Lucro da Big Tech é feito reforçando comportamentos do usuário, diz autora

“Você só vê coisas que reforçam seu comportamento atual. E politicamente, podemos pensar nisso como um ato divisor"

Por Massoma Hag & Steve Lance 

Jane Hoffman, autora do livro “Your Data; Their Billions” (“Seus Dados, Bilhões Deles”, em tradução livre), explora a prática da Big Tech de vender dados pessoais dos usuários para lucro. Hoffman disse que além de lucrar com a atividade online de uma pessoa, empresas como Google e Facebook reforçam comportamentos políticos que aprofundam as divisões na sociedade.

“Você só vê coisas que reforçam seu comportamento atual. E politicamente, podemos pensar nisso como um ato divisor, porque as pessoas estão sendo divididas por seu comportamento e suas atividades online”, disse Hoffman durante uma entrevista recente ao Capitol Report da NTD.

O Dr. Robert Epstein, pesquisador sênior psicólogo do Instituto Americano de Pesquisa e Tecnologia Comportamental na Califórnia, que conduziu estudos rigorosos de manipulação online, também descobriu que a manipulação da Big Tech de seus usuários está criando mais divisão política.

Ele disse que a Big Tech atualmente não presta contas a ninguém: “E, no entanto, eles têm em suas mãos o poder de mudar a maneira de pensar em grande escala. O poder, pelo menos em eleições acirradas, de escolher o vencedor em país após país após país”.

Enquanto isso, Hoffman disse que a pessoa média, incluindo adolescentes, passa mais de 4 horas em seu dispositivo todos os dias, mas outras estatísticas mostram uma tendência muito mais preocupante.

Segundo uma pesquisa do Pew Research Center realizada de 25 de janeiro a 8 de fevereiro de 2021, 31% dos adultos relataram estar em um dispositivo conectado à Internet “quase constantemente”. Tudo isso se traduz em mais lucros para a Big Tech.

“Iremos viver em um Metaverso? Como o Facebook gostaria, para que possamos nos comunicar online uns com os outros com com essas personas que criamos”, disse Hoffman.

“Eles ganham dinheiro com publicidade e venda de dados. Então, eles ganham dinheiro não por meio de um modelo de assinatura, mas por possuir seus dados e vendê-los.”

Segundo o MarketWatch a Big Tech teve um “pagamento de US $1,4 trilhão” durante a pandemia. Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft aumentaram seus lucros em 45% em 2021.

Hoffman, que também é membro sênior da Universidade de Harvard e atuou anteriormente como Comissário de Assuntos do Consumidor na cidade de Nova Iorque, disse que “todas essas empresas estão comprando e vendendo seus dados. Portanto, é compartilhado, mas há um custo associado a ele. Então, por causa dos seus dados, eles estão ganhando bilhões. Existe o que é chamado de corretor de dados. Então, toda vez que você está fazendo algo online, eles estão comprando essa informação”.

Ela disse que se você comprar um determinado item, a Big Tech enviará publicidade para outros itens relacionados que eles sabem que as pessoas compram junto com o primeiro item.

Uma pesquisa de 2019 da Pew descobriu que as pessoas sentem que não é possível manter seus dados privados ou estão confusas sobre como impedir que eles sejam usados pela Big Tech, e uma Morning Consult de 2021 descobriu que mais de 70% das pessoas apoiam uma legislação de privacidade de dados online.

“E, infelizmente, a privacidade está se tornando um bem de luxo. Então, o que aconteceu é que seus dados, toda vez que você digita algo no seu computador, você procura por algo, ou você está no seu telefone, você está sendo rastreado, você está deixando migalhas de pão e um rastro para que você possa ser encontrado, porque você é o produto”, disse Hoffman.

“Portanto, nada que você faz é privado, existem cerca de 2.000 bits de informação que a Big Tech tem sobre você. Neste momento, ninguém provavelmente sabe exatamente onde você está, quais medicamentos você toma, sua sexualidade, o que você compra online. Mas sabe quem sabe? A Big Tech sabe.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas