Maduro, Ortega e Díaz Canel, “os três palhaços do socialismo”, cairão, diz conselheiro de Trump (Vídeo)

"Temos a responsabilidade de dizer a verdade sobre os perigos dessas ideologias malignas e coletivistas, o imenso sofrimento humano que ela provoca e os perigos de sua disseminação"

Por VOA

O Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, anunciou ontem (17) novas sanções contra os regimes de Cuba, Venezuela e Nicarágua, em um discurso aos exilados cubanos em Miami, no qual ele reiterou que a atual administração americana não apóia “ditadores” nem abandonará “nunca mais” aqueles que lutam contra o comunismo.

O discurso de Bolton perante a Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos é especialmente simbólico para os cubanos, porque coincide com o 58º aniversário da fracassada invasão da ilha por parte dos Estados Unidos em 1961, que pretendia derrubar Fidel Castro.

Com palavras duras, Bolton informou que o governo de Donald Trump deu luz verde ao Título III da Lei Helms-Burton, que dá aos americanos o direito de processar empresas que lucram com bens confiscados por Cuba nos anos 60.

O assessor americano planeja fazer um discurso para os exilados cubanos em Miami, onde mais sanções devem pressionar os governos da região que continuam a apoiar o presidente em disputa na Venezuela, Nicolás Maduro.

“Decidimos acabar com as isenções do Título III da Lei Helms-Burton de uma vez por todas”, disse Bolton enfaticamente, em aparente alusão ao fato de que todos os presidentes americanos desde Bill Clinton suspenderam esta seção por temer incomodar os aliados dos Estados Unidos e complicar as relações ruins de longa data com Havana.

A decisão representa uma mudança drástica em mais de duas décadas da política americana em relação a Havana.

Bolton também anunciou outras sanções contra a ilha, cujo regime ele acusou de ajudar a manter a ditadura de Nicolás Maduro, que inclui mais restrições às visitas de americanos à ilha e estabelecer limites para o envio de remessas familiares, fixando em US$ 1.000 por trimestre o montante permitido a partir de agora.

“O regime cubano cerrou o punho e estendeu seus tentáculos”, disse Bolton.

“Durante anos, o regime cubano sufocou a Venezuela e contribuiu diretamente para a atual crise para seu próprio benefício e sobrevivência. Neste momento, Havana continua apoiando [Maduro]”, disse ele.

Conselheiro de Segurança Nacional John R. Bolton fala durante almoço na Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos, no Hotel Biltmore, em 17 de abril de 2019 em Coral Gables, Flórida. Bolton falou sobre as medidas que a administração Trump está tomando para enfrentar os regimes de Cuba, Venezuela e Nicarágua (Joe Raedle / Getty Images)
Conselheiro de Segurança Nacional John R. Bolton fala durante almoço na Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos, no Hotel Biltmore, em 17 de abril de 2019 em Coral Gables, Flórida. Bolton falou sobre as medidas que a administração Trump está tomando para enfrentar os regimes de Cuba, Venezuela e Nicarágua (Joe Raedle / Getty Images)

Ele chamou Maduro de “marionete” de Cuba, acrescentando que ele usa as mesmas táticas para reprimir a oposição: “Nós sabemos quais são as raízes dos coletivos venezuelanos”, disse ele, referindo-se a grupos semelhantes que operam em Cuba.

Ele também se referiu à pressão exercida pelos Estados Unidos no caso da Venezuela e disse que as sanções estão sendo aplicadas “de maneira transparente, agressiva e efetiva”.

Ele afirmou que o objetivo para a ilha é ajudar o povo cubano a “promover a liberdade de reunião e expressão”.

Influência maligna

Bolton criticou a política de aproximação do ex-presidente Barack Obama de Cuba e disse que esse tempo passou.

“Tragicamente, a política equivocada do governo Obama proporcionou ao regime cubano a cobertura política necessária para expandir sua influência maligna e seu imperialismo ideológico em toda a região”, disse Bolton.

Ele se referiu à recente medida que extinguiu um acordo da era Obama para que os jogadores cubanos se inscrevessem como jogadores nas ligas principais. Bolton disse que a política de Obama funcionou como “a válvula de escape que Cuba procurava tão desesperadamente”.

A administração Obama, analisou ele, “queria melhorar as relações com os tiranos de Havana e convencer o mundo de que eles não representavam mais ameaças, então o regime cubano estendeu seus tentáculos. Em termos claros, as políticas de Obama permitiram a colonização da Venezuela por Cuba”.

“Estamos de pé junto com os patriotas que amam a liberdade desta região. Estamos corrigindo os erros e desfazendo os danos”, disse ele.

Ao mesmo tempo, agradeceu aos exilados cubanos por sua luta pela liberdade: “Cada um de vocês, nossos brigadistas e membros da comunidade de exilados, testemunharam os horrores do socialismo e do comunismo”.

Ele lembrou que, há seis décadas, muitos dos presentes em seu discurso haviam “lutado voluntariamente contra os credos venenosos para libertar o povo cubano do reinado opressivo de Castro”.

“Honraremos sua coragem e a memória de todos os que morreram enfrentando audaciosamente os males do socialismo e do comunismo neste hemisfério. Deixe-me ser claro: a administração Trump nunca, nunca, jamais os abandonará”.

A troika maligna

Conselheiro de Segurança Nacional John R. Bolton fala durante almoço na Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos, no Hotel Biltmore, em 17 de abril de 2019 em Coral Gables, Flórida. Bolton falou sobre as medidas que a administração Trump está tomando para enfrentar os regimes de Cuba, Venezuela e Nicarágua (Joe Raedle / Getty Images)
Conselheiro de Segurança Nacional John R. Bolton fala durante almoço na Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos, no Hotel Biltmore, em 17 de abril de 2019 em Coral Gables, Flórida. Bolton falou sobre as medidas que a administração Trump está tomando para enfrentar os regimes de Cuba, Venezuela e Nicarágua (Joe Raedle / Getty Images)

Bolton disse que Trump se inspirou em Miami com as experiências dos exilados desde sua campanha em 2016 para chegar à presidência e disse que hoje está “orgulhoso” de oferecer apoio à causa.

Ele voltou a chamar de “a troika maligna” os regimes de Miguel Díaz Canel, de Cuba; Nicolás Maduro, da Venezuela, e Daniel Ortega, da Nicarágua.

Ele disse que os Estados Unidos estão “cem por cento” do lado dos lutadores pela liberdade nesses três países. Ele lembrou que Trump cancelou em junho de 2017 o acordo entre La Hababa e Washington para a restauração das relações a pedido de Obama.

Bolton mencionou as novas sanções que afetam Maduro e Ortega.

“Eles terão que pagar os preços do mercado de petróleo, não mais subsídios para os ditadores comunistas! (…) Tenho o prazer de anunciar novas sanções contra o Banco Central da Venezuela para restringir as transações norte-americanas com esse banco e proibir seu acesso a dólares norte-americanos”, afirmou.

Ele garantiu que esse banco tem sido crucial para manter Maduro no poder.

Bolton reiterou o apoio aos que lutam pela liberdade na Nicarágua: “Tenho o prazer de anunciar que os Estados Unidos sancionarão o Bancorp, o fundo de lama de Ortega. Vamos atacar os bolsos da família de Ortega, que continuam vivendo da miséria do povo nicaraguense”.

“As crenças ingênuas agora deram lugar ao senso comum. Nós não estamos mais renunciando à liberdade americana em nome da governança global. Nós não estamos mais vendendo nossos amigos para apaziguar nossos adversários. Não estamos mais sacrificando os interesses dos americanos para buscar fantasias idealistas: em Havana, Teerã ou em qualquer outro lugar”, explicou.

“Todos nós devemos rejeitar as forças do comunismo e do socialismo neste hemisfério e neste país. Temos a responsabilidade de dizer a verdade sobre os perigos dessas ideologias malignas e coletivistas, o imenso sofrimento humano que ela provoca e os perigos de sua disseminação. Juntos, podemos terminar o que começou nessas praias, naqueles dias famosos em abril, há 58 anos atrás”, disse ele.

 
Matérias Relacionadas