Mais de cem médicos pedem que Julian Assange receba atendimento médico urgente

Por Agência EFE

Mais de cem médicos pedem que o fundador do Wikileaks, Julian Assange, preso na prisão britânica de alta segurança Belmarsh, receba atendimento médico urgente, em uma carta publicada hoje na revista científica “The Lancet”.

Liderados por Stephen Frost e Lissa Johnson, os signatários de 18 países exortam os governos do Reino Unido e da Austrália a “acabar com a tortura”, que significa não proporcionar assistência médica à Assange, cuja saúde está se deteriorando.

O jornalista australiano de 48 anos está preso em Belmarsh, à espera de um julgamento de extradição solicitado pelos Estados Unidos em 24 de fevereiro, que o reivindica pela disseminação de telegramas diplomáticos confidenciais em 2010.

Amanhã, alguns dos colaboradores de Assange comparecerão à imprensa em Londres, incluindo a diretora do WikiLeaks, Kristinn Hrafnsson, e sua advogada Jennifer Robinson, antes de uma audiência preliminar na quarta-feira.

Desde sua primeira prisão em 2010, a pedido da Suécia, que o reivindicou por um caso de supostos crimes sexuais, que foi cancelado desde então, Assange foi confinado, primeiro em prisão domiciliar em uma cidade inglesa e entre 2012 e 2019, refugiado na Embaixada de Londres do Equador, que no ano passado retirou asilo político.

Os médicos assinantes indicam que, durante todo esse tempo, o programador não recebeu atenção médica adequada e lamentaram que, de acordo com testemunhos de várias fontes, sua saúde física e mental esteja piorando.

Lembre-se de que, em uma audiência no tribunal em outubro passado, ele parecia pálido e com baixo peso, mancando e tendo problemas para se concentrar e entender o processo.

Em maio de 2019, o enviado especial da ONU sobre tortura, Nils Melzer, disse, depois de visitá-lo em Belmarsh acompanhado por médicos, que Assange mostrava sintomas típicos de estar “sujeito a tortura psicológica prolongada”.

Os signatários da carta, muitos dos quais assinaram outra semelhante em novembro passado, condenam “a negação de atendimento médico adequado” ao jornalista e enfatizam que “não se deve permitir que a política interfira no direito à saúde e à saúde e ao atendimento médico”.

Esses profissionais, membros do grupo de médicos de Assange, instam outros colegas a se unirem à iniciativa e afirmam que “a politização dos princípios fundadores da medicina é uma preocupação séria” e terá consequências além do caso australiano.

“O abuso por negligência médica motivada politicamente estabelece um precedente sério, de que a profissão médica possa ser manipulada como uma ferramenta política”, escreveram eles no “The Lancet”.

Os signatários alertam que, se Assange morrer na prisão, como Melzer advertiu que isso poderia acontecer “, ele será de fato torturado até a morte”.

A profissão médica não pode se dar ao luxo de “permanecer calada” diante dessa situação de tortura, concluem os médicos, lembrando que não há conflito de interesses nesse caso.

 
Matérias Relacionadas