Livreiro religioso chinês é condenado a sete anos de prisão

Em maio de 2015 Xi Jinping levantou pela primeira vez a “sinicização” das religiões

Por Frank Yue

Um homem da província de Zhejiang, na China, foi condenado a sete anos de prisão pelo Tribunal da cidade de Linhai por sua alegada “venda ilegal” de livros religiosos importados do exterior pela Internet.

Chen Yu foi condenado por suas operações comerciais em 27 de setembro, de acordo com a Radio Free Asia (RFA). Ele também foi multado em 200.000 yuans (US$ 29.450).

Chen vendeu cerca de 770 diferentes livros e jornais relacionados à religião importados dos Estados Unidos e de Taiwan.

Chen não é o único que tem problemas com as autoridades; seus clientes também teriam sido investigados pela polícia local. A RFA relatou que as autoridades localizaram os clientes de Chen por meio das informações do pedido que apreenderam da loja online de Chen.

Esses clientes, que se identificaram como cristãos das províncias de Shandong, Henan e Zhejiang, disseram que suas casas foram invadidas pela polícia local, que confiscou seus livros religiosos não aprovados pelo Partido Comunitário Chinês (PCC).

“O ‘Wheat Study’ foi considerado uma força anti-China”, disse a polícia durante buscas domiciliares, de acordo com a RFA. “Wheat Study” é o nome da livraria online de Chen.

De acordo com um comunicado das autoridades locais obtido pela RFA, a polícia interrogou mais de 10.000 clientes suspeitos.

Um cristão, sob condição de anonimato, expressou desaprovação da decisão do tribunal para Chen. “É muito injusto porque os cristãos não causam nenhuma perturbação na sociedade ao operar essas livrarias”, disse ele à RFA.

“Era mais fácil anos atrás”, acrescentou. “Você podia comprar livros cristãos on-line quando quisesse”.

“Agora, todos estão proibidos. Eles vão até você se você deixar uma mensagem. Basicamente, não compramos nada. Eu faço download de versões eletrônicas na Internet porque sei como contornar o Grande Firewall”, disse ele, referindo-se à ferramenta de vigilância e censura do regime chinês usada para bloquear o acesso chinês a sites específicos, especialmente de países pró-democracia.

Outro cristão disse que se tornou extremamente cauteloso desde que oficiais do governo investigaram suas compras de livros religiosos. Para evitar que suas transações fossem monitoradas, o homem removeu todos os seus aplicativos e contatos com laços religiosos de seu celular e deixou os grupos religiosos online dos quais participava nas redes sociais.

Zhang Jialin, professor do Departamento de Religião e Gestão da Informação da Universidade Aletheia em Taiwan, disse à RFA que a última decisão judicial foi um golpe chocante para a liberdade religiosa na China.

Ele disse que nunca tinha ouvido falar de uma punição tão severa pela venda de um livro religioso não aprovado, embora o PCC tenha considerado esses livros ilegais.

“Penalidades criminais foram impostas para incidentes semelhantes, mas nenhuma delas havia sido tão severa. Presumivelmente, o tribunal local fez isso para respeitar as políticas religiosas de Xi Jinping”, acrescentou Zhang.

“Sinicização” das religiões

Em 2014, cenas de igrejas em toda a China com as cruzes removidas chocaram muitos cristãos na China e em todo o mundo. Em 27 de fevereiro daquele ano, por exemplo, as autoridades do distrito de Yuhang na cidade de Hangzhou, província de Zhejiang, recrutaram mais de 200 pessoas e usaram um guindaste para desmontar rapidamente uma cruz da Igreja Huanghu em questão de 20 minutos.

Então, em uma reunião da Frente Unida realizada em Pequim de 18 a 20 de maio de 2015, o líder chinês Xi Jinping levantou pela primeira vez a “sinicização” das religiões. Ele delineou sua política para adaptar religiões – cristianismo, budismo e outras – às necessidades do “socialismo com características chinesas” do PCC.

Desde então, aumentaram os relatos em todo o país de igrejas que tiveram suas cruzes removidas à força pelas autoridades.

Este ano, pelo menos 250 cruzes de igrejas foram removidas nas cidades de Lu’an, Ma’anshan e Huibei, na província de Anhui, entre janeiro e abril, de acordo com dados da Bitter Winter, uma revista sobre liberdade religiosa e direitos humanos.

Em 1º de abril, as autoridades locais na cidade de Fuyang, em Anhui, tentaram remover a cruz da Igreja de Gulou, de 124 anos. Cerca de 100 cristãos apareceram, tentando impedir a demolição.

A cruz foi finalmente removida às 5 da manhã do dia seguinte.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas