Legisladores dos EUA apresentam projeto de lei para conter a propaganda do PCC

Por Isabel Van Brugen

O senador Tom Cotton (R-Ark) e o presidente do Comitê de Estudos Republicanos (RSC), o deputado Jim Banks (R-Ind.), introduziram uma legislação na quarta-feira que visa conter a propaganda do Partido Comunista Chinês (PCC).

O projeto, apelidado de “Lei de Combate à Propaganda Chinesa” (pdf), criaria uma nova autoridade sancionadora contra as redes de desinformação apoiadas pelo Estado. Seu alvo é o sistema de propaganda do PCC, ou Departamento do Trabalho da Frente Unida (UFWD), um braço de influência do regime chinês no exterior, que serve para promover os interesses do PCC no exterior.

A Frente Unida foi anteriormente descrita pelo líder do regime chinês, Xi Jinping, como a “arma mágica” que ajudaria a “o grande rejuvenescimento da nação chinesa”.

A lei dos EUA é baseada nas recomendações da Estratégia de Segurança Nacional do RSC e exigiria que o secretário de estado examinasse se a UFWD atende aos critérios de sanção sob esta nova autoridade.

Isso é parte de um esforço mais amplo do RSC, o maior grupo conservador do Capitólio – para enfrentar a ameaça representada pelo PCC e para segurar o governo do presidente Joe Biden por sua fraqueza política em relação à China, disse ele ao Epoch Times na semana passada.

Cotton disse em um comunicado que a UFWD é usada pelo regime chinês para espalhar propaganda e que o projeto “poria um fim em suas táticas”.

“O Partido Comunista Chinês está expandindo sua campanha de desinformação todos os dias: ele esconde informações sobre a origem da COVID-19, mente sobre sua opressão aos uigures e outras minorias religiosas e se infiltra em universidades e empresas americanas”, disse Cotton.

“O Departamento do Trabalho da Frente Unida está envolvido em campanhas de espionagem, esforços de guerra política, desinformação maliciosa, utilização da diáspora chinesa no exterior e infiltração de instituições educacionais, tudo com o objetivo de suavizar a oposição ao Partido Comunista Chinês. E suas políticas em torno o mundo”, afirma o projeto.

O texto do projeto de lei cita uma investigação da ProPublica lançada em 16 de março do ano passado, que descobriu que o UFWD estava conectado a uma rede de contas “falsas e hackeadas” do Twitter que espalhavam secretamente propaganda para audiências globais sobre a COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC.

A UFWD, disse Cotton, é “apenas mais um lugar para o PCC espalhar sua propaganda e cooptar grupos estrangeiros para seguir a linha do PCC”.

Banks acusou a UFWD de estar diretamente envolvida no genocídio uigur e na opressão dos cristãos na China.

“Mas seu objetivo final é espalhar essas táticas persecutórias pelo mundo”, acrescentou. “A liderança em Washington pode ter mudado, mas a guerra política da China não”.

O representante Jim Banks (R-Ind.) fala ao Epoch Times em uma entrevista em março de 2019 (Captura de tela do vídeo / Epoch Times)

Segundo o legislador, “cabe ao Congresso expor e contrariar a desinformação do Partido Comunista. Não podemos voltar agora”.

O RSC está introduzindo outras medidas, incluindo a “Lei para interromper o financiamento do PLA”, que protegerá os investimentos dos EUA de irem para a base militar-industrial da China, acrescentou.

“Fizemos da luta contra a China comunista uma plataforma para a RSC pela primeira vez, sob minha liderança” , disse Banks ao Epoch Times na semana passada. “Ele merece nossa atenção e, como maior grupo parlamentar, nossos membros entendem que é a maior ameaça que enfrentamos e com a qual temos que lidar”.

A agenda anti-PCC será uma “prioridade máxima” para a organização nos próximos dois anos, observou o legislador.

Com informações de Bowen Xiao.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas