Líderes do G7 sob pressão para uma posição dura em relação a China

Legisladores também apontaram para a opressão da China contra os uigures e outros grupos minoritários na região de Xinjiang

Por Frank Fang

Quase 70 legisladores dos países do Grupo dos Sete ( G7 ) assinaram uma carta conjunta conclamando seus líderes a se unirem para tomar uma posição dura em relação à China durante a cúpula de junho.

“As ameaças apresentadas pelo Partido Comunista Chinês representam os maiores desafios da política externa de nosso tempo. Essas ameaças afetam não apenas nossa nação, mas também nossos aliados democráticos de maior confiança em todo o mundo ”, declarou o deputado Anthony Gonzalez (R-Ohio) dos Estados Unidos, de acordo com uma declaração de 25 de janeiro de seu gabinete.

A carta foi endereçada aos atuais líderes das nações do G7 – Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Estados Unidos e Reino Unido. A cúpula do G7 será realizada de 11 a 13 de junho em Carbis Bay, um resort e vila à beira-mar localizado no sudoeste da Inglaterra.

“É essencial que todas as democracias do G7 trabalhem juntas para responsabilizar o Partido Comunista Chinês pelas liberdades com as quais a China concordou internacionalmente e que lidera o mundo desde o fim da Segunda Guerra Mundial”, acrescentou Gonzalez.

O esforço por trás da carta foi liderado por Gonzalez e Norbert Röttgen, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Bundestag da Alemanha, o parlamento alemão. Outros 17 legisladores americanos atuais e anteriores estavam entre os patrocinadores, incluindo Jim McGovern (D-Mass.), Scott Peters (D-Calif.), Mike Gallagher (R-Wis.) E Andy Barr (R-Ky.).

“A abordagem seletiva da China ao direito internacional e sua política externa agressiva no Indo-Pacífico, bem como cada vez mais em escala global, são os principais desafios para a ordem internacional”, disse Röttgen, segundo o comunicado.

Ele acrescentou: “Para alcançar uma estratégia conjunta para o  Mundo Livre em relação a China, todos nós temos que nos comprometer, sabendo que a proteção das liberdades que o sistema internacional tem em seu núcleo vale a pena.”

Na carta, os legisladores pediram aos líderes do G7 que “se unam em torno de um plano de ação que aborde o comportamento interno e externo da RPC [República Popular da China] que consideramos contraditório aos padrões internacionais”.

A carta identificou várias questões em que as nações do G7 devem se unir contra a China comunista, incluindo padrões de tecnologia, direitos humanos, tensões na região Indo-Pacífico e a pandemia COVID-19 .

“[A] RPC enfraqueceu a governança internacional”, dizia a carta, apontando como a China “minou” a Organização Mundial da Saúde (OMS) e “reteve informações importantes nos estágios iniciais da pandemia”.

A COVID-19 é uma doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus. As evidências indicam que o vírus se originou na cidade chinesa de Wuhan antes de se espalhar para países e regiões ao redor do mundo.

O acobertamento inicial do surto de vírus na China foi bem documentado. O PCC silenciou oito médicos, entre eles o oftalmologista Li Wenliang , depois que os denunciantes chineses tentaram alertar o público sobre a nova forma mortal de pneumonia que se espalhava em Wuhan.

A OMS inicialmente repetiu a alegação de Pequim de que o vírus não era contagioso, rejeitando um alerta de Taiwan feito por e-mail.

“Para preparar e prevenir futuros surtos, acreditamos que uma investigação independente sobre as origens e a propagação do vírus seja necessária”, afirma a carta.

Os legisladores também apontaram para a opressão da China contra os uigures e outros grupos minoritários na região de Xinjiang, no extremo oeste da China, onde cerca de um milhão de uigures estão atualmente detidos em campos de concentração.

Em 19 de janeiro, o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos Mike Pompeo declarou que a perseguição aos uigures e outras minorias por Pequim constituía genocídio e “crimes contra a humanidade”.

“As flagrantes violações dos direitos humanos da RPC exigem uma resposta coletiva dos países do G7 para responsabilizar a RPC pelo tratamento das minorias étnicas e religiosas”, acrescentou a carta.

Ele também destacou que os países democráticos não devem depender da China para tecnologias emergentes, como inteligência artificial e comunicações sem fio de próxima geração, como 5G.

“Uma parceria coordenada entre nossos países para liderar o desenvolvimento dessas tecnologias e definir normas e padrões globais para seu uso é, portanto, essencial para fazer uso total de seu potencial sem comprometer nossa segurança e interesses”, disse a carta.

Pequim lançou planos industriais, como “ Made in China 2025 ” e “ China Standards 2035 ”, em um esforço para buscar o domínio da tecnologia.

Em novembro do ano passado, Sens. Rob Portman (R-Ohio) e Catherine Cortez Masto (D-Nev.) apresentaram um projeto de lei ( S.4901 ) para examinar a influência da China no estabelecimento de padrões globais de tecnologia.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas