Li Longji, um imperador fraterno e talentoso

Li Longji, the emperor who brew medicines for his brother (Yeuan Fang/The Epoch Times)

Li Longji (685-762 d.C.), o Imperador Xuanzong da Dinastia Tang, governou a China por mais de 40 anos.

Conhecido por seu talento, diligência e astúcia, ele fez a China o Estado mais poderoso e próspero de seu tempo. Ele realizou uma série de reformas burocráticas decisivas para assegurar que intelectuais capazes e talentosos fossem nomeados oficiais do governo, reorganizou o registro populacional para aumentar a receita imperial e deteve com sucesso o avanço e as ameaças dos povos nômades vizinhos, como tibetanos, turcos e khitânes. Seu talento e interesse pela música, poesia e pintura levaram à fundação das academias imperiais de música.

No entanto, posteriormente, seu reinado foi ofuscado por sua vaidade e apego emocional por suas consortes favoritas. Em 755 d.C., seu governo testemunhou reviravoltas dramáticas e terminou em desastre anos depois, quando ele teve de fugir da capital e foi levado a ordenar a execução de sua amante Yang Guifei.

Além de seu mando político e sua história de amor desastrosa, seus cuidados por seus irmãos da família real também são lembrados, um caso especial na história das famílias reais chinesas, em que a crueldade e intrigas sangrentas muitas vezes prevaleceram.

Após Xuanzong chegar ao trono, ele continuou a mostrar a mesma afeição por seus irmãos. Seus irmãos eram bem-vindos para visitar o palácio e alguns até usavam seu quarto. Ele tentava passar tanto tempo quanto possível com seus irmãos após o trabalho político na corte, fosse comendo, assistindo brigas de galo, jogando bola ou caçando juntos.

‘Belezas num passeio’, de Li Gonglin, retrata a vida na corte Tang – tinta em seda, século XII, no Museu Palácio Nacional, Taiwan (Wikimedia)

Numa ocasião, um dos irmãos insinuou-se a consorte favorita do imperador após alguns drinques durante um banquete. Quando ela reclamou o fato com Xuanzong, ele calmamente pediu que ela o perdoasse. Quando o irmão ficou sóbrio no dia seguinte, ele lamentou seu comportamento profundamente e respeitou Xuanzong ainda mais por sua generosidade e perdão.

Outra história nos conta que ele cancelou uma audiência na corte quando soube que seu irmão estava gravemente doente. Ele correu para a casa dele e preparou fitoterapia (tratamento com ervas) pessoalmente na cozinha do irmão. Enquanto preparava o medicamento no fogo, ele acidentalmente chamuscou sua barba. Após apagar o fogo e tranquilizar seus assustados servos, ele disse, “Eu não me importaria de perder toda minha barba se este fármaco puder curar meu irmão o quanto antes.”

Xuanzong cuidou de seus irmãos sinceramente e eles o apoiaram durante seu reinado.

Esta pintura retrata o Imperador Xuanzong de Tang fugindo da violência na capital de Chang’an para a província de Sichuan, pelo artista Li Zhaodao da Dinastia Song, localizada no Museu Palácio Nacional, Taiwan (Wikimedia)
O Imperador Xuanzong foge para Sichuan durante a Rebelião Anshi. Esta é uma cópia tardia de um original da Dinastia Ming do artista Qiu Ying (Wikimedia)

Para conhecer outras figuras históricas da antiga China, clique aqui.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas