) para o risco cardiovascular e não devem ser ignoradas”, disse o principal autor Dr. Rajiv Chowdhury, da Universidade de Cambridge no Reino Unido.

Os pesquisadores também analisaram o mercúrio, mas não encontraram uma conexão com doenças cardiovasculares. Isso não significa que o mercúrio é inofensivo, disse Chowdhury por e-mail.

“O mercúrio também pode ser um marcador do consumo de peixe. É possível que a associação entre o mercúrio e a doença cardiovascular nesses estudos que incluímos possa ter sido confundida pelos benefícios comparativos da ingestão de peixe”, acrescentou Chowdhury.

O acúmulo de metais tóxicos no corpo pode levar a envenenamento por metais e o que é conhecido como estresse oxidativo, disse a coautora do estudo, Sara Shahzad, também da Universidade de Cambridge.

Como o corpo usa oxigênio ele produz subprodutos chamados radicais livres que podem danificar células e tecidos. O dano pelos radicais livres de oxigênio é conhecido como estresse oxidativo.

“O estresse oxidativo é essencialmente um desequilíbrio entre a produção de radicais livres e a capacidade do corpo de neutralizar ou desintoxicar seus efeitos nocivos através da neutralização por antioxidantes”, disse Shahzad por e-mail. “Isso pode afetar os sistemas cardiovascular e nervoso, rins, olhos e cérebro”.

Pesquisas anteriores ligaram os metais do estudo a um aumento do risco de câncer, especialmente em exposições mais altas por longos períodos de tempo. Mas ao reunir resultados de vários estudos menores, a análise atual oferece novas evidências de seu potencial para também contribuir para doenças cardíacas, concluem os autores.

Os estudos na análise não foram experimentos controlados projetados para provar se ou como a exposição a metais no ambiente pode causar diretamente ataques cardíacos ou derrames. Também é possível que fatores como a pobreza, a qualidade dos alimentos e da moradia possam afetar tanto o risco de exposição ao metal quanto o risco de doenças cardiovasculares.

Não há muita coisa que a maioria das pessoas possa fazer para evitar a exposição ambiental a metais tóxicos, disse Chowdhury. Limitar a exposição requer ação do governo para restringir atividades que causam poluição e para incentivar remediação quando metais são liberados no meio ambiente como resultado de práticas agrícolas ou industriais.

“Para minimizar a exposição a esses metais tóxicos, o governo deve aplicar a legislação para controlar os efluentes industriais e a descarga de esgoto, levando a contaminação perigosa”, disse Chowdhury. “Além disso, as pessoas devem ser alertadas sobre fontes comuns de metais tóxicos em seus alimentos, bebidas e meio ambiente para minimizar a exposição”.

De Lisa Rapaport

 
Matérias Relacionadas