Metade dos adultos infectados no atual surto de COVID receberam vacinação completa, diz oficial israelense

Por Jack Phillips

Cerca de 90 por cento das novas infecções por COVID-19 em Israel foram causadas pela variante delta do vírus do PCC, disseram as autoridades. Eles acrescentaram que cerca de metade dos adultos infectados no surto recente foram totalmente vacinados.

Ran Balicer, que lidera um painel consultivo de especialistas para o governo israelense, ao anunciar a descoberta na sexta-feira, disse que o país pode acabar implementando outro bloqueio após a abertura no início deste ano, de acordo com o Wall Street Journal . Indivíduos totalmente vacinados foram inoculados com a injeção Pfizer, comumente usada em Israel.

“A entrada da variante delta mudou a dinâmica de transição”, observou ele, referindo-se à cepa B.1.617.2 de COVID-19 que agora foi detectada em mais de 70 países. COVID-19 é a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês ), também conhecido como o novo coronavírus.

Os novos casos do vírus aumentaram para mais de 200 na quinta-feira, ante cerca de 10 casos por dia na maior parte de junho, de acordo com as autoridades.

Na sexta-feira, as autoridades israelenses disseram que os cidadãos deveriam voltar a usar máscaras em áreas internas, informou a Reuters .

O Ministério da Saúde voltou a impor a exigência do uso de máscaras em todos os ambientes internos, exceto nas residências. Ele disse que também recomendou o uso de máscaras em grandes reuniões ao ar livre, mencionando especificamente os eventos do orgulho gay que acontecerão em Israel neste fim de semana.

Cerca de 55 por cento dos 9,3 milhões de israelenses receberam ambas as doses da vacina Pfizer, disseram as autoridades. A elegibilidade foi estendida a jovens de 12 a 15 anos em maio.

“Nosso objetivo neste momento, antes de mais nada, é proteger os cidadãos de Israel da variante Delta, que é galopante no mundo”, disse o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett na quarta-feira, relatou o WSJ.

A reimposição do mandato da máscara no país e a possibilidade de um novo bloqueio certamente levantarão questões sobre a eficácia geral das vacinas anti-COVID, questões que incluirão os casos de infecção pós-vacinal nas últimas semanas.

No início deste mês, por exemplo, quase 4.000 pessoas totalmente vacinadas em Massachusetts testaram positivo para o vírus do Pcc, de acordo com autoridades de saúde estaduais.

“Estamos aprendendo que muitas infecções pós-vacina são assintomáticas ou muito leves e breves”, disse Davidson Hamer, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Boston, relatou o Boston Herald. “A carga viral não é muito alta.”

“As infecções pós-vacina são esperadas e precisamos entender melhor quem está em risco e se as pessoas com esse tipo de infecção podem transmitir o vírus a outras”, disse Hamer. “Em alguns casos, níveis baixos do vírus estarão presentes e não serão transmitidos a outras pessoas.”

Em 30 de abril, o CDC relatou que cerca de 10.626 casos de infecção pós-vacina foram registrados em 46 estados e territórios.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma em seu site que as vacinas anti-COVID devem funcionar contra a cepa Delta, assim como outras variantes do COVID-19.

No entanto, a agência da ONU alertou que “mudanças ou mutações no vírus não devem tornar as vacinas completamente ineficazes”, acrescentando que se “as vacinas se revelarem menos eficazes contra uma ou mais variantes, será possível alterar a composição das vacinas para proteger contra essas variantes ”.

O Epoch Times entrou em contato com a Pfizer para comentarios.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas