Legalização da maconha leva chineses ao crime

Por Hannah Cai

Muitos chineses nos Estados Unidos nos últimos anos deixaram seus empregos em restaurantes e se tornaram associados a empreendimentos ilegais de maconha, como comércio no mercado negro, cultivo ilícito, tráfico interestadual e lavagem de dinheiro. Em seguida, eles foram levados pela tentação de “fazer fortuna na indústria da cannabis”, incapazes de sair dela.

Em 1º de julho de 2010, Fayin Deng apresentou uma carta de culpado ao juiz antes do veredicto do tribunal. “Depois que comecei a ganhar esse dinheiro, nunca senti que tinha o suficiente e poderia parar. Perdi meu autocontrole e caí na tentação do dinheiro fácil”, escreveu ele.

Deng e seus seis primos operavam restaurantes chineses no Colorado. Naquele período, eles compraram pelo menos nove casas separadas para cultivar maconha em várias comunidades de classe média. Eles usaram os lucros do tráfico de drogas para lavar dinheiro em restaurantes e, em seguida, transferir grandes quantias em dinheiro dos Estados Unidos para a China. Esses métodos transformaram sua renda ilegal em renda legal, de acordo com a acusação.

Na carta de confissão de culpa, Faying Deng descreveu em detalhes a extrema pobreza de sua infância e como essas circunstâncias se relacionam com o crime que ele cometeu.

“Sem dúvida, essa experiência de pobreza extrema contribuiu para o apelo de Fayin pelo dinheiro fácil que vinha para ele no negócio da maconha”, disse ele em sua defesa. “Ele se sente como um homem morrendo de sede e se afogando quando finalmente encontra águ

Seu advogado escreveu que o ambiente legal do Colorado em relação à maconha obviamente contribuiu para a escolha errada de Deng. “Centenas, senão milhares de pessoas seguiram o fascínio do dinheiro que pode ser feito cultivando e vendendo maconha enquanto o estado do Colorado caminha para a legalização. Deng recebeu uma pena reduzida de 18 meses na prisão federal em 2010, após se declarar culpado.

No entanto, em 18 de maio de 2021, quase 12 anos após serem presos pela primeira vez, Deng e sua esposa foram mais uma vez acusados ​​de participar de um esquema semelhante ao mercado negro de maconha – em uma operação que ele agora um ex-Advogado do distrito do Colorado, em 2019 ele convocou uma das maiores licitações de maconha da história do estado. Os dois compareceram ao Tribunal Federal de Denver em 9 de junho e ambos se declararam inocentes. Se condenados, eles enfrentarão até 40 anos de prisão federal.

Problemas de legalização da maconha

A legalização da maconha não conseguiu eliminar o mercado negro e, ao contrário, funciona como um criadouro para ele. Dezoito meses após a legalização da maconha comercial, o comércio ilegal em Illinois continua a dominar todo o mercado estadual. Alguns especialistas o avaliaram em mais de US$ 4 bilhões, relata o Chicago Sun-Times .

A New Frontier Data, uma empresa de pesquisa da indústria da cannabis, estima que as vendas de maconha no mercado negro de Illinois ultrapassarão US$ 2,2 bilhões este ano.

Robert Corry, um advogado de Denver, Colorado, publicou um artigo no The CT Mirror em 9 de junho, dizendo que ajudou a redigir uma emenda para legalizar a maconha no Colorado em 2012 e também ajudou a criar regulamentos de implementação, mas ele não se orgulha disso. A razão que ele deu é que quase uma década depois, o Colorado tem uma indústria farmacêutica protegida pelo governo “perpetuada em detrimento do público e do planeta”.

Corry mencionou que o percentual da receita total com a maconha no estado do Colorado é muito baixo, enquanto os custos do tratamento, perda de produtividade e outras repercussões do aumento da intoxicação e do vício, além dos danos às crianças, dispararam. “[Colorado] se tornou uma piada nacional. Colorado agora é sinônimo de maconha e a maconha é uma perda líquida”.

O advogado exortou Connecticut a resistir à pressão bem financiada para seguir o erro do Colorado e não ceder ao poderoso lobby do crime. Ele também defendeu pelo menos limitar sua potência, já que alguns legisladores querem que seja permitido modificar geneticamente a cannabis para aumentar o nível de canabinóides (THC , tetrahidrocanabinol, o ingrediente psicoativo). A potência da maconha depende da quantidade de THC.

Perigos da maconha de alta potência

De acordo com a análise de Corry em seu artigo, a cannabis natural cultivada ao ar livre contém cerca de 5% de THC, mas a nova maconha do Colorado é geneticamente modificada para se aproximar de 100% de THC. “Para projetar esses altos níveis de THC, as corporações crescem dentro de depósitos gigantescos (…) Eles usam matrizes de grandes luzes artificiais, desperdiçando enormes quantidades de energia. Enormes filas de unidades de ar condicionado funcionam dia e noite. ”

Além disso, as plantas domésticas geneticamente modificadas são saturadas de produtos químicos, pesticidas, herbicidas e fertilizantes. “Esses carcinógenos tóxicos são ingeridos pelo consumidor ou contaminam o ar e a água do Colorado”, diz o advogado.

Essas formas de maconha podem conter até 99% de THC puro (canabinoide), um composto psicoativo que faz com que os usuários se sintam “altos”. Antes de meados da década de 1990, o conteúdo médio de THC nunca ultrapassou três ou cinco por cento.

Pesquisas de saúde (pdf) mostram que não há um número maior de jovens que usam maconha, mas sim os que usam, usam com mais frequência e usam cada vez mais métodos – como o ‘dapping’ e o vaporizador – associados a produtos de maior concentração.

Dados recentes divulgados pelo Departamento de Saúde Pública e Meio Ambiente do Colorado mostram que o uso de cigarros eletrônicos de maconha e outros produtos concentrados (vaporização e dapping) dispararam entre os jovens do estado entre 2015 e 2019.

Para os jovens, é mais fácil conseguir drogas de maconha, causando problemas sociais mais sérios. Denver7 informou em 3 de maio que um jovem em Denver cometeu suicídio e sua família acredita que o uso de maconha de alta potência fez com que ele cometesse o ato.

O Upstate New York Poison Center também emitiu um alerta sobre um aumento dramático nas ligações de crianças e adolescentes expostos a produtos de maconha. De acordo com o Centro, entre 2011 e 2016 ocorreram entre duas e quatro ligações por ano de crianças menores de 6 anos que ingeriram acidentalmente maconha comestível. O número começou a aumentar em 2017 e, nos primeiros cinco meses deste ano, a central recebeu 31 ligações . Os alimentos comestíveis de maconha são ingeridos por engano por crianças pequenas porque “têm a mesma aparência e sabor de doces, biscoitos e brownies”.

Em 31 de março deste ano, o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, assinou um projeto de lei para legalizar o uso recreativo da maconha por adultos, tornando-o o 15º estado nos Estados Unidos a fazê-lo.

O grupo Smart Approaches to Marijuana , “uma aliança de organizações e indivíduos dedicados a aumentar as regulamentações sobre a maconha que priorizam a saúde”, disse estar preocupado que a legalização da maconha prejudique a segurança no trânsito, o desenvolvimento da juventude e a previdência social, e seu poder destrutivo neutralizará o impacto das receitas fiscais.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

 
Matérias Relacionadas