Legislador russo diz que Polônia é a próxima na fila para ‘desnazificação’

"A Polônia nos encoraja a colocá-la em primeiro lugar na fila da desnazificação depois da Ucrânia"

Por Tom Ozimek

Um legislador russo emitiu um alerta ardente de que Varsóvia é a próxima na fila para a “desnazificação” depois que o primeiro-ministro da Polônia escreveu um editorial chamando a ideologia russa “Russkiy Mir” de um “câncer” consumindo a sociedade russa e uma “ameaça mortal” para outros países.

Oleg Morozov, presidente do Comitê de Controle da Duma da Rússia, escreveu em uma mensagem no Telegram na sexta-feira que os comentários do líder polonês basicamente tornaram a Polônia um alvo.

Em seus comentários, Morozov recorreu à retórica do Kremlin em sua operação militar na Ucrânia da chamada “desnazificação”, um rótulo que Moscou usou para difamar seus adversários geopolíticos e justificar a guerra.

“Com suas declarações sobre a Rússia como um ‘câncer’ e sobre a ‘indenização’ que devemos pagar à Ucrânia, a Polônia nos encoraja a colocá-la em primeiro lugar na fila da desnazificação depois da Ucrânia”, escreveu Morozov, segundo um comunicado, segundo uma tradução de sua declaração.

Os comentários de Morozov foram motivados por declarações feitas pelo primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki e pelo presidente polonês Andrzej Duda, que criticaram fortemente a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Duda disse que a Rússia deveria ser forçada a pagar indenização à Ucrânia por danos de guerra, enquanto Morawiecki disse que o presidente russo, Vladimir Putin, é “mais perigoso” do que Adolf Hitler e Joseph Stalin porque ele tem armas nucleares e uma enorme máquina de propaganda à sua disposição.

Morawiecki escreveu em uma coluna no jornal britânico The Telegraph que “os fantasmas amaldiçoados do século 20 se ergueram novamente sobre a Ucrânia”, alegando que a invasão russa de seu vizinho carrega as marcas do fascismo, “já abriu as portas para genocídio” e é impulsionado por uma “nova ideologia monstruosa” que ele chamou de “Russkiy Mir”.

Morawiecki alegou que, em nome dessa ideologia, Putin e sua comitiva militar ordenaram que as forças russas entrassem em guerra, “convencendo-as de sua superioridade e encorajando-as a cometer crimes de guerra desumanos – assassinato, estupro e tortura de civis inocentes”.

“A ideologia ‘Russkiy Mir’ de Putin é o equivalente ao comunismo e ao nazismo do século 20”, escreveu Morawiecki, chamando-a de “câncer que está consumindo não apenas a maioria da sociedade russa, mas também representa uma ameaça mortal para toda a Europa”.

Não é suficiente ajudar a Ucrânia a se defender do ataque da Rússia, argumentou Morawiecki, “devemos erradicar completamente essa monstruosa nova ideologia”.

“Assim como a Alemanha já foi submetida à desnazificação, hoje a única chance para a Rússia e o mundo civilizado é a ‘deputinização’. Se não nos engajarmos nessa tarefa imediatamente, não perderemos apenas a Ucrânia, perderemos nossa alma e nossa liberdade e soberania”, escreveu o líder polonês.

Morawiecki argumentou que, a menos que se oponha, a Rússia não parará em Kiev, mas continuará em uma “longa marcha em direção ao Ocidente”.

O Kremlin negou ter qualquer intenção de invadir outros países. Putin afirmou que o que ele descreve como uma “operação militar especial” na Ucrânia vem em resposta às tentativas das potências ocidentais de estabelecer um baluarte na Ucrânia que ameaça a segurança de Moscou.

Em particular, Putin disse há muito tempo que a Otan está tentando expandir suas fronteiras para pressionar militarmente a Rússia e alega que a aliança defensiva foi rejeitada como infundada.

Outra das principais justificativas do Kremlin para sua operação na Ucrânia foi alegar que a população de língua russa na região de Donbass e Luhansk, controlada pelos separatistas, estava sendo submetida à repressão e ao que Putin descreveu como “genocídio”.

Uma longa lista de estudiosos e acadêmicos denunciou as alegações da Rússia de genocídio e “desnazificação” da Ucrânia como um falso pretexto destinado a justificar “agressão não provocada” contra seu vizinho do sul.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas