Maduro começa a cair nas pesquisas pelas eleições presidenciais na Venezuela

Dados revelam que 67% dos eleitores não tem a mesma confiança que tinham em Chávez
Maduro em Caracas ao lado do presidente da Bolívia e comitiva em 13 de março de 2013 (Geraldo Caso/AFP/Getty Images)

A folgada margem que existia entre as preferências governamentais e a oposição pelo povo venezuelano para as eleições presidenciais começam a reduzir-se, segundo pesquisa realizada pela empresa Datin Corp a pedido dos dirigentes chavistas.

Os 10,7% de vantagem que Hugo Chávez obteve em outubro passado se reduziram para 8%, faltando duas semanas para as eleições de 14 de abril, informou a ABC.

Com 11% de indecisos e 7% de votos em branco, a pesquisa posicionou Maduro com 45% e Capriles com 37%.

Os dados revelam que os 67% que outrora votaram em Chávez não têm a mesma confiança em Maduro, situação reforçada pelos 23% de chavistas convictos e 54% de chavistas moderados.

64% crê que o governo informou de maneira insatisfatória sobre a situação de saúde do ex-líder, o que gerou desconfiança, segundo a ABC. Hugo Chávez morreu quando sofria de insuficiência cardíaca e complicações de um prolongado tratamento de câncer.

A Datin assinala que, no momento, Maduro segue na frente nos estados ocidentais de Lara, Zulia e Falcón.

Os líderes da oposição creem que esta situação gera grande nervosismo nas fileiras do oficialismo, que chegou a recorrer a expressões como “herdeiros de Hitler”.

Esta frase, dita por Maduro contra seu concorrente político Henrique Capriles e seus seguidores, surgiu logo que este pensou iniciar sua campanha eleitoral (entre 2-11 de abril) em Barinas, terra de Chávez, no mesmo dia que Maduro.

Maduro acusou Capriles de iniciar uma campanha de violência no país. Carlos Ocariz, diretor-geral da organização opositora, negou firmemente as insinuações.

“O que esse senhor vem fazer aqui? Por acaso ele nasceu em Barinas ou o povo assim deseja? Tudo que ele faz é provocar”, disse Maduro a simpatizantes num encontro realizado no mesmo estado, segundo a Globovisión.

Finalmente, Capriles iniciará seus atos no estado de Monagas (no noroeste) e quarta-feira irá a Barinas (no sudoeste).

“Creio que nossa Venezuela é grande o suficiente e as ruas largas o bastante para que todos possamos fazer [campanha] em espírito de paz, com espírito de proposta”, replicou Capriles, segundo a Globovisión.

Por sua vez, Maduro pediu a seus seguidores “apoio de todo o povo, das organizações políticas e dos revolucionários, para não caírem em provocações” e que “não o vejam”, segundo La Nación.

A Igreja Católica, devido à Semana Santa, interveio pedindo maior cordialidade diante dos insultos e acusações de todo calibre que têm sido feitas. Seguindo seu programa, Maduro repete os mesmos insultos de seu antecessor Hugo Chávez.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas