Leitora da edição chinesa do Epoch Times: “Sua cobertura do coronavírus salvou minha vida”

“Todas as reportagens sobre o coronavírus do Epoch Times são verdadeiras e seus artigos ajudaram muitas pessoas [na China]. Eu posso atestar isso”

Por Olivia Li e Yu Ru

Uma mulher chinesa-americana ligou para o escritório do Epoch Times em Nova Iorque em 9 de fevereiro para expressar sua gratidão à mídia. Ela soube da gravidade do novo surto de coronavírus (formalmente chamado COVID-19) quando assistiu ao canal do YouTube em chinês do Epoch Times durante uma visita a Pequim no final de janeiro. O YouTube é proibido na China, mas muitos usam software VPN para evitar o firewall do país.

As reportagens em vídeo do Epoch Times a ajudaram a tomar a decisão certa. Ela imediatamente reservou um voo de volta para os Estados Unidos e deixou a China antes que as cidades chinesas fossem colocadas em quarentena uma após a outra.

A experiência de uma leitora

Tina Zhang é natural de Pequim. Ela viajou para sua cidade natal em 24 de janeiro para visitar um amigo que adoeceu.

“No aeroporto ou na rua, havia poucas pessoas com máscaras faciais em Pequim em 24 de janeiro”, disse Zhang. “No dia seguinte, as pessoas foram instruídas a evitar sair e usar uma máscara se precisassem ir a locais públicos, mas, ao mesmo tempo, as autoridades nos disseram que esta doença não é muito contagiosa”.

Quando ela foi às compras no supermercado em 26 de janeiro, percebeu que todos na rua estavam usando uma máscaras e tentou manter distância. Eles corriam para pegar os suprimentos de que precisavam e imediatamente saíam do supermercado depois de pagar por seus produtos.

Pequim foi afetada pela SARS em 2003. Os cidadãos de Pequim ainda estão traumatizados com as memórias daquele surto, que matou centenas de pessoas na China.

Zhang ficou nervosa e tentou verificar as notícias sobre o vírus.

De alguma forma, Tina conheceu o canal de notícias em chinês do Epoch Times no YouTube, que informou que Wuhan estava no meio de um surto grave e que o vírus estava se espalhando rapidamente pela China e outros países.

Ela então conferiu as notícias da mídia estatal chinesa e portais de notícias como Sohu e Sina, mas não relatou relatavam esses detalhes. Em vez disso, as reportagens transmitiram que o surto estava sob controle.

Em quem devo confiar? Zhang pensou.

“No vídeo do YouTube do Epoch Times, o apresentador Li Muyang apresentou imagens, áudio e explicações. Eles são muito convincentes”, disse Zhang. “Além disso, sua imagem e voz carregavam uma energia poderosa. Isso me fez sentir que ele é honesto e confiável. Decidi imediatamente que deveria mudar minha data de retorno e reservar um voo antecipado [de volta aos Estados Unidos]”.

Depois, pediu ao marido, que estava em casa nos Estados Unidos, que lhe reservasse uma passagem, dizendo: “Apresse-se. Não perca seu tempo imaginando o porquê”.

Ela também notificou vários amigos que viajaram para a China para o feriado do Ano Novo Chinês, dizendo: “Tive a oportunidade de ver informações reais. Apresse-se e volte [para casa nos Estados Unidos]! Isso salvará sua vida!”

Seus amigos não acreditaram nela.

No final, apenas uma de suas amigas seguiu seu conselho e pediu a Zhang que reservasse duas passagens para ela e seu filho, apesar do preço caro.

“Quando meu avião pousou no aeroporto de Los Angeles em 28 de janeiro, senti de todo o coração que finalmente estava livre de todas as preocupações”, disse Zhang ao Epoch Times. Ela ficou na China menos de quatro dias.

A amiga mencionada deixou a China um dia antes de sua cidade natal ser colocada em quarentena. Se ele tivesse ficado mais um dia, ela não teria sido capaz de deixar o país, disse Zhang.

De volta para casa

Para explicar a situação ao marido, que é americano, Zhang mostrou-lhe as reportagens relacionadas do Epoch Times. Ao saber do encobrimento das autoridades sobre a verdadeira situação na China, seu marido ficou furioso.

“Eu não conseguia entender por que o regime chinês relatou a gravidade [do surto] à embaixada dos EUA … desde 3 de janeiro, mas não alertou seu próprio povo até 20 de janeiro”, disse Zhang.

Ele também pediu aos chineses, especialmente os da província de Hubei, onde o surto é mais grave, que condenem as autoridades por não conterem a doença.

“O Epoch Times realmente salvou minha vida. Se eu tivesse ficado na China, teria um medo constante, pois correria o risco de ser infectada com o vírus depois de ir a supermercados, usar o elevador ou até usar banheiros públicos. Na verdade, o Epoch Times salvou minha família, porque, quando voltei sã e salva, minha família também foi salva dessa doença altamente contagiosa”, disse Zhang.

Ela elogiou a equipe do Epoch Times por sua coragem e bondade. “Vocês sempre expõem a verdade, mesmo quando existem vários desafios, e outros grupos de mídia não têm tanta coragem”, disse ela, explicando que a maioria dos outros meios de comunicação chineses têm medo de publicar informações desagradáveis ​​sobre o regime chinês.

O regime chinês acusou repetidamente o Epoch Times no idioma chinês de ser uma mídia “anti-China”.

Zhang disse que espera que os chineses no exterior vejam além da propaganda do regime chinês e deem uma chance à mídia. “É hora de eles acordarem, com base no que viram durante o surto deste vírus”.

Ela acredita que o Epoch Times em língua chinesa ganhará mais reconhecimento, confiança e respeito entre a comunidade chinesa como resultado de suas reportagens sobre o COVID-19.

“Todas as reportagens sobre o coronavírus do Epoch Times são verdadeiras e seus artigos ajudaram muitas pessoas [na China]. Eu posso atestar isso”, disse ela.

 
Matérias Relacionadas