Liberdade de imprensa na América Latina experimenta uma ‘deterioração geral’, dizem os Repórteres sem Fronteiras

Por Pachi Valencia

A América Latina foi o continente onde a liberdade de imprensa foi mais degradada em 2021, especialmente em países como Brasil e El Salvador , revelou um novo relatório da Repórteres Sem Fronteiras (RSF) nesta terça-feira .

A América Latina sofreu o pior retrocesso entre os indicadores que medem as dificuldades de acesso à informação para a imprensa. A crise do coronavírus agiu como um “acelerador da censura na América Latina e criou sérias dificuldades de acesso às informações sobre o manejo da epidemia pelos governos da região”, segundo a Classificação de Liberdade de Imprensa de Repórteres Sem Fronteiras (RSF) 2021 publicado em 20 de abril.

O relatório, que a cada ano avalia a situação da liberdade de imprensa em 180 países, detectou “graves impedimentos” em 73 dos territórios avaliados pela RSF e “obstáculos” em outros 59, que representam 73% das nações avaliadas. Essas figuras estão refletidas em vermelho ou preto no mapa elaborado pela organização; enquanto as áreas laranja são classificadas como locais “problemáticos” para a prática do jornalismo.

“Na América Latina, quase todos os indicadores estão no vermelho. Com algumas raras exceções, o ambiente de trabalho dos jornalistas, que já era hostil e complicado antes da crise do coronavírus, se deteriorou ainda mais ”, escreveu a RSF no Twitter na terça-feira.

Cuba encabeça a lista da região como o pior classificado (No. 171, o único país negro), seguido por Honduras (No. 151), Venezuela (No. 148) e México (No. 143). Pelo contrário, Costa Rica (5º) e Jamaica (7º) são os países com melhor classificação na lista.

Por outro lado, o relatório destacou a situação do Brasil (nº 111) e de El Salvador (nº 82), como os países onde a mídia reportou mais dificuldades de acesso à informação.

“O acesso aos números oficiais sobre a epidemia tornou-se extremamente complexo devido à falta de transparência do governo de Jair Bolsonaro, que tentou por todos os meios minimizar o alcance da crise e gerou inúmeras tensões entre as autoridades e os meios de comunicação nacionais.”, De acordo com RSF.

El Salvador foi o país que sofreu uma das maiores quedas no ranking, disse a organização, e o trabalho da imprensa foi “bastante prejudicado”.

“A polícia apreendeu material jornalístico, o acesso aos espaços públicos foi proibido, faltou transparência no acesso às informações públicas, os presidentes se recusaram a responder perguntas sobre o coronavírus em coletivas de imprensa e até entrevistas com representantes do Estado sobre o assunto”, diz o relatório.

Da mesma forma, menciona-se o obstrucionismo de lideranças autoritárias como Daniel Ortega na Nicarágua (nº 121) ou Nicolás Maduro na Venezuela, onde a imprensa é considerada “inimiga do povo”.

“Esses líderes aproveitaram a onda de choque provocada pela crise para fortalecer seu arsenal de censura e complicar ainda mais o trabalho informativo da imprensa independente. Jornalistas foram acusados ​​publicamente de exagerar na gravidade da crise de saúde e de causar pânico nos espaços públicos. Aqueles que ousaram questionar a resposta oficial das autoridades para combater a pandemia foram presos, acusados ​​de praticar ‘terrorismo de desinformação’ ”, afirma.

Usando um colete à prova de balas, capacete protetor e máscara de gás, um fotojornalista corta uma nuvem de gás lacrimogêneo enquanto ativistas da oposição protestam contra Nicolás Maduro em Caracas em 26 de junho de 2017 (FEDERICO PARRA / AFP via Getty Images)

O México continua sendo uma das “nações mais mortíferas do mundo para a imprensa”, segundo a RSF, onde o atual presidente López Obrador “continua a estigmatizar” jornalistas quando são publicadas reportagens “contrárias aos seus interesses”.

Por outro lado, países como Argentina (nº 69) e Peru (nº 91) experimentaram um aumento de processos judiciais “abusivos” contra a imprensa, geralmente por funcionários do Estado. Na Colômbia (nº 134) foi pago por campanhas de difamação, intimidação e assédio contra jornalistas, enquanto a cobertura de manifestações no Chile (nº 54) se tornou um trabalho arriscado.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas