Mercado de arte de Santa Fé traz alegria e prosperidade ao artista do Índigo

Processo artesanal de tingimento de índigo por homens de Tamil Nadu, na África. (Cortesia de Maria Lance)Evento anual de arte popular, um encontro cultural para artistas e compradores

O Mercado Internacional de Arte Popular de Santa Fé estabeleceu-se como uma estrada vital para a prosperidade dos artistas populares e mestres, como um local de encontro internacional para os artistas e compradores. O entusiasmo da multidão é edificante para os artistas.

“Para mim, o mercado é incrível”, disse Gasali Adeyemo, um fornecedor frequente e artista respeitado da Nigéria.

Adeyemo foi convidado pela equipe para atender o mercado praticamente todos os anos desde 2005. O mercado desse ano, que decorreu entre 13 e 15 de julho, deixou-o exultante.

Adeyemo, especializado em corante índigo, usa os modelos tradicionais Yorubá e técnicas de batik, adire, e tie-dye. O corante índigo proporciona contraste visual de tons azul a azul-profundo, ricos e vibrantes.

Cada projeto tem um significado específico ou identidade e é muito trabalhoso.

“O projeto pode tornar-se como um passaporte para que, quando você viajar, você pode mostrar a sua aldeia de origem”, explica Adeyemo no site do mercado.

As origens do índigo datam do século IV aC. no leste da Índia e da África Austral. O corante índigo vem da planta Indigofera arrecta. Na história, ele foi usado como uma indicação da realeza, da nobreza inglesa. Aos plebeus era proibidos usar o índigo.

O índigo sempre foi muito importante na cultura Adeyemo e ao povo Yorubá também.

O nigériano, Gasali Adeyemo, um mestre da arte de fibra e técnicas de tingimento índigo. (Cortesia de Gasali Adeyemo)“Eu uso técnicas de batik, adire, e tie-dye que o povo de minha tribo têm usado por muito tempo. Cada um dos desenhos que eu uso na minha fibra têxtil foi transmitida através de muitas gerações, cada peça tendo seu significado próprio”, disse Adeyemo. “O índigo tem sido utilizado como um corante na África, pelo menos, há 2.000 anos.

Os desenhos geométricos de batik são criados com cera e, então, cuidadosamente removidos após o tecido ser tingido. Para projetos adire, ele usa as ferramentas tradicionais: vassoura caules, penas de galinha, mandioca e colar. Ele usa um estêncil ou cria os padrões com a mão. No tie-dye, Adeyemo envolve o tecido em uma fibra de ráfia ou usa a ráfia para criar o design.

“O nome Yorubá para índigo é ‘elu’. Desde os tempos antigos, o índigo tem sido utilizado para a medicina, bem como como corante para curar dor de estômago e para afastar os vírus. No meu país, as casas são pintadas com índigo como uma medida preventiva contra a doenças. Índigo é também a cor do amor na minha cultura.”

Entrada para o Mundo

O Mercado Internacional de Arte Popular de Santa Fé é hoje o maior mercado internacional de arte popular no mundo, e seu sucesso levou a designação de Santa Fé como cidade de Arte Popular pela Unesco, a primeira das cidade dos EUA da rede prestigiada e criativa, de acordo com o site.

Todo mês de julho, mais de 150 artistas populares selecionados de mais de 54 países viajam do Novo México a Santa Fé, onde milhares de visitantes nacionais e internacionais se reúnem para admirar e comprar as formas populares de arte distintas que expressam diversas culturas do mundo.

Os artistas levam para casa 90 % dos seus lucros.

Tecido de batik tradicional da cultura Yorubá de Adeyemo. (Cortesia de Gasali Adeyemo)“Minhas peças variam de US$ 50 a US$ 150. As receitas provenientes do mercado me ajudam a pagar a educação das minhas sobrinhas e sobrinhos na Nigéria. Eles frequentam a Escola Internacional Tinuola”, disse Adeyemo. Ele também ajudou muitos membros de sua família com comida e abrigo.

Adeyemo agora vive em Santa Fé onde instalou seus negócios.

Treinamento cultiva prosperidade

Adeyemo era um estudante no Centro Nike para Arte e Cultura na Nigéria e tornou-se posteriormente um treinador nas artes do povo Yorubá, de acordo com um comunicado de imprensa. Quando ele estava crescendo, sua mãe fez roupas para a família, por meio do qual ele teve contato com as técnicas e o amor pela arte de tingir.

Novos artistas estão recebendo no mercado um grande apoio por parte dos organizadores. Artistas veteranos no mercado compartilham o que aprenderam sobre o desenvolvimento de seus ofícios e transformam em negócios viáveis.

Como um fornecedor frequente, Adeyemo foi treinador de novos artistas nos últimos três anos, começando com habilidades empresariais básicas.

“Eu principalmente dei o mesmo conselho a todos: sorria. Mesmo quando você está cansado, você precisa se envolver. As pessoas viajam de todo o mundo para vê-lo, e eles querem saber quem é você, seu país, sua cultura, sua tradição, e por que você traz essas coisas com você para o mercado”, disse Adeyemo.

Impressão do tipo ‘adire’ trazida para o mercado por Adeyemo. (Cortesia de Gasali Adeyemo)“Não é só o mercado, é a conexão com as pessoas. Essa é a chave para o sucesso. É simplesmente fantástico.”

É essa conexão com as pessoas e artistas de todo o mundo que trazem entusiasmo e esperança, que faz com que o mercado de arte popular tenha força tão poderosa na mudança da vida dos artistas.

“Eu sempre encontro muitos amigos novos no mercado. Este ano eu encontrei um novo amigo do Haiti e também um artista do Uzbequistão e um da Índia”, disse Adeyemo.

“Quando eu estava indo embora, me virei para olhar para fora da janela e vi a mais bela vista. … Eu só queria parar e saltar para a direita para fora do carro. Eu só não queria deixar o mercado.”

 
Matérias Relacionadas