Mergulhador fotografa tubarão devorando tornado de plâncton

Warren Baverstock, de 49 anos, pendurou uma única luz na popa de um barco para atrair o fitoplâncton que os tubarões adoram comer, e depois esperou pacientemente no oceano escuro.

Ele ficou encantado quando um jovem tubarão-baleia de 3,5 metros subiu das profundezas para devorar as concentrações de alimentos e mergulhou para registrar o evento enquanto o tubarão era destacado pela luz.

“Eu estava na água no escuro e me senti realmente vulnerável e bastante assustado”, disse ele. “Quando você cai na água, você pode ver o raio de luz do barco, mas é apenas isso.”

Este é o momento incrível em que um tubarão-baleia engole um tornado de plâncton, algo nunca fotografado antes (Imagem via SWNS)
Este é o momento incrível em que um tubarão-baleia engole um tornado de plâncton, algo nunca fotografado antes (Imagem via SWNS)

Mas ele ficou surpreso ao testemunhar o comportamento do plâncton microscópico se transformando num tornado de quatro metros de “comida de peixe” na costa da África.

Baverstock, de Okehampton, Devon, no sudoeste da Inglaterra, capturou uma foto incrível do tubarão-baleia que se erguia debaixo da uma pluma rodopiante, com as mandíbulas abertas, banqueteando-se com o plâncton.

O diretor do aquário disse que nunca viu ou ouviu falar desse comportamento e especula que isso seja o resultado de um plâncton microscópico sendo caçado por um plâncton maior.

Este é o momento incrível em que um tubarão-baleia engole um tornado de plâncton, algo nunca fotografado antes (Imagem via SWNS)
Este é o momento incrível em que um tubarão-baleia engole um tornado de plâncton, algo nunca fotografado antes (Imagem via SWNS)

“Eu esperava atrair o plâncton, mas nunca tinha visto esse tipo de comportamento”, disse Baverstock. “É possível que, devido à presença de predadores microscópicos, isso esteja causando o tornado do plâncton menor, como um efeito de aglomeração.”

Baverstock, diretor do Aquarium Operations do Hotel Burj Al Arab em Dubai, tirou as fotos durante sua quinta viagem para estudar os tubarões-baleia em Djibouti, no Chifre da África.

Warren viajou para o Golfo de Tadjoura com um grupo de pesquisadores para estudar o local onde centenas de tubarões-baleia se reúnem para alimentar-se entre setembro e janeiro.

Warren Baverstock, o diretor do Aquarium Operations do Burj Al Arab Hotel em Dubai (Imagem via SWNS)
Warren Baverstock, o diretor do Aquarium Operations do Burj Al Arab Hotel em Dubai (Imagem via SWNS)

Esperando por uma foto ideal do banquete dos animais, ele atracou um barco a 100 metros da costa no meio da noite e suspendeu uma lâmpada LED da prancha da embarcação.

A luz atraiu o fitoplâncton – os produtores primários dos oceanos abertos – que são atraídos pela luz e, por sua vez, atraem predadores maiores, que os comem.

Na terceira noite, um tubarão-baleia se aproximou, mas quando Warren entrou na água com sua câmera, ele se afastou.

As águas de Djibouti, no Chifre da África (Imagem via SWNS)
As águas de Djibouti, no Chifre da África (Imagem via SWNS)

Ele pulou na água e esperou por mais de uma hora, na esperança de que o tubarão retornasse.

Depois de uma hora e quinze minutos, a fera voltou, desta vez totalmente distraída pelo turbilhão de plâncton, que ela passou a consumir durante 10 a 15 minutos.

Este é o momento incrível em que um tubarão-baleia engole um tornado de plâncton, algo nunca fotografado antes (Imagem via SWNS)
Este é o momento incrível em que um tubarão-baleia engole um tornado de plâncton, algo nunca fotografado antes (Imagem via SWNS)

“Ter o tubarão-baleia com a nuvem [de plâncton] foi incrível, mas então testemunhar e depois registrar isso com este tornado em espiral de plâncton foi simplesmente incrível”, disse Baverstock.

Ele tirou as fotos após mergulhar abaixo do tubarão e capturá-lo de baixo para cima. Ele teve que mergulhar fundo para conseguir capturar o tubarão-baleia, o plâncton e a luz adequada na mesma imagem.

NTD Television

 
Matérias Relacionadas