Ligação do procurador Ohr com espião Steele pode desvendar dossiê contra Trump

As informações contidas nos FD-302 podem ser a chave para entender como as informações de Steele foram transmitidas ao FBI

Por, Jeff Carlson

Análise de Notícias

O quarto funcionário mais graduado do Departamento de Justiça (DOJ), Bruce Ohr, compartilhou ativamente as informações que recebeu do ex-espião do MI6, Christopher Steele, com o FBI, depois que a agência encerrou os serviços de Steele como fonte.

As interações entre Ohr e Steele se estenderam meses até o primeiro ano da presidência de Trump e foram documentadas em vários FD-302, que resumem entrevistas com ele pelo FBI.

A existência dos FD-302 detalhando as interações de Ohr com Steele questiona quem no FBI – e possivelmente o DOJ – estava ciente de suas atividades.

Como procurador geral adjunto, Ohr reportava diretamente à procuradora-geral adjunta Sally Yates.

Ohr chamou a atenção do público pela primeira vez em 7 de dezembro de 2017, quando a Fox News revelou que Ohr estava em contato constante com Steele durante a campanha presidencial de 2016 – enquanto Steele estava no processo de construção de seu dossiê contendo afirmações não verificadas sobre Trump.

A Fox News também revelou que Ohr se encontrou com o co-fundador da Fusion GPS, Glenn Simpson, após a eleição. O Fusion GPS foi contratado pela campanha presidencial de Clinton e pelo Comitê Nacional Democrata (DNC) para produzir o dossiê sobre Trump, para o qual a empresa havia contratado Steele.

Mais tarde foi revelado que Ohr também se encontrou com Simpson antes da eleição presidencial.

Em 11 de dezembro de 2017, foi revelado que a esposa de Ohr, Nellie Ohr, havia trabalhado para o Fusion GPS durante a eleição de 2016. Nellie Ohr foi “paga pelo Fusion GPS durante o verão e o outono de 2016”.

Bruce Ohr nunca divulgou publicamente a contratação de sua esposa pelo Fusion GPS, apesar da exigência de apresentar formulários de divulgação financeira sobre o trabalho de sua esposa.

Ohr foi rebaixado após o relatório inicial da Fox News, perdendo seu título de vice-procurador-geral adjunto e seu prestigioso escritório no quarto andar do prédio da justiça. Parece que o DOJ só agiu depois que souberam da investigação da Fox News sobre o papel de Ohr.

Textos, e-mails e notas manuscritas recém-lançadas forneceram mais informações sobre as interações de Ohr com Steele e Simpson.

Parece que a Ohr se tornou o canal entre Steele, Fusion GPS e o FBI depois que Steele foi formalmente denunciado pelo FBI no final de outubro ou início de novembro de 2016. O término de Steele ocorreu depois que ele revelou – em violação à política do FBI – seu relacionamento com o FBI em 30 de outubro de 2016, artigo da revista Mother Jones de David Corn.

As interações entre Ohr e Steele são destacadas em uma carta de 28 de fevereiro de 2018 do senador Chuck Grassley ao inspetor-geral do DOJ, Michael Horowitz, que faz referência aos documentos fornecidos pelo DOJ a Grassley.

“Esses documentos levantaram várias questões sérias sobre a propriedade do relacionamento do FBI com o ex-agente da inteligência britânica Christopher Steele”, diz a carta. “Os documentos também levantam questões sobre o papel de Bruce Ohr, um funcionário do Departamento de Justiça cuja esposa trabalhava para o Fusion GPS, que continuou a passar alegações de Steele e Fusion GPS para o FBI depois que o FBI encerrou as atividades de Steele como fonte”.

Foi extremamente importante a formulação específica do senador Grassley. Ohr estava “continuando a passar informações de Steele e Fusion GPS para o FBI depois que o FBI encerrou as atividades de Steele como fonte”.

O senador Grassley forneceu provas específicas detalhando suas alegações: “Vários FD-302 demonstraram que Bruce Ohr, funcionário do Departamento de Justiça, continuou a repassar alegações de Steele ao FBI depois que o FBI suspendeu seu relacionamento formal com o Sr. Steele em decorrência de contato não autorizado com a mídia, e demonstraram também que o sr. Ohr, por outro lado, canalizou as alegações do Fusion GPS e do Sr. Steele para o FBI”.

Os FD-302 são usados ​​para relatar ou resumir as entrevistas do FBI.

Grassley não estava insinuando que Ohr poderia ter servido como um canal entre Steele e o FBI. Ele estava afirmando essas ocorrências como fato. Grassley tinha visto os 302s subjacentes e os listou em sua carta ao inspetor-geral Horowitz, juntamente com as datas reais da entrevista do FBI:

Ohr FD-302 19/12/16 (data da entrevista 22/11/16)
Ohr FD-302 12/19/16 (data da entrevista 12/5/16)
Ohr FD-302 12/19/16 (data da entrevista 12/12/16)
Ohr FD-302 27/12/16 (data da entrevista 12/20/16)
Ohr FD-302 1/27/17 (data da entrevista 1/27/17)
Ohr FD-302 1/31/17 (data da entrevista 1/23/17)
Ohr FD-302 1/27/17 (data da entrevista 1/25/17)
Ohr FD-302 2/8/17 (data da entrevista 2/6/17)
Ohr FD-302 2/15/17 (data da entrevista 14/02/17)
Ohr FD-302 5/10/17 (data da entrevista 5/8/17)
Ohr FD-302 5/12/17 (data da entrevista 5/12/17)
Ohr FD-302 5/16/17 (data da entrevista 15/5/17)

O contato entre Steele e Ohr continuou até, pelo menos, meados de maio de 2017 – seis meses após a eleição.

Sabemos que Steele e Fusion GPS continuaram seus trabalhos após a eleição de 2016.

Em algum momento no início de 2017, Steele e Fusion GPS foram contratados por um ex-membro do comitê de inteligência da senadora Dianne Feinstein (Democrata da Califórnia), Daniel Jones, que dirige o Penn Quarter Group. O objetivo declarado por trás da contratação de Steele e da Fusion foi “continuar expondo a interferência russa na eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016”.

O papel de Ohr neste processo está atualmente sendo investigado pelo Congresso.

Ohr está agendado para uma entrevista no dia 28 de agosto perante os Comitês da Câmara sobre o Judiciário e a Supervisão e Reforma do Governo. Antes desta entrevista, o deputado Bob Goodlatte (Republicano da Virgínia) e o superintendente e deputado Trey Gowdy (Republicano da Carolina do Sul) estão solicitando informações adicionais sobre Ohr na forma de todos e quaisquer FD-302 – incluindo quaisquer gerados a partir de entrevistas anteriormente não reveladas do FBI com Ohr:

“Em antecipação a esta entrevista, solicitamos ao DOJ que forneça ao Comitê acesso a todos os FD-302 escritos como resultado de quaisquer entrevistas conduzidas pelo FBI do Sr. Ohr. Estes devem incluir, mas não se limitar a, quaisquer 302 previamente disponibilizados para outros comitês do Congresso”, diz a carta.

A existência de FD-302 adicionais poderia revelar que o contato entre Ohr, Steele e Simpson era mais prevalente do que se pensava anteriormente.

O fato de que Ohr foi capaz de continuar suas comunicações com Steele e canalizar informações para o FBI através de entrevistas formalizadas em FD-302 levanta a questão de quem na cadeia de comando estava ciente das interações.

As informações fornecidas por Steele, que o próprio FBI disse ser incapaz de verificar, desempenharam um papel crucial no FBI ao obter um mandado da FISA para o voluntário da campanha de Trump, Carter Page. As informações fornecidas pela Ohr poderiam ter sido transferidas para as renovações subsequentes da FISA.

A então procuradora-geral adjunta Sally Yates assinou o mandado original da FISA para Carter Page em outubro de 2016, juntamente com a primeira Renovação da FISA em janeiro de 2017. Ohr reportava diretamente a Yates.

Yates esteve presente em 5 de janeiro de 2017, encontrando-se com o então presidente Barack Obama, o então diretor do FBI James Comey, o então vice-presidente Joe Biden e a conselheira de segurança nacional Susan Rice no escritório oval da Casa Branca. Essa reunião foi documentada em um email enviado por Susan Rice para si mesma e foi divulgado em uma carta do senador Grassley.

Segundo Grassley, essa reunião teria incluído uma discussão sobre o dossiê de Steele e a investigação do FBI sobre suas alegações.

Os FD-302 detalhando as entrevistas do FBI de Ohr poderiam lançar mais luz sobre o papel que altos funcionários de Obama desempenharam na organização da investigação de contra-espionagem do FBI sobre a campanha Trump baseada nas informações de Steele.

Jeff Carlson é um afiliado da CFA®. Ele trabalhou por 20 anos como analista e gerente de portfólio no mercado de títulos de alto rendimento. Ele dirige o site TheMarketsWork.com

 
Matérias Relacionadas