Livro que expõe perseguição de Pequim contra o Falun Gong ganha prêmio Benjamin Franklin

Por Frank Yue

Em 14 de maio, a Independent Book Publishers Association (IBPA) declarou que o vencedor da categoria Bill Fisher do Prêmio Benjamin Franklin de 2021 para o melhor livro de não ficção foi a Minghui Publishing por seu livro: Minghui Report: The 20-Year Persecution of Falun Gong in China ( Relatório Minghui: 20 anos de perseguição ao Falun Gong na China).

Estabelecido em 1983, o IBPA é a maior associação de editoras dos Estados Unidos. As homenagens oferecidas pelo Prêmio Benjamin Franklin estão entre as maiores homenagens nacionais para editoras independentes.

Michael J. Carson, revisor sênior da Midwest Book Review (MBR) Bookwatch , disse sobre o livro: “Impressionantemente informativo, excepcionalmente bem organizado e apresentado.”

Ele acrescentou que o livro é um “estudo único, extraordinário e abrangente que é altamente recomendado e sem reservas para as coleções de bibliotecas pessoais, comunitárias, colegiais e universitárias”.

Peter Westmore, ex-presidente do Conselho Cívico Nacional da Austrália (NCC), o recomendou fortemente para bibliotecas e funcionários do governo em uma edição de 8 de agosto de 2020 do “News Weekly”.

“Para aqueles preocupados com o mau uso do poder chinês em todo o mundo, este livro é uma fonte essencial de informação”, escreveu ele.

Ele acrescentou que “merece estar em bibliotecas de todo o mundo, e em escritórios parlamentares, para que a verdade seja dita”.

Zhang Lin, um autor em língua chinesa e dissidente que foi preso na China, felicitou Minghui Publishing pelo prêmio. Ele acrescentou que foi um forte reconhecimento dos esforços contra a perseguição aos praticantes do Falun Gong dentro e fora da China .

Ele disse que o prêmio ajudaria a espalhar a verdade sobre o Falun Gong ao redor do mundo e expor a natureza maligna do Partido Comunista Chinês (PCC).

“A comunidade de praticantes do Falun Gong é aquela que conhece melhor a natureza maligna do PCC, um mundo que merece respeito”, disse Zhang.

Zhang lembrou que durante sua detenção na China, ele conheceu muitos deles na prisão e estabeleceu uma amizade inesquecível. Ele testemunhou o destemor neles quando confrontados com tortura ou maus-tratos no local.

David Li, representante da Minghui Publishing, agradeceu ao IBPA. Ele disse que é uma honra para ele falar em nome de uma comunidade pacífica de meditadores na China que foi submetida a uma perseguição brutal por causa de suas crenças.

“Os voluntários do Minghui.org são uma grande equipe”, acrescentou Li. “Sem eles, o livro não seria possível. É difícil descrever o quão corajosos eles são em arriscar sua segurança para coletar informações em meio ao bloqueio e vigilância do PCC. ”

O livro de 450 páginas documenta fatos de primeira mão sobre a China comunista . Mostra ao leitor como o regime reprimiu os praticantes do Falun Gong e espalhou sua perseguição ao redor do mundo e intimidou líderes e empresários estrangeiros.

O relatório do Minghui também inclui os papéis que os principais perpetradores e o Escritório 610 (a Gestapo chinesa) desempenharam na campanha do PCC contra os praticantes do Falun Gong.

Ao mesmo tempo, o livro esclarece mal-entendidos entre alguns especialistas chineses. Ele se baseia em informações de primeira mão coletadas pelo Minghui para mostrar a “brutalidade da perseguição na China e no exterior”, os papéis dos principais genocidas, e esclarece “equívocos de especialistas e acadêmicos da China que foram enganados pela narrativa do PCC, ”De acordo com Minghui.org .

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas