Publicado em - Atualizado em 01/12/2017 às 20:23

Médicos enfrentam dilema ético ao descobrirem tatuagem “Não Ressuscitar” em paciente

Médicos enfrentaram um dilema ético quando descobriram um homem morrendo com uma tatuagem dizendo "Não Ressuscitar" em seu peito (The New England Journal of Medicine ©2017)

Médicos enfrentaram um dilema ético quando descobriram um homem morrendo com uma tatuagem dizendo "Não Ressuscitar" em seu peito (The New England Journal of Medicine ©2017)

Médicos foram confrontados com um dilema ético quando um homem de 70 anos foi levado para o hospital com as palavras “Não Ressuscitar” tatuadas em seu peito.

A equipe médica descobriu que o homem tinha um elevado nível de álcool no sangue e nenhuma identificação, de acordo com o periódico The New England Journal of Medicine.

O paciente foi levado para o Hospital Universitário de Miami, onde os médicos descobriram o pedido tatuado no peito com a palavra “não” sublinhada.

Os médicos também encontraram a assinatura do paciente logo abaixo e à direita da tatuagem, embora isso esteja ofuscado na imagem publicada do peito do paciente.

A equipe médica não tinha como entrar em contato com os parentes mais próximos do paciente. Com um moribundo diante deles, eles inicialmente escolheram ignorar a tatuagem, caso ela não refletisse seus desejos genuínos.

Então, depois de consultar os conselheiros de ética do hospital, os médicos decidiram honrar a tatuagem.

Os autores do artigo publicado no jornal escreveram: “Inicialmente decidimos não respeitar a tatuagem, invocando o princípio de não escolher um caminho irreversível diante da incerteza.”

“Esta decisão nos deixou perturbados devido ao esforço extraordinário do paciente para tornar conhecida a sua pressuposta diretiva antecipadamente.”

O autor principal do estudo de caso, Dr. Gregory Holt, disse ao Gizmodo: “A Flórida tem regras rigorosas sobre isso.”

Ele disse ao website que a maior preocupação era se a decisão do hospital era legalmente aceitável.

“Tem de ser em formulário amarelo, tanto o médico quanto o paciente devem assinar… não há qualquer coisa que se refira a tatuagens”, disse o Dr. Holt ao Daily Mail.

Algumas horas depois, a equipe encontrou uma ordem sobre “não ressuscitar”; documentação legal que mostrava que a tatuagem refletia os desejos do homem.

A condição do paciente deteriorou durante a noite e os médicos o deixaram ir.

“É uma preocupação para médicos e pacientes”, disse o Dr. Holt ao Daily Mail.

“Você quer fazer o que é certo por alguém e, se você não sabe, você faz tudo o que pode porque sempre decidimos pela escolha reversível, e não pela escolha que você não pode reverter quando confrontado com a incerteza”, disse ele.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016