Médico sobrevivente do genocídio cambojano dá aviso sincero aos americanos sobre o comunismo

“Nós vemos os comunistas com suas armas, mas você esquece que sua linguagem, o que chamamos de linguagem revolucionária, é poderosa como uma arma”

Por Masoma Haq & Jan Jekielek 

O médico cambojano Nal Oum sobreviveu o genocídio cambojano depois de ser alvo do Khmer Vermelho, e junto com outros “intelectuais” foi forçado a participar de um êxodo em massa da cidade para o campo para realizar trabalhos forçados.

Nal tem um aviso sincero para o mundo livre, especialmente para as pessoas nos Estados Unidos, que foi sua casa nos últimos 30 anos. As ideologias socialistas e marxistas se infiltraram na sociedade americana e dividiram os americanos, com o objetivo de destruí-la por dentro, disse ele.

“Eles vêm para destruir você de dentro, da célula da nação, o que significa a família em primeiro lugar”, disse Oum em entrevista ao programa “American Thought Leaders” da EpochTV, que você pode conferir dublada no canal da NTD portugês.

“A família, depois a nação. A ambição deles, não é apenas um país, é o mundo. Mas para mim, sinto que, provavelmente, a América seria a primeira prioridade, antes do resto do mundo.”

Nal Oum emitiu este aviso porque sobreviveu a um regime comunista brutal que quase destruiu seu país.

O Khmer Vermelho controlou o Camboja de 1975 a 1979, comandado pelo líder marxista Pol Pot, que autorizou o assassinato de mais de 2 milhões de cambojanos e fez os “intelectuais” trabalharem em fazendas comunais no campo, resultando em famílias inteiras morrendo de fome, doença ou excesso de trabalho.

Uma jovem cambojana olha para a estupa principal em Choeung Ek Killing Fields, que está repleta de milhares de crânios de pessoas mortas durante o regime de Pol Pot em Phnom Penh, no Camboja, em 6 de agosto de 2014 (Omar Havana/Getty Images)
Uma jovem cambojana olha para a estupa principal em Choeung Ek Killing Fields, que está repleta de milhares de crânios de pessoas mortas durante o regime de Pol Pot em Phnom Penh, no Camboja, em 6 de agosto de 2014 (Omar Havana/Getty Images)

Os comunistas não atingem seus objetivos abertamente, mas se disfarçam sob a bandeira do socialismo, continuou Oum.

“Eles ganharam terreno muito rápido na França, presidente após presidente. Eles se mantêm no socialismo, a meio caminho. Você sabe, eles têm o partido comunista. O partido comunista nunca conseguiu, legalmente, ter a administração”, disse Oum.

“Mas, através de um rótulo socialista, era fácil para o comunista se infiltrar. E, por favor, acredite, de onde eu venho, no Camboja, conheço o Vietnã, conheço todas as pessoas ao redor do meu país e como os comunistas planejam governar o mundo.”

Ele viu os comunistas vietnamitas entrarem em seu país e tomarem o Camboja, destruindo a sociedade primeiro por dentro e depois proclamando ser os salvadores que os resgatariam.

Oum disse que viu grandes mudanças acontecendo nos Estados Unidos nos últimos sete a oito anos em todas as esferas da sociedade, inclusive nos níveis mais altos do governo.

 Membros dos Socialistas Democratas da América se reúnem do lado de fora de um prédio de propriedade de Trump na cidade de Nova Iorque, em 1º de maio de 2019 (Spencer Platt/Getty Images)

Membros dos Socialistas Democratas da América se reúnem do lado de fora de um prédio de propriedade de Trump na cidade de Nova Iorque, em 1º de maio de 2019 (Spencer Platt/Getty Images)
Cambojanos fogem dos insurgentes do Khmer Vermelho durante o bombardeio de artilharia de Phnom Penh, em 28 de janeiro de 1974 (foto da AP)
Cambojanos fogem dos insurgentes do Khmer Vermelho durante o bombardeio de artilharia de Phnom Penh, em 28 de janeiro de 1974 (foto da AP)

“Mas, com certeza, algo mudou, mas tenho medo de dizer que essa mudança, se nós juntos, todo o povo da América, não estiver ciente disso, e começarmos a fazer algo para impedir isso, será, sinto muito por dizer isso, mas será como de onde eu venho (Camboja) e depois, é um pouco difícil se livrar disso.”

Ele disse que esses marxistas usam “a sofisticada máquina de propaganda” para atingir seus objetivos. No Camboja, ele viu o regime usar a guerra psicológica e a guerra de opinião pública, disse ele. “Manipule um público e depois o outro, a guerra legal”. Eles farão de tudo para ganhar e manter o poder, acrescentou.

A doutrina de Karl Marx é a base de seu pensamento, disse Oum. As pessoas são doutrinadas pouco a pouco ao longo do tempo, como osmose, e ele vê isso acontecendo nos Estados Unidos e comparou o comunismo à infecção por coronavírus, dizendo que infecta e destrói.

“Eles não são como as outras pessoas, uma vez que são doutrinados. Uma vez que eles obtêm a informação, a doutrina, da propaganda, etc., isso forma nas mentes uma espécie de crença.”

“Quando você se torna comunista, precisa fazer isso. Você tem que ganhar o poder pela violência, intimidação, matando, destruindo qualquer coisa”. Ele disse que aqueles que seguem uma ideologia marxista, ou comunista disfarçada, têm muitas outras estratégias para ganhar e manter o poder.

“Infiltração e divisão da sociedade… senão [agitação] eles podem criar a agitação. Os comunistas dizem a si mesmos, criem uma (agitação) no país para onde vão.”

O marxismo emprega essa estratégia de dividir a sociedade em dois grupos, com um grupo sendo rotulado de opressor e outro sendo oprimido, e Oum vê isso acontecendo na sociedade americana hoje.

Manifestantes da Antifa e do Black Lives Matter protestam na noite da eleição perto da Casa Branca em Washington em 3 de novembro de 2020 (Nicholas Kamm/AFP via Getty Images)
Manifestantes da Antifa e do Black Lives Matter protestam na noite da eleição perto da Casa Branca em Washington em 3 de novembro de 2020 (Nicholas Kamm/AFP via Getty Images)

Nal enfatizou que marxistas e socialistas usam uma ferramenta que geralmente não é considerada mortal, mas pode ser tão letal quanto uma arma: a linguagem.

“Nós vemos os comunistas com suas armas, com qualquer coisa. Mas o que geralmente, dificilmente podemos ver, você esquece que sua linguagem, sua linguagem dialética, o que chamamos de linguagem revolucionária, sua própria – criada por eles mesmos – é poderosa como uma arma”, disse Oum. “Eles podem matar você com a linguagem deles”.

Ele disse que o regime não valorizava a vida, e só o trabalho braçal era valioso para eles. Para sobreviver, ele disse que era preciso “ser cego, surdo, mudo, as três regras. Não testemunhe nada”.

Depois de um ano vivendo sob o regime brutal, fazendo trabalhos forçados e testemunhando mortes inimagináveis, ele reuniu coragem para fugir e fugiu para a Tailândia com um objetivo claro: contar às pessoas o que havia testemunhado sob o Khmer Vermelho.

Quando ele começou a planejar sua fuga, ele disse que as palavras de Winston Churchill chegaram a ele, “orar no momento mais sombrio”, e assim, embora a religião tenha sido suprimida, ele foi a uma vila próxima para orar diante de uma estátua de Buda e pedir coragem.

Um mapa que mostra as fronteiras do Camboja, Vietnã e Tailândia (Google Maps)
Um mapa que mostra as fronteiras do Camboja, Vietnã e Tailândia (Google Maps)

Nos dias que se seguiram, ele começou sua jornada de 22 dias sob o manto da escuridão, com apenas um pequeno saco de arroz seco escondido na roupa. Sentindo uma conexão com o reino espiritual, ele caminhou pela selva e contraiu malária, mas finalmente conseguiu sair do Camboja comunista para a Tailândia.

Ele disse que foi sustentado por um pensamento ao longo de seus 22 dias: contar ao mundo o que testemunhou sob o regime comunista, que tinha um completo desrespeito pela vida humana e pelo indivíduo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas