Marco da astrofísica: primeira foto do buraco negro está prestes a ser revelada

Pesquisa colocará à prova a teoria da relatividade geral do físico Albert Einstein

Por Reuters

WASHINGTON – Os cientistas devem revelar, em 10 de abril, a primeira fotografia de um buraco negro, um avanço na astrofísica que fornece insights sobre monstros celestes com campos gravitacionais tão intensos, que nem a luz pode escapar.

A National Science Foundation, dos Estados Unidos, agendou uma coletiva de imprensa, em Washington, para anunciar um “resultado inovador do projeto do Telescópio Horizon de Eventos (EHT)”, uma parceria internacional formada em 2012 para tentar observar diretamente o ambiente imediato de um buraco negro.

Conferências simultâneas de notícias estão agendadas em Bruxelas, Santiago, Xangai, Taipei e Tóquio.

O horizonte de eventos de um buraco negro, um dos lugares mais violentos do universo, é o ponto sem retorno além do qual qualquer coisa – estrelas, planetas, gás, poeira, todas as formas de radiação eletromagnética incluindo a luz – é sugada irremediavelmente.

Buracos negros de massa baixa orbitando Sagitário A * no centro da galáxia Via Láctea, aparecem nesta ilustração fornecida pela Columbia University, em 5 de abril de 2018 (Columbia University / Divulgação via Reuters)

Embora os cientistas envolvidos na pesquisa tenham se recusado a divulgar as descobertas antes do anúncio formal, eles são claros sobre seus objetivos.

“É um projeto visionário para tirar a primeira fotografia de um buraco negro. Somos uma colaboração de mais de 200 pessoas internacionalmente ”, disse o astrofísico Sheperd Doeleman, diretor do Event Horizon Telescope no Center for Astrophysics, Harvard & Smithsonian, em um evento em março, no Texas.

A coletiva de imprensa está marcada para as 9h da quarta-feira.

A pesquisa colocará à prova um pilar científico – a teoria da relatividade geral do físico Albert Einstein, segundo o astrofísico da Universidade do Arizona, Dimitrios Psaltis, cientista do projeto do Event Horizon Telescope. Essa teoria, apresentada em 1915, pretendia explicar as leis da gravidade e sua relação com outras forças naturais.

Buracos negros supermassivos

Os pesquisadores visaram dois buracos negros supermassivos.

O primeiro – chamado Sagitário A * – está situado no centro da nossa própria Via Láctea, possuindo 4 milhões de vezes a massa do nosso Sol e localizada a 26.000 anos-luz da Terra. Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano, 5,9 trilhões de milhas.

O segundo – chamado M87 – reside no centro da galáxia vizinha Virgem A , ostentando uma massa 3,5 bilhões de vezes a do Sol e localizado a 54 milhões de anos-luz da Terra. O fluxo longe do M87, quase à velocidade da luz, é um enorme jato de partículas subatômicas.

Os buracos negros, com uma variedade de tamanhos, são entidades extraordinariamente densas formadas quando estrelas muito massivas colapsam no final do seu ciclo de vida. Buracos negros supermassivos são o maior tipo, devorando matéria e radiação e talvez se fundindo com outros buracos negros.

Psaltis descreveu um buraco negro como “uma distorção extrema no espaço-tempo”, um termo que se refere às três dimensões do espaço e à dimensão do tempo unidas em um único continuum quadridimensional.

Fountains of hot gas erupting from a beastly black hole in the heart of a large galaxy known to radio astronomers as Hercules A. (https://public.nrao.edu/mediause)
Fontes de gás quente em erupção de um buraco negro bestial no coração de uma grande galáxia conhecida pelos radioastrônomos como Hércules A (https://public.nrao.edu/mediause)

Doeleman disse que os pesquisadores do projeto obtiveram os primeiros dados em abril de 2017, de uma rede global de telescópios. Os telescópios que coletaram esses dados iniciais estão localizados nos estados americanos do Arizona e do Havaí, além do México, Chile, Espanha e Antártica. Desde então, telescópios na França e na Groenlândia foram adicionados à rede.

Os cientistas também tentarão detectar pela primeira vez a dinâmica perto do buraco negro enquanto a matéria orbita perto da velocidade da luz antes de ser engolida para o esquecimento.

O fato dos buracos negros não permitirem que a luz escape faz com que seja difícil visualizá-los. Os cientistas estarão à procura de um anel de luz – radiação e matéria circulando a grande velocidade na borda do horizonte de eventos – em torno de uma região de escuridão representando o verdadeiro buraco negro. Isso é conhecido como sombra ou silhueta do buraco negro.

A teoria de Einstein, se correta, deve permitir uma previsão extremamente precisa do tamanho e da forma de um buraco negro.

“A forma da sombra será quase um círculo perfeito na teoria de Einstein”, disse Psaltis. “Se acharmos que é diferente do que a teoria prevê, então voltaremos à estaca zero e diremos: ‘Claramente, algo não está exatamente correto’.

Por Will Dunham

 
Matérias Relacionadas