Líderes do QUAD focam na China enquanto prometem se unir por um Indo-Pacífico livre e aberto

“É disso que se trata, democracia versus autocracia, temos que garantir que a democracia seja entregue”

Por Melanie Sun 

Tóquio—Com todos os olhos voltados para uma China cada vez mais assertiva, os líderes do “QUAD”, Estados Unidos, Japão, Índia e Austrália, se reuniram na manhã de terça-feira em Tóquio, no Japão, para discutir a cooperação mútua na região do Indo-Pacífico.

Os quatro líderes do Indo-Pacífico, na cúpula, prometeram permanecer juntos por uma região livre e aberta e trabalhar pela paz, prosperidade e estabilidade na região, enquanto coordenam respostas a desafios como energia, saúde e segurança cibernética, ao mesmo tempo que abordam as previsões de mudanças climáticas da ONU.

“É disso que se trata, democracia versus autocracia – temos que garantir que a democracia seja entregue”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden.

Além de um almoço com os quatro líderes, Biden se reunirá para conversas bilaterais com a Índia e a Austrália, que tem um primeiro-ministro recém-eleito, Anthony Albanese, que tomou posse na segunda-feira.

Nas negociações, Biden procurará “construir os pontos em comum” que compartilha com o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, apesar das diferenças em questões como a Rússia, segundo um oficial. Enquanto isso, Modi também deve se encontrar com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, para conversas e um jantar de trabalho.

Modi, em seus comentários na cúpula dos líderes, disse que a Índia trabalharia em direção à visão compartilhada do QUAD de uma região do Indo-Pacífico livre, aberta e inclusiva.

“Com isso, a imagem do QUAD como uma ‘Força do Bem’ ficará ainda mais fortalecida”, disse.

Kishida, por sua vez, vinculou a invasão da Ucrânia pela Rússia à agressão unilateral em exibição da China no Indo-Pacífico, embora não tenha listado a China pelo nome.

“Desde que nos encontramos pessoalmente em setembro, aconteceu um incidente que derrubou a ordem internacional baseada em regras: a invasão russa da Ucrânia”, disse o líder japonês. “É um desafio flagrante às condições estabelecidas na carta das Nações Unidas. Não devemos permitir que a mesma coisa aconteça no Indo-Pacífico”.

Sobre a guerra na Ucrânia, Biden disse que atualmente é uma “hora negra em nossa história compartilhada”, após dizer que a agressão da Rússia era mais do que apenas uma questão europeia. “É uma questão global”, disse ele. “Enquanto a Rússia continuar a guerra, os Estados Unidos trabalharão com nossos parceiros para ajudar a liderar uma resposta global, porque isso irá afetar todas as partes do mundo”.

Os líderes deram as boas-vindas a Albanese à aliança, pois o novo líder australiano disse que seu governo de centro-esquerda continua comprometido com o QUAD. Ele assume o lugar do governo de centro-direita de Morrison, que deixa um forte legado de defesa dos valores democráticos liberais da Austrália em meio ao autoritarismo da política agressiva do Partido Comunista Chinês (PCCh), que pressiona para erradicar a ordem internacional baseada em regras com seu chamado “socialismo com características chinesas”. O ex-líder Scott Morrison foi quem liderou os apelos internacionais para uma investigação independente sobre as origens da pandemia da COVID-19.

“As prioridades do novo governo australiano se alinham com a agenda do QUAD, agindo sobre as mudanças climáticas e construindo uma região Indo-Pacífico mais forte e resiliente por meio de melhor segurança econômica, melhor segurança cibernética, melhor segurança energética e melhor segurança ambiental e de saúde”, disse Albanese.

Segundo a ficha técnica da Casa Branca, seis grupos de trabalho foram delineados para cooperação futura nas áreas de resposta a COVID-19 e segurança global da saúde, clima, tecnologias críticas e emergentes, cibernética, espaço e infraestrutura.

Os líderes também anunciaram o lançamento da Parceria QUAD, que patrocinará 100 estudantes dos quatro países a cada ano para estudar nos Estados Unidos para pós-graduação nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Taiwan não era um item oficial na agenda do QUAD, disse um funcionário dos EUA, mas esperava-se que fosse um tópico-chave quando os quatro líderes se reunirem um dia depois de Biden romper com a convenção e comprometer o apoio militar dos EUA à ilha autogovernada reivindicada pelo Partido Comunista Chinês, que ainda está em guerra com Taiwan.

A Índia é o único membro do QUAD que se absteve em uma votação do Conselho de Segurança da ONU para condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia, embora tenha trazido  preocupações sobre a morte de civis. A Índia tem um relacionamento de longa data com Moscou, que continua sendo um importante fornecedor de seus equipamentos de defesa e alguns suprimentos de petróleo.

Mas as autoridades americanas no QUAD enfatizarão as visões compartilhadas sobre a China, que as nações do Indo-Pacífico veem como um desafio de longo prazo maior do que a Rússia.

“O presidente está muito ciente de que os países têm suas próprias histórias, têm seus próprios interesses, têm suas próprias perspectivas, e a ideia é construir pontos em comum”, disse um oficial dos EUA.

A Índia desenvolveu laços estreitos com Washington nos últimos anos e é uma parte vital do QUAD, que visa reagir contra Pequim.

Os Estados Unidos estão considerando “apoio ao investimento” de US$ 4 bilhões para a Índia, além de bilhões de dólares concedidos anteriormente, disse Nova Deli na segunda-feira, depois que os dois lados assinaram um acordo para fabricação de vacinas contra a COVID-19, assistência médica, energia renovável, inclusão financeira e infraestrutura.

A Índia também se juntou aos Estados Unidos e a outros 11 países em negociações econômicas chamadas de Estrutura Econômica Indo-Pacífica para a Prosperidade (IPEF).

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas