Mais de 20 fotos do Tibete antes e depois da invasão revelam dois mundos diferentes

Tibetanos estão se tornando minoria em seu próprio país e a cultura tibetana está sendo engolida

Em nome do “libertador” Tibete, o Partido Comunista Chinês devastou completamente a outrora pacífica Terra das Neves, matando monges em massa e reduzindo os sagrados locais religiosos a ruínas. Segundo Como o Espectro do Comunismo Está Governando o Nosso Mundo, “dos 2.700 templos originalmente no Tibete, apenas 8 foram salvos”.

Não só os tibetanos se sentem incompletos sem o seu líder espiritual agora exilado, mas a inundação estratégica do governo chinês de chineses han em Lhasa, pela razão de “apoiar o avanço da região”, está mudando toda a composição da outrora isolada Shangri-La. Os tibetanos estão se tornando a minoria em seu próprio país e a cultura tibetana está sendo engolida.

Aqui temos uma coleção de imagens do Tibete antes da ocupação chinesa e depois:

~ ANTES ~

Imagens raras de tempos pré-invasão.

©YouTube  | BBC

Vestuário cerimonial tibetano artesanal.

©YouTube | BBC

O Dalai Lama (ou Oceano da Sabedoria) é um líder espiritual e secular.

©YouTube | BBC

Pequenos monges vêem uma câmera provavelmente pela primeira vez.

©YouTube | BBC

Thubten Gyatso, o 13º Dalai Lama, declarou a independência do Tibete em 1913 por proclamação escrita.

©Free Tibet

Um desfile militar em 1938. A bandeira tibetana é estritamente proibida no Tibete hoje, mas era uma visão bem-vinda antes da invasão comunista.

©FreeTibet

O 14º Dalai Lama (atual) em sua cerimônia de entronização em 22 de fevereiro de 1940, em Lhasa.

©Wikipedia

Cerimônias tradicionais, embora quase todas banidas pelo regime chinês hoje, eram uma grande parte da vida tibetana antigamente.

©YouTube | BBC
©YouTube | BBC

Mulher tibetana vestindo uma matriz elaborada de jóias preciosas.

©YouTube | Office of Strategic Services

Essas lindas garotas são um pouco tímidas nas estão tentando manter o olhar.

©YouTube | Office of Strategic Services

Traje mais tradicional.

©YouTube | BBC

“Sua Santidade” não é mais visto em sua terra natal. Fotos dele são consideradas ilegais pelo regime chinês.

©OHHDL

Um mapa militar dos Estados Unidos de 1941 mostrando o Tibete como um país.

©Tibettruth

~ DEPOIS ~

A ideologia comunista é antitética a todas as religiões.

©Wikipedia | John Hill

A repressão militar de 2008 em Ngaba trouxe a prisão de muitos monges.

©Wikipedia | SFT HQ (Students for a Free Tibet)

Monges maltratados pela polícia chinesa. Os cartazes que eles usam para marcá-los como “separatistas”.

©Wikipedia | SFT HQ (Students for a Free Tibet)

Bandeiras do partido comunista vermelho-sangue se alinham em Barkhor, o mais popular corredor devocional para peregrinos e locais em Lhasa.

©Getty Images | Steve Allen

Mao queria destruir o Palácio de Potala, a antiga residência do Dalai Lama, a fim de esmagar o espírito do povo tibetano. Ele decidiu o contrário, sabendo que poderia ser usado para ganhar dinheiro como um destino turístico. Mais uma vez, a bandeira vermelho-sangue do regime chinês é um lembrete constante de quem é o chefe por aqui.

©Getty Images | JOHANNES EISELE

Mosteiros e patrulhamento do pessoal de segurança chinês não são uma visão incomum em Lhasa nos dias de hoje.

©Getty Images | Robert Nickelsberg

O Mosteiro de Ganden foi destruído pelo Exército de Libertação do Povo em 1959. Foi considerado um dos “três grandes” mosteiros universitários Gelug do Tibete, antes de ser reduzido a ruínas.

©Wikipedia | Tashi0

Esta foto, tirada em 1958, retrata uma cena comum na época.

Mao forçou os tibetanos a deificar-lo, como retratado aqui no Mosteiro de Ramoche.

Infelizmente, o Tibete não teve chance …

Mao primeiro assegurou a destruição dos 5.000 anos de cultura da China durante a “Grande Revolução Cultural”, então ele voltou sua atenção para o Tibete…

Multas se aplicam a tibetanos que se recusam a cantar músicas que louvam a ditadura chinesa.

Jun 19: Songs of PraiseA new loyalty campaign has been launched in the formerly independent Himalayan region of Tibet,…

Posted by Contact News on Monday, June 18, 2018

Lhasa é uma das cidades mais fortemente vigiadas sob ocupação chinesa.

©Getty Images | China Photos

O governo do Tibete no exílio afirma que mais de 1 milhão de tibetanos morreram de causas não naturais como conseqüência direta da ocupação chinesa.

De acordo com pesquisadores independentes, o Partido Comunista Chinês tem como alvo os tibetanos e os uigures para a extração forçada de órgãos, embora os praticantes do Falun Gong continuem sendo os principais alvos de seus órgãos saudáveis.

Para mais informações sobre extração forçada de órgãos, veja abaixo:

Assista ao vídeo sobre a situação atual do Tibete aqui:

 
Matérias Relacionadas