Mercado de automóveis da China entra em colapso três meses após início da pandemia

O setor automobilístico da China estava mergulhado em uma profunda depressão que precedeu o desligamento induzido pelo vírus do PCC

Por Fan Yu

Análise de notícias

As vendas de carros na China caíram completamente durante o primeiro trimestre de 2020.

Os dados de vendas de janeiro a março foram os piores já registrados, quando a pandemia do vírus do PCC fechou fábricas e concessionárias de automóveis em toda a China e os consumidores foram afetados financeiramente.

As vendas anualizadas de carros na China caíram 43% em março, de acordo com dados oficiais divulgados pela Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis, apoiada pelo governo, em 10 de abril. O maior mercado de automóveis do mundo lutou para voltar ao normal após uma queda prolongada na demanda, agravada pela atual pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus.

Os resultados de março foram ligeiramente melhores que fevereiro, quando as vendas caíram 79%, porque a maior parte do país estava bloqueada. Apesar dos registros de março, eles permaneceram insatisfatórios, apesar de Pequim tentar abrir a economia o mais rápido possível.

O setor automobilístico da China estava mergulhado em uma profunda depressão que precedeu o desligamento induzido pelo vírus do PCC. Março marcou o 21º mês consecutivo de queda nas vendas em todo o país.

Um momento horrível

O mercado chinês não é apenas vital para as montadoras domésticas, mas também para marcas estrangeiras como General Motors Co. e Volkswagen AG, que nos últimos anos estabeleceram suas perspectivas de crescimento na China.

No entanto, o momento da pandemia é especialmente prejudicial para o mercado chinês de automóveis, que alcançou 2020 com altas expectativas após dois anos de queda nas vendas, devido à menor demanda e superprodução.

Pequim esperava uma rápida recuperação em forma de V, mas, na prática, a atividade econômica aumentou muito mais lentamente do que o governo havia previsto. Uma recuperação em forma de V não está mais na manga. Na melhor das hipóteses, a recuperação econômica da China assumirá a forma de U, e o cenário mais provável é uma recuperação em forma de L, após uma recessão prolongada desencadeada pela quebra da demanda externa.

Quase 91% das concessionárias de carros novos franqueados na China reabriram em meados de março, segundo a publicação da indústria Auto News. Mas o tráfego nos showrooms ainda é lento. Os revendedores estão presenciando apenas 53% dos níveis normais de clientes.

Outros dados sugerem que o tráfego de pessoas nas lojas vem diminuindo desde a reabertura. O aumento nas visitas aos revendedores, observado em março, desacelerou em abril, disse Lin Huaibin, analista de negócios da IHS Markit, ao Wall Street Journal (WSJ). A persistente crise de emprego no país pode ser o principal fator. A taxa de desemprego oficial da China publicada pelo National Bureau of Statistics (NBS) saltou para um recorde de 6,2% em janeiro e fevereiro combinados, de 5,2% em dezembro de 2019, equivalente a cerca de 5 milhões de novas pessoas desempregadas.

Esses números certamente estão subestimando os verdadeiros números do desemprego. Logo de cara, os trabalhadores migrantes não estão incluídos. Mas é útil neste caso, pois os números oficiais de desemprego da NBS contam trabalhadores nos centros urbanos da China. Também é provável que a maioria dos 5 milhões de desempregados anteriormente tivesse meios financeiros para comprar carros.

As montadoras locais também parecem ser desproporcionalmente afetadas pelo vírus do PCC.

As montadoras nacionais Zhejiang Geely Holding Group, Great Wall Motor e BYren, apoiadas por Warren Buffett, viram as vendas declinar 43%, 47% e 48%, respectivamente. Como um grupo, eles sofreram as maiores quedas de vendas, de acordo com o relatório do WSJ. Os clientes das marcas de automóveis locais geralmente são menos poderosos e podem ser mais suscetíveis a choques econômicos.

Afrouxando as restrições

Após os três meses de 2020, a indústria automobilística chinesa já parece ser uma causa perdida.

Para combater a queda na demanda, Pequim está aplicando medidas para estimular a economia e reviver os gastos dos consumidores.

O financiamento social da China (TSF) em março totalizou um recorde de 5,2 trilhões de yuans, cerca de US$ 730 bilhões. O TSF é a medida mais abrangente do financiamento total da China e inclui financiamento no balanço (através de credores comerciais) e financiamento fora do balanço (através de bancos e fundos fiduciários). Isso significa que as empresas estão recebendo financiamento de liquidez sem precedentes para sobreviver à atual recessão.

Também foram tomadas várias medidas específicas do setor. Pequim anunciou em março que estenderia subsídios para a compra de veículos elétricos (EVs), que deveriam terminar este ano, até 2022.

A China está se esforçando para se tornar líder mundial na adoção de veículos elétricos, mas as vendas de VE durante o período de janeiro a março caíram 56%, segundo o WSJ. Além disso, a indústria de VE da China é notoriamente fragmentada, com dezenas de novas empresas disputando atenção.

A WM Motor, a NIO e a Xpeng Motors são os três principais fabricantes de veículos elétricos, com apoio chinês significativo da Tencent, Alibaba Group Holding e Baidu, respectivamente. Em outros lugares, dezenas de fabricantes de veículos elétricos foram sustentados com financiamento limitado desde antes da pandemia.

As autoridades locais também começaram a oferecer subsídios aos consumidores. Cidades como Changsha, Guangzhou e Ningbo estão oferecendo incentivos para potenciais compradores.

Changsha, por exemplo, anunciou no mês passado que ofereceria descontos de até 3.000 yuans (US$ 429) para compradores de carros novos construídos localmente entre 11 de março e 30 de junho.

Citando uma página do livro de táticas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, os formuladores de políticas de Pequim também estão considerando adiar a implementação de padrões de emissões mais rigorosos em seis meses, para ajudar a indústria automobilística a enfrentar o problema.

Recentemente, o governo Trump reduziu os padrões de emissões de veículos adotados pelo governo Obama, exigindo um aumento anual de 1,5% na eficiência de combustível, muito mais tolerante do que os 5% solicitados anteriormente.

Siga o Epoch Times Português no Twitter @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas