À medida que a China comunista enfraquece, exibe maior demonstração de força

A agressividade habitual do PCC durante seus quase 70 anos de autoritarismo sistematicamente se manifestou como um sintoma de sua própria fraqueza

Por Zang Shan

A única vez em que vi um animal selvagem foi nas florestas virgens do Tibete na década de 1980. Um leopardo rondava uma colina a cerca de 70 ou 80 metros do nosso acampamento. Foi ao pôr do sol. Enquanto o leopardo se movia, parava com frequência e virava-se para olhar para o nosso acampamento. Ficamos nervosos com sua presença. Mesmo depois que ele estava longe, usamos uma luneta para rastreá-lo. Sua força intimidadora, mas despreocupada, deixou em mim uma profunda impressão.

Como diz um provérbio tibetano, as criaturas que parecem mais ferozes são as que você não deve temer. Isso provém da sabedoria da caça ancestral. Quanto mais alerta e agressivo for um animal, menos poder de ataque ele tem, já que esses animais geralmente estão na extremidade inferior da cadeia alimentar.

Há um ditado semelhante no Vietnã: “Animais com concha não têm ossos”. Isso significa que, quanto mais duros eles estão do lado de fora, mais macios eles estão por dentro.

Nos últimos dois anos, à medida que o regime comunista chinês se instala em suas posições oficiais, adota uma atitude cada vez mais beligerante que reflete sua profunda fraqueza interna.

A mídia do Partido Comunista Chinês (PCC) está cada vez mais recorrendo a uma linguagem como a “linha de fundo”, a “linha vermelha” ou os “interesses centrais invioláveis”. Isso se refere a questões como a independência de Taiwan ou Hong Kong, agitação no Tibete e em Xinjiang, liberdade religiosa, Coreia do Norte, disputas no Mar da China Meridional, censura na Internet, repressão dos advogados de defesa dos direitos humanos, ditadura de um partido único, valores universais, a ideologia do Partido e outras questões semelhantes.

Quem questiona o Partido é considerado um aliado das forças estrangeiras ou “anti-chinesas”. Se a crítica vem do exterior, considera-se que esses países estão querendo interferir nos assuntos internos da China. Se vem do povo chinês, é “subversão do poder do Estado”.

Tudo isso é uma demonstração de força vazia. Falando da perspectiva da ciência política, quando um regime estabelece todo tipo de “linhas de fundo”, isso significa que ele sofre todo tipo de fraquezas que estão abertas para serem exploradas por seus oponentes.

A agressividade habitual do PCC durante seus quase 70 anos de autoritarismo sistematicamente se manifestou como um sintoma de sua própria fraqueza. Por exemplo, durante a Revolução Cultural, não só os chineses podiam ser vítimas, mas também os estrangeiros. Se alguém de Hong Kong com um penteado “contra-revolucionário” era visto nas ruas, seu cabelo era cortado imediatamente. Os chineses naquela época eram muito mais fanáticos do que são hoje e viviam em um dos países mais pobres do mundo.

A situação política mundial entrou em uma nova era este ano. As experiências das últimas cinco ou seis décadas são totalmente incapazes de explicar como as coisas se desenvolverão no futuro. O ponto crucial está nas relações sino-americanas: no passado, uma relação podia ser considerada cooperação com pequenas quantidades de conflitos; agora, ao invés disso, ela entrou na fase de conflitos com pequenas quantidades de cooperação.

Esta situação é realmente obra da própria China, mas não vou entrar em detalhes sobre isso. Uma coisa é certa: neste confronto, cada uma das “linhas de fundo” e “linhas vermelhas” da China representa uma fraqueza e acabará se tornando uma oportunidade para os Estados Unidos. A questão de Taiwan está começando a surtir efeito, e logo o Tibete e Xinjiang a seguirão.

Também devo mencionar a situação na Coreia do Norte. No passado, os Estados Unidos viam a China como a chave para resolver o problema da Coreia do Norte, mas agora o oposto está se tornando realidade: a Coreia do Norte se tornará o fator chave para lidar com a China. Antes, havia muita especulação sobre como os exércitos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul realizaram exercícios para simular ataques de decapitação contra a liderança da Coreia do Norte. Eu acho que isso não vai acontecer: um instrumento valioso como a Coreia do Norte não será desperdiçado tão facilmente!

Zang Shan é analista de assuntos internacionais especializado em Estados Unidos e China

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas