Lembrando uma guerra esquecida no Himalaia

EUA ajudaram a Índia em 1962 em sua guerra com a China, assumindo uma posição firme sobre a fronteira disputada
Soldados do regimento Gurkha do exército indiano carregam armas enquanto caminham pela neve ao longo da fronteira entre Índia e China, a 4,9 km do estado de Arunachal Pradesh, em 31 de outubro de 2003. (AFP/Getty Images)

WASHINGTON – Outubro marca o 50º aniversário da guerra sino-indiana de 1962. O evento será recebido com pouco alarde na Índia, onde a invasão surpresa da China ainda evoca sentimentos de indignação e traição.

Mas o episódio pode valer a pena lembrar por outra razão, enquanto a Índia pela primeira vez deixa cair seus escrúpulos de não-alinhamento e forma uma aliança tática militar com os Estados Unidos.

Por uma década após a independência da Índia em 1947, Nova Deli desfrutava de relações cordiais com Pequim. No espírito de cortesia asiático, os dois concordaram no início a afastar uma disputa de fronteira que a Índia tinha herdado do Raj britânico.

Mas a lua de mel durou pouco. No final da década de 1950, uma insurgência étnica no Tibete colocou Pequim na defensiva. Suspeitando do envolvimento da Índia, diretamente ou por meio de um intermediário da CIA, Pequim abandonou a linguagem conciliatória sobre a disputa territorial.

Indianos patrulhando áreas disputadas se tornaram mais aventureiros e, em 1959, um jogo de diplomacia arriscada na fronteira se transformou num confronto armado.

Ajuda dos EUA

Três anos de lutas depois, as forças chinesas lançaram uma invasão surpresa em 20 de outubro, o mesmo dia que a administração Kennedy decidiu decretar um bloqueio a Cuba para manter mísseis soviéticos fora do hemisfério ocidental.

Mesmo sob a ameaça da crise dos mísseis em Cuba, Washington descobriu que era impossível permanecer indiferente. Na verdade, uma semana antes da invasão chinesa, Washington se apressava em atender pedidos indianos por dois aviões de transporte Caribou, peças de reposição para aeronaves C-119 e rádios de longo alcance.

Os Estados Unidos tinham provado o zelo revolucionário de Mao Tsé-tung na Guerra da Coreia e estavam alarmados com o apoio da China a insurgências em toda a Ásia. Apenas alguns dias depois de as forças chinesas atravessarem o Himalaia, o presidente John Kennedy escreveu ao primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru perguntando “o que [os EUA] podem fazer para traduzir nosso apoio em termos que sejam mais práticos e úteis o mais cedo possível.”

As restrições da política de não-alinhamento da Índia e a relação especial de Washington com o Paquistão tornavam os Estados Unidos um aliado improvável. Mas os clientes preferenciais de Nova Deli em Moscou não podiam se dar ao luxo de alienar a China durante a crise dos mísseis em Cuba, apesar do início da ruptura sino-soviética.

Em 1º de novembro, suprimentos militares norte-americanos chegavam à Índia por via aérea. Aos pedidos de Nova Deli, o primeiro carregamento foi modesto: conselheiros militares, munições, fuzis, morteiros e apoio aéreo. Mas por volta de 14 de novembro, os dois haviam estabelecido a “base formal de assistência militar” e Washington preparava um pacote de 50 milhões de dólares para equipar cinco divisões indianas.

Isso se provaria demasiado pouco, demasiado tarde. Os militares indianos assediados desmoronaram sob o peso da segunda ofensiva chinesa em meados de novembro. Desesperado, Nehru apelou diretamente a Kennedy em 19 de novembro por 12 esquadrões de caças supersônicos para todos os climas e cobertura de radar moderna.

Ele solicitou que a aeronave fosse “pilotada por pessoal dos EUA [para] proteger nossas cidades e instalações e […] para ajudar a Força Aérea indiana nas batalhas aéreas com a força aérea chinesa”.

Dois dias depois, a China terminou abruptamente a guerra, declarando um cessar-fogo unilateral e surpreendendo muitos por voluntariamente ceder ganhos consideráveis que havia conseguido no Leste.

A decisão da China privou Kennedy da chance de responder ao chamado de Nehru, mas a entente EUA-Índia perduraria: No final de novembro, o Conselho de Política de Planejamento do Departamento de Estado considerou a imposição de um “embargo ocidental total contra a China” se Pequim escolhesse retomar as hostilidades.

As vendas militares dos EUA para a Índia aumentaram nos anos seguintes antes de pararem abruptamente durante a guerra indo-paquistanesa de 1965.

Esforços diplomáticos

Ironicamente, enquanto a ajuda dos militares norte-americanos não conseguiu salvar as defesas da Índia, seus esforços diplomáticos no Paquistão podem ter se provado decisivos. Lá, os EUA enfrentaram a difícil tarefa de convencer seus aliados em Islamabad a não capitalizar sobre a invasão chinesa para pressionar suas próprias reivindicações por Caxemira.

As autoridades dos EUA pressionaram Islamabad sem sucesso para suspender as próprias negociações de fronteira do Paquistão com Pequim e retirar as tropas da Linha de Controle de Caxemira. Para construir confiança, eles insistiram com Nehru que fornecesse ao Paquistão dados sobre o movimento de tropas indianas e o convenceram a enviar uma carta amigável ao presidente paquistanês Ayub Khan.

Mas ao tomar conhecimento do embarque de armas dos EUA para a Índia, o Paquistão ficou indignado, ameaçando se retirar de duas alianças antissoviéticas, CENTO e SEATO. Bob Komer, um funcionário do Conselho de Segurança Nacional observou, “Os paquistanês estão passando por uma verdadeira crise emocional enquanto veem suas preciosas ambições de usar os EUA como uma alavanca contra a Índia se enfumaçarem com a guerra de fronteira com a China.”

Washington se manteve firme. Ele rejeitou a ideia de “equilibrar” o apoio à Índia com mais armas para o Paquistão e rejeitou demandas de forçar a Índia a negociações imediatas sobre Caxemira.

Numa frase que tem uma relevância estranha às relações contemporâneas EUA-Paquistão, o secretário de Estado norte-americano Dean Rusk escreveu para a embaixada na Índia, “A estima e amizade do povo norte-americano pelo Paquistão se derreteria se o Paquistão escolhesse se aproximar dos que são inimigos jurados da liberdade.”

No final, os Estados Unidos ajudaram a evitar qualquer aventureirismo paquistanês com a promessa de atrair a Índia para decidir sobre Caxemira após a resolução da guerra de fronteira. Previsivelmente, as negociações foram infrutíferas.

Estabelecendo um precedente

Finalmente, voltamos à marca mais duradoura dos EUA na guerra de fronteira. Desmentindo a falta de interesse e conhecimento sobre o assunto, em 1959, o secretário de Estado estadunidense Christian Herter publicamente insistiu que os Estados Unidos não assumissem qualquer posição oficial sobre a disputa territorial sino-indiana.

Mas no início da guerra, o embaixador dos Estados Unidos para a Índia, John Kenneth Galbraith, cresceu determinado a apoiar as reivindicações da Índia no setor leste, ao longo da Linha McMahon delimitada pelos britânicos.

Um confidente do presidente, Galbraith escreveu a Kennedy pedindo sua “proteção franca” sobre esta “importante decisão política”.

Suas preocupações não foram ignoradas: Inicialmente, o Departamento de Estado rejeitou a proposta, pedindo mais tempo para analisar a disputa de fronteira. “A Linha McMahon […] é realmente sancionada por todos os usos recentes”, argumentou Galbraith em outra carta a Kennedy. “Mas que momento mais impróprio para começar um estudo.”

Dias depois, o embaixador teve seu desejo. Com “permissão um tanto relutante” da Casa Branca, Galbraith anunciou em 27 de outubro, “A Linha McMahon é a fronteira internacional aceita e sancionada pelo uso moderno. Assim, nós a consideramos como a fronteira norte da região [da Agência Fronteiriça do Nordeste].” Cinquenta anos depois, a formulação básica de Galbraith permanece a política oficial dos EUA.

A posição dos EUA sobre Aksai Chin, o setor ocidental da disputa de fronteira sino-indiana, é evasiva, em comparação. Na época, Galbraith “decidiu manter silêncio sobre o Oeste”, concluindo, “O fato de que os indianos não tenham descoberto uma estrada chinesa [em Aksai Chin] por dois anos parece sugerir uma reivindicação tênue.”

Hoje, os Estados Unidos consideram Aksai Chin uma área disputada administrada pela China, mas reclamada pela Índia.

Três observações têm relevância sobre as relações contemporâneas indo-norte-americanas.

Primeiro, como os EUA buscam construir sua nova parceria estratégica com a Índia, um de seus maiores desafios foi superar dúvidas remanescentes sobre sua confiabilidade como um aliado. Os EUA não precisam se envergonhar de seu registro de defender a Índia em seus momentos mais difíceis.

Segundo, os EUA têm uma posição de longa data sobre o conflito fronteiriço sino-indiano que tem assumido alguma ambiguidade ultimamente. Um porta-voz do Departamento de Estado confirmou que não houve qualquer afirmação pública sobre a Linha McMahon na última década. Se as tensões ao longo da fronteira eclodirem novamente, como fizeram em 2009, Washington pode ter que reconsiderar seu silêncio estudado sobre o assunto.

Finalmente, Nova Deli e Pequim não estão claros sobre onde os EUA se posicionariam no caso de eventuais hostilidades sino-indianas futuras. Assim, segundo parece, estão muitos em Washington. Um precedente foi criado em 1962, mesmo que tenha sido amplamente esquecido.

Jeff M. Smith é o membro da Estratégia Kraemer do Conselho de Política Externa Americana e autor de um livro sobre as relações sino-indianas. Copyright 2012 Centro Yale de Estudos da Globalização (yaleglobal.yale.edu).

Epoch Times publica em 35 países em 19 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas