Mesas para assistir aulas em pé previnem a obesidade infantil

Uma nova pesquisa sugere que colocar, nas salas do ensino fundamental, mesas para assistir aulas de pé, poderia ser uma forma de combater a obesidade infantil.

Leia também:
Obesidade está associada à falta de sono, aponta estudoDez técnicas de estudo que todo aluno deveria saber

Este tipo de mesa oferece a opção de sentar ou ficar em pé, de acordo com a vontade do estudante durante as aulas.

Com este tipo de mesa para trabalho, as crianças terão a oportunidade de se exercitar mais fisicamente, queimando mais calorias, e aliviar o stress da coluna que se acumula ao utilizarem carteiras convencionais.

Cerca de 500 estudantes do ensino fundamental da escola Independent School District participaram da pesquisa, e tiveram aulas em salas que possuíam carteiras convencionais (sentados) e em salas com carteiras de estudo em pé.

Os pesquisadores utilizaram um aparelho chamado “Sensewear” para medir os movimentos das crianças e a quantidade de energia gasta. Cada participante foi convidado a utilizar o aparelho por cinco dias escolares seguidos e cada sala de aula foi monitorada durante uma semana na estação de outono e outra da primavera.

Apesar dos participantes utilizarem o aparelho durante o dia todo, o principal objetivo era medir se as carteiras de ficar em pé causavam algum impacto durante as tradicionais aulas assistidas pelos estudantes nas suas carteiras.

Queimando mais calorias

Os resultados do estudo indicaram que a implementação das carteiras de estudo em pé tiveram um impacto estatisticamente significante e positivo na quantidade de calorias queimadas.

“Os estudantes nas carteiras de estudo em pé queimaram 15% mais calorias durante a pesquisa do que os estudantes de carteiras tradicionais, e as crianças obesas tiveram um aumento de 25% na queima de calorias”, disse Mark Benden, professor associado da Escola Central de Ciências da Saúde Pública Texas A&M.

“Os professores também relataram que os estudantes em mesas de estudo em pé aumentaram o nível de engajamento durante as aulas.”

Benden
acrescenta que os bancos que se emparelham com as mesas são melhores para a postura e o fluxo sanguíneo dos alunos, ao contrário das cadeiras de plástico tradicionais, e as mesas até mesmo aliviam dores nas costas dos professores, já que não precisam curvar-se para ajudar os alunos.
Como resultado, os pesquisadores estão esperançosos de que as mesas de estudo em pé sejam uma ferramenta potencial de intervenção para a obesidade infantil, que não atrapalha as aulas – pelo contrário.Os resultados foram publicados no Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública.

Testes no Segundo Grau

As taxas de obesidade antes e depois do segundo ano da intervenção e os níveis de envolvimento dos estudantes serão o objeto de subsequentes estudos dessa pesquisa.

Atualmente, Benden está conduzindo um estudo de dois anos em escolas de estudantes secundaristas para descobrirem se eles se cansam ou não utilizando as carteiras de ficar em pé. Estes estudantes utilizaram o aparelho de monitoramento ao redor do relógio para medir como seus corpos respondem às novas carteiras, tanto de dia quanto de noite.

Texas A&M University

*Imagem de “classroom” via Shutterstock
 
Matérias Relacionadas