Mercado de ações chinês sofre maior queda em oito anos

As ações chinesas registraram quedas generalizadas na sessão de segunda-feira (27) que provocaram a maior queda dos índices de referência em Shangai e Shenzen desde fevereiro de 2007, devido à incerteza sobre a manutenção do apoio de Pequim.

O índice CSI 300, que reúne as principais empresas listadas em Shangai e Shenzen, encerrou sessão com uma queda de 8,6%, até 3.818,73 pontos, enquanto o índice composto da Bolsa de Shangai caiu 8,48% até 3.725,56 inteiros.

Leia também:
Cidades fantasmas na China preludiam bolha imobiliária
Turbulência no mercado de ações chinês está ligada a luta por poder político
Ciberespionagem chinesa restringirá compra de empresas de tecnologia dos EUA

Sobre o ânimo dos investidores parece ter pesado a perspectiva de um iminente aumento das taxas nos EUA, assim como sinais de desaceleração na economia chinesa depois que, na sexta-feira (24), o Índice de Gerentes de Compras (PMI, em inglês) do setor de manufatura do gigante asiático, correspondente a julho, registrou declínio ao situar-se em 48,2 pontos desde os 49,4 no mês anterior, o que representa sua pior leitura desde abril do ano passado.

Intervenção do Estado

Ainda é incerto, também, por quanto tempo as autoridades chinesas continuarão a apoiar os mercados, após a decisiva intervenção no início deste mês que impediu a quebra da bolsa.

“A recente recuperação foi mais rápida e mais forte, o que exige uma correção técnica”, opinou Yang Hai, analista da Kaiiyuan Securities, à Reuters.

Neste sentido, o analista alertou que um mercado menos otimista nos EUA ante a perspectiva de elevação das taxas no quarto trimestre, com a evolução de alguns preços na China, poderia levar Pequim a se abster de relaxar ainda mais sua política.

 
Matérias Relacionadas