Ligações da China com a agitação dos EUA são expostas por Trevor Loudon

FRSO se baseia na ideologia marxista, tem a missão de lutar pelo socialismo na América e busca estabelecer um novo Partido Comunista

Por Ella Kietlinska

A maior parte da agitação que assolou os Estados Unidos nos últimos meses foi organizada por duas organizações socialistas que têm laços estreitos com o Partido Comunista Chinês (PCC), disse Trevor Loudon, autor e cineasta, que investigou grupos radicais e terroristas e sua influência secreta na política dominante por mais de 30 anos.

A Freedom Road Socialist Organization (FRSO), com sede em Minneapolis, uma organização que apoia abertamente o PCC, o Liberation Road que tem sua sede na Bay Area e laços estreitos com o consulado chinês e a Associação Progressiva Chinesa (CPA) , estão por trás dos distúrbios recentes, disse Loudon em uma entrevista recente no programa Crossroads do Epoch Times.

Liberation Road

O Liberation Road é “basicamente um movimento liderado pela China”, disse Loudon. É uma organização socialista, baseada na ideologia marxista, “com um foco claro na construção de resistência a Trump”, diz seu site.

O Liberation Road, cujo povo “incendiou Ferguson, Missouri em 2014”, se separou do FRSO há vários anos por causa de diferenças sobre a questão de trabalhar ou não com o Partido Democrata “e é o órgão principal do Black Lives Matter [BLM]”, disse Loudon.

Um homem segura um pôster Black Lives Matter enquanto um carro da polícia queima durante um protesto em frente ao CNN Center em 29 de maio de 2020, em Atlanta, Geórgia (Elijah Nouvelage / Getty Images)
Um homem segura um pôster Black Lives Matter enquanto um carro da polícia queima durante um protesto em frente ao CNN Center em 29 de maio de 2020, em Atlanta, Geórgia (Elijah Nouvelage / Getty Images)

Alicia Garza, cofundadora do movimento Black Lives Matter, também é diretora do projeto Black Future Labs, que é “um projeto patrocinado fiscalmente pela Associação Progressista Chinesa”, de acordo com a página de doações do Black Futures Labs.

Alguns meios de comunicação negaram a acusação sobre os laços do Black Future Labs com o regime comunista chinês porque existem duas organizações chamadas “Associação Progressista Chinesa”, uma em San Francisco e outra em Boston. O Black Future Labs trabalha apenas com a Associação Progressista Chinesa em San Francisco, que é uma entidade diferente de sua homônima em Boston, de acordo com o New York Times.

No entanto, ambas as organizações chamadas de Associação Progressista Chinesa (CPA) “são controladas pela Liberation Road”, disse Loudon. Ambas são controladas por comunistas maoístas que fazem parte dos mesmos grupos há 50 anos. Eles podem ser autônomos em sua organização, mas fazem parte do mesmo movimento”.

O CPA em Boston tem laços muito estreitos e trabalha oficialmente para o consulado chinês em Nova Iorque, disse Loudon, mas a Associação Progressista Chinesa em San Francisco também está intimamente ligada ao consulado chinês lá. Eles são “ambos grupos de frente da mesma organização comunista”, embora sejam governados por conselhos diferentes, acrescentou.

Além disso, Alicia Garza e dois outros co-fundadores do BLM são “diretamente afiliados à Liberation Road”, disse Loudon.

Loudon também explicou que o Black Lives Matter tem ligações com o PCC por meio de sua organização aliada, Asians for Black Lives. Dois fundadores principais da Asians for Black Lives, Alex Tom e Eric Mar, foram ex-líderes da Associação Progressista da China, disse ele.

Tom falou abertamente sobre seus contatos com a embaixada ou consulado chinês, e Ma era “uma aliada muito próxima” de Russell Lowe, um espião identificado como sendo do PCC que veio trabalhar por 20 anos no escritório da senadora Dianne Feinstein (D -Calif.), Disse Loudon.

Manifestantes anti-Trump queimam as bandeiras da campanha de Trump em frente ao Aeroporto Duluth, 30 de setembro de 2020 (KEREM YUCEL / AFP via Getty Images)
Manifestantes anti-Trump queimam as bandeiras da campanha de Trump em frente ao Aeroporto Duluth, 30 de setembro de 2020 (KEREM YUCEL / AFP via Getty Images)

O FRSO se baseia na ideologia marxista, tem a missão de lutar pelo socialismo na América e busca estabelecer um novo Partido Comunista, segundo seu site.

Seu site declara abertamente que ele é pró-China, disse Loudon, e que faz parte do movimento maoísta há 40 anos. Também tem contato próximo com a China comunista e segue a propaganda do Partido Comunista Chinês, mesmo alguns de seus quadros (líderes) moram na China.

Os distúrbios em Minneapolis foram causados ​​pela FRSO, especificamente por seu membro, Jess Sundin, que também é líder do movimento Twin Cities Coalition for Justice 4 Jamar, e é esposa do secretário político de FRSO, disse Loudon.

Loudon produziu um vídeo podcast mostrando Sundin, “admitindo que ela era a principal organizadora dos motins” e falando sobre a alegria que sentiu ao ver um complexo policial “sendo totalmente queimado”.

Ela também admitiu que a violência, saques e incêndios criminosos eram “intrinsecamente parte do movimento”, disse Loudon, “não foi uma manifestação pacífica que foi hackeada”.

Os distúrbios e as desordens em outras cidades, incluindo Kenosha, Dallas, Houston, Tallahassee, Jacksonville, Miami, Tampa, Salt Lake City e Los Angeles, foram organizados e coordenados pelo mesmo grupo, disse Loudon.

Loudon escreveu o que o secretário político da FRSO, Steff Yorek, disse no dia em que Donald Trump assumiu o cargo: “Precisamos ficar nas ruas por quatro anos nos opondo a Trump e tornando o país ingovernável”.

Com informações de Joshua Philipp.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas