Mais de 220 pessoas processam arquidiocese em Guam diante de alegações de abuso sexual pelo clero

"A comunidade tem que entender que a Igreja Católica facilitou o maior encobrimento da vitimização de crianças em nossa história"

Por Bowen Xiao

Mais de 220 ex-coroinhas, estudantes e escoteiros estão processando a arquidiocese católica no território da ilha norte-americana de Guam por alegações de assédios sexuais perpetrados por 35 clérigos, professores e chefes de escoteiros.

Milhares de páginas de documentos judiciais revisados pela Associated Press, juntamente com extensas entrevistas, contam uma história de abuso sistêmico desde os anos 50 e de repetidos conluios de padres predadores. Sete homens acusaram publicamente o arcebispo, Anthony Sablan Apuron, de assédios sexuais sofridos na infância. Um dos acusadores é o sobrinho de Apuron.

Apuron foi condenado em um julgamento secreto no Vaticano e suspenso em 2016. Agora, as supostas vítimas estão processando a arquidiocese, que entrou com pedido de concordata no início deste ano. A arquidiocese estimou pelo menos US$ 45 milhões em passivos. Sobreviventes têm até 15 de agosto para pedir uma solução financeira.

O processo em Guam ocorre em meio a uma onda de abertura de investigações por dioceses católicas dos Estados Unidos diante de alegações de abuso sexual de crianças no clero. Mais da metade das 187 dioceses católicas romanas o fizeram ou anunciaram planos para isso.

A recente enxurrada de investigações nos Estados Unidos marca uma mudança extraordinária e renovada em escândalos que assolam a igreja.

Apuron, agora com 73 anos, nega as acusações, mas em abril, o Vaticano revelou que o papa Francisco havia confirmado as conclusões do julgamento secreto da igreja de que Apuron era culpado por crimes sexuais contra crianças.

“Ele acreditava que era intocável, mais poderoso que o governador”, disse Walter Denton à AP, um ex-sargento do Exército dos Estados Unidos que alega ter sido estuprado por Apuron há 40 anos como coroinha. “Mas era eu contra ele e eu não tinha nada a perder”.

Apuron continua sendo um bispo e recebe uma quantia mensal de US$ 1.500,00 da igreja, embora ele tenha sido removido do ministério público e efetivamente exilado de Guam. AP identificou que Apuron se registrou recentemente para votar em Nova Jersey, apesar de residentes dizerem que ele não mora no endereço que ele listou e que eles não o conhecem. A arquidiocese de Guam disse que não sabia onde estava Apuron.

Até hoje, nenhum membro do clero católico em Guam jamais foi processado por um crime sexual, incluindo Apuron. Os arquivos secretos da igreja que poderiam ter ajudado a fornecer provas para processos judiciais teriam sido queimados. Guam ainda não divulgou uma lista de padres que a Igreja considera credivelmente acusados de agressão sexual.

Listas de clérigos

Dioceses nos Estados Unidos têm continuamente divulgado nomes de padres e outros clérigos acusados de abusar sexualmente de crianças.

Em abril, a Arquidiocese de Nova Iorque divulgou uma lista de 120 clérigos “que foram acusados de abusar sexualmente de um menor ou possuir pornografia infantil”. A lista incluía apenas o clero arquidiocesano, que consiste em bispos, sacerdotes e diáconos que foram incardinados na Arquidiocese de Nova Iorque.

Mesmo que a má conduta de alguns padres já tenha sido exposta, Laura Ahearn, uma advogada de Nova Iorque que já representou vítimas de abuso de clérigos por quase 20 anos, disse ao Epoch Times que ainda não é suficiente.

“Eu acho que é uma subestimativa significativa do número de padres. Acho que as dioceses deveriam divulgar todos os nomes ”, disse Ahearn. “A comunidade tem que entender que a Igreja Católica facilitou o maior encobrimento da vitimização de crianças em nossa história”.

Ahearn disse que ela ainda recebe telefonemas de vítimas de abuso sexual infantil todos os dias, incluindo aqueles abusados por padres ou clérigos. Ela disse que a idade média das vítimas varia de 50 a até 82 anos, porque o trauma as manteve em silêncio por muitos anos.

“Quatro pessoas me contataram ontem. Isso acontece muito regularmente”, disse Ahearn. “Há pessoas que também estão me contatando de fora do país. Ontem, um indivíduo me contatou em Porto Rico”.

Em muitas das listas divulgadas pelas dioceses, os sacerdotes já faleceram.

Michael Dolce, advogado da Cohen Milstein Sellers & Toll, que representa vítimas infantis e adultas sobreviventes de abuso de clérigos, enfatizou repetidamente um ponto chave para levar os perpetradores de abuso sexual infantil à justiça: o Estatuto de Limitações.

Os Estatutos de Limitações impedem os procuradores de terem o poder de acusar alguém após um determinado número de anos que um crime foi cometido ou quando a vítima atinge uma certa idade. Dolce disse ao Epoch Times anteriormente que o estatuto “impediu a continuidade de muitas ações criminais ou civis”, chamando-o de “principal impedimento legal”.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas