Manchin se une ao GOP para lutar contra pedido de vacinação do setor privado

Por Joseph Lord

O senador Joe Manchin (D-W.Va.) se manifestou contra a ordem de vacinação do presidente Joe Biden para o setor privado. O congressista juntou-se aos republicanos para co-patrocinar oficialmente um projeto de lei que revogaria a regra.

Manchin disse que começou a considerar tal patrocínio na tarde de quinta-feira.

“Tenho apoiado muito a ordem no governo federal, nas forças armadas, em todas as pessoas que trabalham na folha de pagamento do governo”, disse ele a repórteres. “Tenho estado menos entusiasmado com o setor privado.”

“Estamos trabalhando nisso”, disse Manchin evasivamente.

Mais tarde naquele dia, Manchin anunciou que havia tomado sua decisão e disse que apoiaria os republicanos em seus esforços para derrubar a ordem no setor privado.

Manchin observou em um comunicado divulgado na noite de quinta-feira: “Recebi pessoalmente tanto doses normais da vacina quanto doses de reforço e continuo a encorajar todos os residentes da Virgínia Ocidental a se vacinarem.” Ainda assim, o senador enfatizou sua oposição a qualquer esforço para impor a vacinação a empregadores e empregados do setor privado.

“Deixe-me ser claro: não apoio nenhuma ordem governamental de vacinas em empresas privadas”, disse Manchin. “É por isso que co-patrocinei e apoiarei fortemente um projeto de lei para revogar o pedido de vacinação do governo federal para empresas privadas.”

“Há muito que digo que devemos incentivar, e não penalizar, os empregadores privados cuja responsabilidade é proteger seus funcionários da COVID-19”, disse Manchin.

O compromisso de Manchin com os republicanos ocorre depois de um trabalho conjunto dos republicanos para revogar a ordem que visa o setor privado.

Todos os republicanos na câmara alta juntaram-se ao senador Mike Braun (R-Ind.) e ao líder da minoria no Senado Mitch McConnell (R-Ky.), em 18 de novembro, para desafiar a medida sob a Lei de Revisão do Congresso (CRA).

O CRA, aprovado na década de 1990 pelo presidente da Câmara, Newt Gingrich, permite ao Congresso revisar e, se necessário, revogar novos regulamentos federais implementados por administrações federais, como a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA). Se uma regra for anulada por este procedimento, as administrações federais estão proibidas de publicar a mesma regra ou uma regra substancialmente semelhante.

De acordo com as regras do seu estatuto, uma moção do CRA pode ser aprovada por maioria simples, sem risco de obstrução.

Biden apresentou o pedido de vacinação em setembro, dizendo à nação: “Nossa paciência está se esgotando” com os milhões de americanos que optaram por não se vacinar contra o vírus do PCC.

A ordem se aplicaria a todos os funcionários federais, incluindo militares e contratados federais. Também se estenderia ao setor privado, exigindo que todas as empresas com 100 ou mais funcionários exigissem vacinação ou teste semanal para o vírus.

Para cumprir a ordem, Biden pediu à OSHA que declarasse um padrão de emergência temporário. No passado, esses padrões foram usados ​​para proteger os funcionários contra produtos químicos perigosos ou outras toxinas semelhantes.

A OSHA disse em um comunicado ao Epoch Times que o padrão temporário de emergência “garantiria que a força de trabalho [da empresa] seja totalmente vacinada ou exigiria que qualquer trabalhador que permanecesse não vacinado fosse testado semanalmente antes de ir para o trabalho”.

No total, o mandato de Biden se estenderia a cerca de 100 milhões de americanos, quase um terço de todos os cidadãos americanos.

No entanto, as manobras legais que Biden usou para atingir o setor privado estão sujeitas a uma litania de regras e restrições que podem fazer com que a regra da OSHA seja cancelada.

A mais importante delas é a moção do CRA, que não apenas revogaria o padrão de emergência temporário da OSHA, mas proibiria a imposição de outra regra substancialmente semelhante.

O mandato também enfrenta desafios no sistema judicial; O conservador Quinto Circuito Tribunal já contestou a autoridade de Biden sobre as decisões de saúde de empregadores e empregados do setor privado.

Referindo-se à “falta de paciência” de Biden, o juiz Kurt D. Engelhardt do 5º Circuito de Apelações escreveu que, a fim de proteger “nossa estrutura constitucional … a liberdade dos indivíduos de tomar decisões intensamente pessoais de acordo com as suas próprias convicções deve ser mantida – mesmo, ou talvez particularmente, quando essas decisões frustram os funcionários do governo. ”

Os estados também desafiaram a regra por meio de uma série de caminhos, incluindo um esforço para expandir a elegibilidade para aqueles que perderam seus empregos devido à recusa em tomar a vacina.

Uma coalizão de 24 procuradores-gerais estaduais também contestou a moção, prometendo tirar vantagem de “todas as opções legais disponíveis para responsabilizar [Biden] e defender o estado de direito”.

A posição atual de Manchin sobre a ordem das empresas privadas surge em meio a desafios crescentes à decisão de Biden e dá aos republicanos uma oportunidade muito maior de anular a ordem de vacinação.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas