Mais pesquisadores associam a vacina COVID-19 com casos raros de inflamação cardíaca, revelam estudos

Por Jack Phillips

Dois novos estudos publicados esta semana sugeriram novamente a ligação entre as vacinas de mRNA COVID-19 e os casos de inflamação do coração, depois que as autoridades de saúde federais adicionaram advertências às vacinas Moderna e Pfizer.

Um estudo da Duke University, publicado no JAMACardiology , avaliou quatro casos de miocardite, que se refere à inflamação do coração na camada central da parede do órgão, que ocorreu dentro do período de cinco dias da vacinação com COVID-19. Entre 1º de fevereiro e 30 de abril deste ano.

“Os 4 pacientes que receberam a segunda dose de uma vacina de RNA mensageiro (mRNA) desenvolveram forte dor no peito, apresentaram evidências de biomarcadores de lesão miocárdica, foram hospitalizados e apresentaram resultados de ressonância magnética cardíaca típicos de miocardite”, concluíram os pesquisadores que existe a possibilidade de associação entre o estado de saúde e a vacina.

As autoridades de saúde federais afirmaram que os riscos de desenvolver inflamação do coração são superados pelos benefícios da vacina COVID-19. COVID-19 é a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês).

Os pesquisadores, que observaram que por enquanto “a causalidade não pode ser estabelecida, relataram que três dos pacientes eram homens de 23 e 36 anos, e o quarto era uma mulher de 70 anos. Em dois casos foram indivíduos que receberam a injeção da Pfizer e nos outros dois a injeção da Moderna ”, apontaram.

Todos os quatro pacientes, de acordo com os pesquisadores, relataram forte dor torácica aguda, tiveram resultados anormais de EKG e mostraram evidências de lesão do tecido cardíaco.

Mais pesquisas e estudos são necessários para determinar a relação entre as vacinas de mRNA e a inflamação do coração.

Outro estudo foi publicado esta semana, também publicado no JAMACardiology do US Military Health System, que avaliou 23 indivíduos que sofreram miocardite quatro dias após receberem suas vacinas.

“Nesta série de casos”, disseram pesquisadores militares dos EUA em 29 de junho, “a miocardite ocorreu em pacientes militares previamente saudáveis ​​com uma apresentação clínica semelhante após receber uma vacina de mRNA COVID-19.”

Os pesquisadores relataram que, embora o número de casos de miocardite tenha sido relativamente pequeno, foi maior do que o esperado entre os militares após uma segunda dose da vacina. Os militares administraram quase 3 milhões de doses de vacinas de mRNA durante o período avaliado, de acordo com o estudo.

E como os pesquisadores da Duke University, os pesquisadores militares pediram mais monitoramento e avaliação após a administração das vacinas COVID-19.

“O potencial para eventos adversos raros relacionados à vacina deve ser considerado no contexto do risco bem estabelecido de morbidade, incluindo lesão cardíaca, após a infecção por COVID-19”, escreveram eles.

Vários dias atrás, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA acrescentou um alerta sobre o risco potencial de desenvolver inflamação do coração nas vacinas Pfizer e Moderna, que surgiu depois que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) relataram que haviam descoberto mais casos de inflamação do coração entre jovens e crianças.

Em 25 de junho, a agência escreveu que acrescentaria revisões às suas fichas técnicas para pacientes e provedores sobre o “aumento dos riscos de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) e pericardite (inflamação do tecido ao redor do coração) após a vacinação” com  vacinas COVID -19 da Pfizer ou Moderna.

O Epoch Times entrou em contato com a Pfizer e a Moderna para os comentários.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas