Maduro vende ouro venezuelano em Londres com ajuda da ONU

Por Sabrina Martín, PanAm Post

O regime de Nicolás Maduro novamente usa como desculpa a pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus como renda. Nesta ocasião, ele pediu ao Banco da Inglaterra para vender ouro venezuelano através da ONU para atender às necessidades supostamente geradas pelo vírus.

Um relatório da agência de notícias Reuters revelou que o Banco Central da Venezuela, administrado pelo Chavismo, procura negociar parte do ouro depositado no Banco da Inglaterra para canalizar os recursos através das Nações Unidas (ONU).

Apesar de Maduro se gabar de haver apenas 329 casos na Venezuela e afirmar ter tudo “sob controle”, ele está solicitando a venda de ouro sob a desculpa de COVID-19, além de solicitar ajuda humanitária internacional e empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI)

“A proposta elaborada por funcionários e consultores jurídicos do governo Maduro é que o banco britânico venda parte do ouro e entregue o dinheiro ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)”, disse uma das fontes à Reuters.

“Desde o final de 2018, funcionários do Banco Central e do governo Maduro viajaram para Londres para tentar mobilizar parte do ouro sem sucesso, segundo fontes financeiras. Os bares que estão na instituição são equivalentes a cerca de 1,6 bilhão de dólares”, revelou a agência de notícias.

E é nessa ocasião que o Banco da Inglaterra (BoE) se recusou a doar mais de US $ 550 milhões em barras de ouro ao regime Nicolás Maduro para impedir a lavagem de dinheiro. O ouro venezuelano armazenado no Banco da Inglaterra foi usado como garantia, apoiando empréstimos internacionais.

Não é a primeira vez que o regime Nicolás Maduro usa ouro venezuelano para obter liquidez e auto-financiamento. À medida que a falta de renda aumenta com o aumento das sanções e a queda nos preços do petróleo, o ouro se torna um mecanismo eficaz para a tirania obter dinheiro a curto prazo com a ajuda de países aliados.

Segundo a Reuters, durante a quarentena, o regime de Nicolás Maduro removeu oito toneladas de ouro dos cofres do Banco Central da Venezuela e parte do dinheiro da venda teria sido usada para adquirir suprimentos para processar a gasolina.

“Com a última retirada, o Banco Central ainda teria mais de 80 toneladas de ouro em seus cofres, segundo fontes. No início de 2019, possuía 129 toneladas”, observa Reuters.

Os Estados Unidos denunciaram que a venda de ouro se tornou uma maneira de a Venezuela escapar das sanções dos EUA.

“Os Estados Unidos identificaram um primeiro setor, o do ouro, que o governo venezuelano usou para realizar transações ilícitas (…) com esses saques. Eles não estão apenas roubando ativos de seu próprio povo, mas também é algo que teve sérios problemas, conseqüências ambientais, como mercúrio nos rios”, disse John Bolton, Conselheiro de Segurança Nacional do país norte-americano.

“O Banco Central da Venezuela (BCV) está vendendo ouro sem reportá-lo, e o faz diretamente. Há também o fenômeno da extração de ouro do Arco Minero sem nenhum tipo de controle ou relatório”, explicou o economista venezuelano Pedro Palma.

As reservas de ouro da República caíram 30% enquanto o Banco Central da Venezuela (BCV) vende o mineral sem reportá-lo. Há também o fenômeno da extração de ouro do Arco Minero sem nenhum controle ou relatório.

Nos últimos meses, o regime chavista se dedicou a saquear o BCV, extraindo gradualmente dezenas de toneladas de ouro para vender no exterior e obter dinheiro. As vendas de ouro “debaixo da mesa” e sem a aprovação da legítima Assembléia Nacional são uma das poucas maneiras pelas quais a tirania obtém dinheiro, permanece no poder e paga parte de suas dívidas, internas e externas.

Este artigo foi publicado originalmente no PanAm Post..

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 

 

 
Matérias Relacionadas