Meditação reestrutura o cérebro em oito semanas, diz estudo

A meditação consciente está associada a mudanças mensuráveis no cérebro humano nas regiões relacionadas à memória, autopercepção, empatia e estresse, de acordo com um estudo publicado no website Pesquisa Psiquiátrica Neuroimagem.

A ‘Redução de Estresse da Meditação Consciente’ (MBSR) envolve oito reuniões semanais e um dia inteiro de formação para aprender os exercícios que desenvolvem a atenção plena, incluindo uma varredura mental do corpo, yoga consciente e meditação sentada.

Para o estudo, os pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts (MGH), da Universidade de Massachusetts, e da Universidade alemã de Giessen, escolheram 16 participantes que se inscreveram em cursos de MBSR para redução do estresse.

Imagens de ressonâncias magnéticas anatômicas de seus cérebros foram tomadas antes e depois do programa, e as alterações foram comparadas com um grupo de controle de 17 pessoas não-meditadoras.

Leia também:
Falun Gong: Uma antiga meditação revivida no mundo moderno

Ao longo das oito semanas, a concentração de substância cinzenta dos participantes do curso MBSR mudou em suas regiões do cérebro associadas ao aprendizado e memória, emoção, processamento da auto-percepção e tomada de perspectiva.

Sara Lazar, doutora do MGH, disse num comunicado de imprensa que o estudo demonstra mudanças na estrutura cerebral consistentes com as melhorias vivenciadas pelos participantes, tal como “uma sensação de paz”.

“É fascinante ver a plasticidade do cérebro e que, praticando a meditação, podemos desempenhar um papel ativo na mudança do cérebro que pode aumentar o nosso bem-estar e qualidade de vida”, disse o doutor Britta Hölzel, companheiro no MGH e da Universidade de Giessen, na comitiva.

“Outros estudos em diferentes populações de pacientes mostraram que a meditação pode trazer melhorias significativas numa variedade de sintomas, e agora investigamos os mecanismos subjacentes no cérebro que facilitam essa mudança.”

O doutor Amishi Jha, neurocientista da Universidade de Miami, disse que as descobertas poderiam levar a futuras pesquisas sobre o potencial do MBSR no tratamento de condições como a desordem de estresse pós-traumático.

Para ler o trabalho de pesquisa, clique aqui (em inglês).

 
Matérias Relacionadas