Mel “tóxico” da China pode estar em sua prateleira de supermercado

O mel falso está surgindo em todo o planeta e está colocando em risco a saúde dos consumidores

A maioria das pessoas ama mel,  mas o que é essa substância doce e pegajosa que você passa em sua torrada? O mel falso está surgindo em todo o planeta e está colocando em risco a saúde dos consumidores.

(Getty Images | Westend61)

Ao colher o mel imaturo, que tem alto teor de água, os fraudadores o secam artificialmente, retiram quaisquer resíduos de resina e adicionam xaropes baratos.

“A produção de mel imaturo implica em níveis mais rápidos e mais altos de produção de um produto que não atende à definição de mel (fraude)”, diz Norberto Garcia, presidente da International Organization of Honey Exporters (IHEO).

(Getty Images | Bill Oxford)

O xarope de milho rico em frutose (HFCS) e a cana-de-açúcar foram adicionados ao mel chinês como um barato material para que o produto adquira consistência. De fato, para perder peso e evitar doenças cardíacas e diabetes, o HFCS é algo que você deve realmente evitar. Parte do que torna o HFCS um produto pouco saudável é que ele é metabolizado em gordura em seu corpo muito mais rapidamente do que qualquer outro açúcar.

Embora a China seja o maior produtor de mel do mundo, um fenômeno estranho se tornou aparente.

Apesar do aumento de apenas 21% nas colméias, a população de abelhas da China está diminuindo rapidamente devido ao uso generalizado de pesticidas altamente tóxicos, bem como à poluição causada por fábricas estatais chinesas – as abelhas estão à beira da extinção em determinadas áreas da China e as flores devem ser polinizadas manualmente por seres humanos. A poluição do meio ambiente chegou a um ponto tão ruim que os políticos do Partido Comunista tem feito vista grossa para a situação.

(Getty Images | Monthon Wa)

Um fato estranho é que, embora a população de abelhas da China esteja morrendo a produção de mel do país está apenas aumentando. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a China produziu 461.431 toneladas de mel em 2013, 474.786 toneladas em 2014, 488.726 toneladas em 2015 e 502.614 toneladas em 2016.

Como a China pode produzir muito mais mel do que sua população de abelhas poderia estar produzindo?

A resposta está na fraude do mel.

O xarope produzido a partir do arroz é mais difícil de detectar e, ao adicioná-lo ao mel, os produtores chineses de mel falso podem produzir um superávit massivo, e isso não se limita só a esse fato.

(Getty Images | Frank Rothe)

“Não existe um método único para testes de autenticidade para o mel – porque existem muitas formas de adulteração”, diz o Dr. Stephan Schwarzinger, professor de biologia estrutural na Universidade de Bayreuth, segundo a Euractiv.

“Mais de três quartos do mel vendido nos supermercados dos Estados Unidos não é exatamente o que as abelhas produzem”, diz o repórter Andrew Schneider, duas vezes vencedor do prêmio Pulitzer, em seu artigo de 7 de novembro de 2011, Food Security News (FSN). Os testes mostram que a maioria das lojas de mel possuem mel falso.

PLEASE HELP!Friday 20 July, I represented myself against big company Capilano Honey Ltd in the Supreme Court of…

Posted by Save the Bees Australia on Friday, July 20, 2018

A fim de escapar das pesadas tarifas impostas por países como os Estados Unidos em seu mel, os fraudadores chineses encontraram uma maneira de redirecionar seus produtos através de países do terceiro mundo e da Ásia, onde são submetidos a ultrafiltração para remover vestígios de pólen que possam revelar o seu país de origem. Em seguida, é diluído ou misturado com adoçantes baratos, remarcado e exportado para todo o mundo, provavelmente para o supermercado local.

Mark Jensen, presidente da Associação Americana de Produtores de Mel, disse: “A eliminação de todo o pólen só pode ser conseguida por ultra-filtragem e este processo de filtração não faz nada além de custar dinheiro e diminuir a qualidade do mel”. É bastante seguro assumir que qualquer mel ultra filtrado nas prateleiras das lojas é o mel chinês e é ainda mais seguro supor que ele entrou ilegalmente no país e violou a lei federal”.

Posted by Simon Mulvany on Friday, April 1, 2016

Situação complicada na Austrália

Os males do mel não são sentidos apenas nos Estados Unidos. O apicultor australiano Simon Mulvany, de Victoria, fez uma campanha nas redes sociais contra o Capilano, o maior produtor de mel da Austrália. O apicultor ganhou a ira de Capilano quando acusou o gigante de vender o “tóxico” mel importado, com rótulos enganosos.

“O mais preocupante é que o Capilano está exportando mel que foi adulterado e misturado com mel chinês e vendido para países do Oriente Médio”, disse Mulvany. “Capilano Honey está me processando para tentar apagar o que eu disse publicamente e não permitir que eu diga algo assim novamente”.

Mulvany luta contra Capilano

O CEO da Capilano, Ben McKee, disse à ABC News: “Embora toda a marca Capilano Mel seja feita de mel australiano 100% puro, a empresa importa alguns tipos de mel de fornecedores internacionais credenciados para uso em marcas complementares como a Allowrie”.

Muitos apicultores, no entanto, expressaram seu apoio a Mulvany.

“Eles estão dizendo que isso realmente teve que acontecer e isso vai melhorar a indústria”, disse Mulvany. “Muitos apicultores culpam o surto de doenças devastadoras como a doença apícola Cria Pútrida Americana em mel importado. O mel importado pode abrigar bactérias vivas que podem ser infecciosas e causar doenças em abelhas australianas”.

“A reputação da Austrália foi realmente afetada”, disse Mulvany ao The Australian Financial Review. “Portanto precisamos de um país de origem no rótulo de mel, seja uma mistura ou não, só precisamos saber quais países estão no rótulo”.

Mulvany argumenta que enquanto o “mel” chinês é falso, um caso ainda mais sério é que a substância importada da China, que é rotulada como “mel”, tem se mostrado prejudicial à saúde.

“O mel Capilano é sorrateiro e vendido sob as marcas Allowrie, Smiths, Barnes e Wescobee. Capilano está importando mel argentino da planta do heliotropo que pode ter conseqüências desastrosas, pois contém alcalóides”, escreveu Mulvany no Facebook.

“Seu mel barato do supermercado tem o potencial de causar problemas no fígado e, ao mesmo tempo, arruinar uma indústria. O foco está no mel australiano, literalmente nas instalações de mistura do Capilano, mas também no mundo depois que a Fairfax informou que amostras de mel australiano misturado continham altas taxas de alcalóides perigosos”.

Enquanto isso, o Coles, a maior cadeia de supermercados da Austrália, tomou a decisão de remover a marca de mel importada do Capilano, Allowrie, de suas prateleiras. Allowrie é conhecido por conter até 70 por cento de mel importado, principalmente da China e da Argentina.

O apicultor de New South Wales, Kieren Sunderland, disse que é difícil competir contra o mel importado, e saúda a decisão do Coles.

We have triumphed in our battle against #honeylaundering. From now on Coles will only sell authentic Australian honey….

Posted by Save the Bees Australia on Wednesday, July 4, 2018

A outra gigante de supermercados australiana, a Woolworths, não fará o mesmo e manterá os produtos da marca Allowrie em suas prateleiras como uma opção mais barata de “mel”.

Mulvany entrou contra o Capilano na Suprema Corte vitoriana em 20 de julho – “Uma situação de Davi e Golias!” Escreveu Margaret Hurley na página da GoFundMe de Mulvany. Nenhuma atualização foi fornecida sobre o caso até o momento.

É uma pena que a iguaria favorita do ursinho Puf tenha se tornado um dos alimentos mais falsos do mundo. Esperamos que a indústria resolva esta situação, pois o futuro da apicultura está em jogo.

 
Matérias Relacionadas