Líder chinês fortalece seu poder com rede de institutos que ensinam ‘pensamento de Xi Jinping’

Por Nicole Hao

O líder chinês Xi Jinping está fortalecendo seu controle sobre as autoridades do Partido Comunista Chinês ( PCC ) e a população em geral, estabelecendo institutos de doutrinação em todo o país, tais institutos buscam propagar seu dogma homônimo conhecido como “Pensamento de Xi Jinping”.

Desde que se tornou o líder supremo do PCC em 2012, Xi tem procurado centralizar o poder e encorajar o culto à sua personalidade assim como Mao Zedong fez , observaram analistas. Um pilar fundamental dessa estratégia é a disseminação da própria ideologia política de Xi, oficialmente chamada de “O Pensamento de Xi Jinping pelo Socialismo com Características Chinesas para uma Nova Era”.

O conceito foi esboçado pela primeira vez em um discurso proferido por Xi durante o Congresso Nacional do Partido Comunista em 2017, durante o qual a doutrina foi consagrada na constituição do PCC, fazendo de Xi o primeiro líder desde Mao a ter uma ideologia que leva seu nome e que foi respeitado nos estatutos do partido enquanto ainda estava no cargo.

O pensamento de Xi Jinping, resumido em uma coleção de escritos e “discursos importantes” proferidos pelo líder, clama por um avanço drástico do poder econômico e tecnológico do país até 2035. Ele também prevê um exército de “classe mundial” que pode se equiparar aos Forças armadas dos Estados Unidos em meados do século.

O objetivo final é transformar a China em um “grande país socialista moderno” até 2049, o centenário da ascensão do PCC ao poder.

Desde o nascimento da ideologia de Xi, institutos de pesquisa dedicados ao seu estudo e promoção foram estabelecidos em mais de 20 universidades em todo o país. Os cursos também se tornaram um aprendizado obrigatório para alunos de dezenas de faculdades e universidades. O regime lançou até um aplicativo móvel que ensina o pensamento de Xi Jinping, considerado um dos aplicativos mais populares da China .

Os oficiais do PCC também foram obrigados a estudar o pensamento de Xi Jinping. Para conseguir isso, o regime estabeleceu centenas de institutos de pensamento Xi Jinping em todo o país, de grandes cidades a vilas remotas, para implantar a ideologia na burocracia, de acordo com documentos governamentais que vazaram recentemente obtidos pelo Epoch Times. Os documentos, emitidos pelo governo provincial da província de Guangxi, sudoeste da China, revelam como funcionam os institutos e sua ampla abrangência geográfica, informações que o regime não divulgou ao público.

“[Todos os funcionários] devem usar conscientemente o pensamento de Xi para orientar sua prática e o progresso em suas tarefas”, ordenou o governo regional de Guangxi a seus funcionários em um documento que vazou em 15 de julho de 2018.

Oficiais de alto escalão também foram designados para monitorar o aprendizado sobre a doutrina Xin Jinping de oficiais de escalão inferior, de acordo com os documentos.

O líder chinês Xi Jinping (centro) e legisladores defendem o hino durante a sessão de encerramento da conferência legislativa fantoche no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 11 de março de 2021 (Kevin Frayer / Getty Images)

Institutos do Pensamento de Xi Jinping

De acordo com um documento interno do governo provincial de Guangxi, emitido em novembro de 2019, o regime começou a implementar os Institutos de Pensamento de Xi Jinping em julho de 2018.

O documento diz que Guangxi, que tem uma população de cerca de 50 milhões, estabeleceu 138 institutos de pensamento Xi Jinping em suas cidades, distritos e escritórios governamentais. Os institutos são oficialmente chamados de “Centros de Prática de Civilização da Nova Era”.

Enquanto isso, 21.294 estações ensinando o pensamento de Xi Jinping, oficialmente chamadas de “Estação de Prática da Civilização da Nova Era”, foram estabelecidas nas aldeias, distritos e bairros de Guangxi.

Outro documento de julho de 2018 detalha como os centros devem funcionar. Ele diz que os centros devem tratar o ensino do pensamento de Xi Jinping como sua “tarefa mais importante” e trabalhar para espalhar o pensamento profundamente e esclarecer seu significado histórico.

Os centros foram instruídos a criar salas de aula grandes o suficiente para acomodar 100 pessoas, imprimir materiais de aprendizagem e distribuí-los a todos os funcionários, organizar testes e organizar atividades pelo menos uma vez por semana.

O documento não só pedia aos governantes que conhecessem o pensamento de Xi, mas também lhes ordenava que divulgassem a ideologia por meio da mídia e das redes sociais, por meio de vídeos e mensagens.

Enquanto isso, as Estações de Pensamento de Xi Jinping, que foram estabelecidas em comunidades menores, foram instruídas em um documento de maio de 2018 para organizar a aprendizagem em formatos que as pessoas gostem, como seminários, círculos de estudo, concursos e questionários. Eles também foram incentivados a organizar aulas em casas, fazendas ou fábricas.

As estações também foram solicitadas a transformar aspectos do pensamento de Xi Jinping em canções que pudessem ser cantadas pelos habitantes locais. As autoridades foram encarregadas de garantir que cada residente das aldeias ou bairros estudasse a ideologia, acompanhando seu progresso no estudo.

Aprendendo com a história revisionista do Partido

Na véspera do 100º aniversário da criação do PCC, em 1º de julho, o regime lançou uma campanha nacional para estudar a história do Partido, interpretada por Xi.

Dois livros publicados recentemente, de autoria de Xi, “Uma História Abreviada do Partido Comunista Chinês” e “Sobre a História do Partido Comunista Chinês”, atenuaram as atrocidades cometidas durante o governo de Mao e glorificaram as conquistas e ideologias defendidas por Xi.

Em um documento de abril, o governo regional de Guangxi ordenou que todos os funcionários estudassem a última versão da história lendo esses dois livros, bem como outros livros oficiais de Xi.

O regime também organizou 15 equipes de inspeção em nível provincial para monitorar funcionários que trabalham em diferentes departamentos do governo, universidades, emissoras de televisão, jornais, rádios, academias, associações, empresas estatais e governos municipais. As equipes foram encarregadas de verificar o progresso na aprendizagem dos oficiais e avaliá-los.

“[As equipes de inspeção] devem circular [departamentos governamentais de escalão inferior] e orientar [funcionários], inspecionar departamentos aleatoriamente, investigar conversando com pessoas diferentes e observar [funcionários de escalão inferior] enquanto estudam”, disse o documento.

Em março, mais de 100 funcionários de diferentes departamentos do governo provincial de Guangxi compartilharam os principais aprendizados de suas aulas sobre o pensamento de Xi Jinping, de acordo com o documento. Nessas trocas, todos os funcionários expressaram sua lealdade a Xi e sua administração.

Huang Jinqiu (pseudônimo), um jornalista sênior da China continental, disse ao Epoch Times em chinês que as autoridades não têm escolha a não ser declarar lealdade ao líder.

“Tornou-se parte da cultura do PCC que todos os oficiais expressassem sua lealdade a Xi e ao partido em público”, disse Jin.

Jin disse que as autoridades chinesas tentam mostrar que “são muito esquerdistas, muito leais e que apiam o governo do PCC para se protegerem de investigações ou demissões”.

“Não importa o quão corrupto você seja, você estará seguro se for leal a Xi Jinping”, acrescentou.

Cathy He contribuiu para este artigo.

 
Matérias Relacionadas