Meng Haoran, um poeta da natureza

Uma paisagem da província de Hubei, local de nascimento de Meng Haoran (Imagem da internet)

Meng Haoran (689-740 d.C.) foi um grande poeta pastoral da Dinastia Tang. Seus poemas descrevem a vida reclusa e rural e exalam um estilo fresco, natural e puro, que refletem sua própria atitude e espírito diante da vida em vez de suas habilidades literárias.

Ele nasceu numa família tradicional de intelectuais e literatos e viveu como um eremita até os 40 anos enquanto cuidava de sua mãe doente. Seguindo a tradição de muitos eremitas antigos, ele era versado em literatura e na prática das artes marciais, especialmente da espada. Ocasionalmente, ele plantava alguns vegetais e bambus, não para colheita, mas para cultivar um temperamento nobre. Depois de uma tentativa frustrada de ingressar no serviço público em seus quarenta anos, ele passou a maior parte de sua vida recluso em casa ou viajando para apreciar as paisagens e cenas da natureza.

A história conta, que em seus quarenta anos, Meng Haoran foi à capital para fazer um exame realizado pelo governo para potenciais candidatos a oficiais. Antes do exame, ele conheceu alguns poetas e cantou poemas em vários banquetes, ganhando fama rapidamente na capital e chegando ao conhecido do primeiro-ministro e de outros oficiais amantes da poesia. Então, foi lhe oferecida a oportunidade de se apresentar a funcionários da corte imperial num evento. No entanto, no dia do encontro, ele preferiu beber e discutir poesia com os amigos e faltou à convocação. Assim, ele ficou conhecido por “preferir diversão à fama”, embora muitos acreditem que sua decisão tenha mais a ver com sua autoconfiança de que poderia estabelecer uma carreira de sucesso sem recorrer a recomendações.

Foi um choque para Meng Haoran quando ele foi informado de que não foi reprovado no exame e não fora selecionado para o serviço público. Frustrado, ele rapidamente escreveu um poema culpando-se por não trabalhar duro o suficiente para o exame, mas o tom misturava-se com rancor por não ser apreciado. Diz-se que quando um amigo conseguiu apresentá-lo ao imperador numa ocasião, o imperador apreciou inicialmente seus talentos, mas depois cismou com o tom do poema. Naquele momento, Meng Haoran sabia que era hora de desistir de buscar uma carreira no governo.

Por fim, ele decidiu mudar-se para longe da capital e voltar a sua vida de eremita definitivamente. Antes de partir, ele deixou um poema para um de seus melhores amigos. No poema, ele descrevia a inconstância de sua vida nesse período, expressava sua frustração com palavras sombrias, elogiava os amigos cordiais emotivamente e mostrava sua firme determinação de viver remotamente e desfrutar a vida como um eremita taoísta.

Em certa medida, seu infortúnio na busca do oficialismo trouxe grande fortuna para os amantes da poesia pastoral na China, pois muitas de suas obras-primas poéticas foram criadas posteriormente. Seus poemas refletem o mundo interior de um eremita taoísta de espírito otimista, ingênuo, pacífico e bucólico.

Meng Haoran e seu amigo Wang Wei são classificados como dois mais proeminentes poetas da natureza da Dinastia Tang e seus poemas também tiveram grande influência na poesia japonesa.

Uma paisagem da província de Hubei, local de nascimento de Meng Haoran (Imagem da internet)

Para conhecer outras figuras históricas da antiga China, clique aqui.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas