Maduro diz que ‘não é uma má ideia’ comprar mísseis do Irã para Venezuela

Duque disse na quinta-feira que tem "informações de agências de inteligência internacionais" que alertam sobre as intenções da Venezuela "de adquirir mísseis de médio e longo alcance através do Irã"

Por Agência EFE

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, garantiu no sábado que não descarta a compra de armas de guerra de seu aliado Irã, ao responder ao presidente colombiano, Iván Duque, que denunciou na quinta-feira que Caracas estava preparando a aquisição de mísseis com a ajuda de Teerã.

“Não é uma má ideia, Iván Duque, não tínhamos pensado nisso mesmo. Quando ouvi Iván Duque, disse: ‘Meu Deus, e por que não pensamos isso, se o Irã tem uma tecnologia tremenda’ ”, disse o líder chavista durante uma reunião virtual do Congresso do Povo Bolivariano.

Duque disse na quinta-feira que tem “informações de agências de inteligência internacionais” que alertam sobre as intenções da Venezuela “de adquirir mísseis de médio e longo alcance através do Irã”.

O presidente colombiano acrescentou que a informação disponível é a de que “(os mísseis) ainda não chegaram, mas essas aproximações foram feitas, principalmente com a instrução do (Vladimir) Padrino”.

Mas Maduro respondeu hoje que, se a operação se concretizasse, não seria ilegal porque a Venezuela “não tem proibição de compra” de armas.

“Se o Irã tem a possibilidade de nos vender uma bala ou um míssil, e nós temos a possibilidade de comprá-lo, boa ideia, aprovo Iván Duque, eu vou fazer, nós vamos fazer, temos que estudar”, continuou Maduro.

Além disso, o líder chavista disse que a Venezuela possui um “avançado sistema de defesa russo” que foi adquirido nos últimos anos.

No entanto, não ficou claro se Chavismo realmente pretende adquirir baterias antiaéreas iranianas ou se Maduro estava apenas brincando como forma de responder à reclamação de Duque.

Venezuela e Colômbia compartilham uma fronteira de 2.219 quilômetros, região na qual proliferam militantes guerrilheiros, contrabandistas e narcotraficantes e onde ocorre um grande fluxo de migrantes.

Da mesma forma, a Colômbia faz parte do grupo de mais de 50 países que reconhece Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e não mantém relações diplomáticas com o governo Maduro desde 23 de fevereiro de 2019.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas