Laços ibero-americanos com a China geram ‘obediência’ ao regime comunista, afirma Hermann Tertsch

Tertsch também tem alertado sobre uma "enorme tragédia oculta" por Pequim, a indústria multibilionária de extração forçada de órgãos pelo regime chinês de prisioneiros de consciência

Por Pachi Valencia

Hermann Tertsch, eurodeputado do partido Vox espanhol, alertou que o regime comunista da China está presente em todos os países ibero-americanos através das relações econômicas com as nações, gerando uma “dependência” e “obediência” dos países hispânicos a Pequim.

“A China está presente em todos os países ibero-americanos, comprando infraestrutura, criando dívidas, financiando investimentos que geram endividamento com a China e enorme dependência da China em muitos desses países” , disse Tertsch em entrevista ao PanAm Post em 7 de outubro.

O parlamentar espanhol disse que esses laços também criam “uma obediência” dessas nações ao Partido Comunista Chinês (PCC).

“[O PCC] a princípio está muito sorridente e oferece tudo; eles parecem dar tudo e estão dispostos a facilitar tudo – é uma cadeia de felicidade – mas de repente você percebe que há metade ou todos os países absolutamente dependendo da vontade de uma ditadura de ferro como a China”, disse ele.

De acordo com o fluxo de Investimento Estrangeiro Direto (ODFI) China conduzido pela ALC-China durante a pandemia, o PCC se concentrou em investimentos no Chile, Colômbia e México – representando cerca de 77% de seu investimento.

No entanto, Tertsch também tem alertado sobre uma “enorme tragédia oculta” por Pequim – a indústria multibilionária de extração forçada de órgãos pelo regime chinês de prisioneiros de consciência – considerada a maior atrocidade de nosso tempo.

Várias organizações, investigações independentes credíveis, como o Tribunal da China,  especialistas em direitos humanos da ONU  e testemunhas mostraram que a extração forçada de órgãos vivos – especialmente contra praticantes da disciplina espiritual Falun Gong – é realizada sistematicamente na China.

“Esta monstruosidade – que sabemos que ocorre milhares e milhares de vezes por ano – ocorre em um país com o qual todos temos relações absolutamente normalizadas” ,  disse Tertsch durante seu discurso de 19 de setembro na Cúpula Mundial de Combate e Prevenção .

“Além do mais, com um país que tem um patrão – um ditador, um chefe supremo – de um partido comunista implacável, com uma ditadura que não tolera qualquer tipo de discrepância, nem oposição, nem crítica livre”, acrescentou.

“Porém, quando Xi Jinping (…) vai ao Fórum de Davos, por exemplo; ao foro das grandes empresas, os grandes protagonistas do capitalismo, se curvam ao ditador chinês, o aplaudem, por suas supostas conquistas, por suas ‘soluções efetivas para os problemas atuais’, dizem”, continuou Tertsch.

Diante disso, o oficial criticou que a questão da extração forçada de órgãos não foi relatada pela mídia no Ocidente.

Uma representação de um praticante do Falun Dafa sendo submetido à extração forçada de órgãos (Minghui.tv)

Imagens críticas ao PCC “têm desaparecido (…) não apenas das redes chinesas, mas também da mídia ocidental; diante do desejo chinês, diante do desejo de tantos parceiros na China”, acrescentou.

As democracias ocidentais podem responsabilizar o PCC, disse Tertsch, mas “preferem um grande regime globalista, onde cada pessoa é anônima e intercambiável e podemos tirar os órgãos de um para dá-los a um licitante maior ou a alguém que seja mais adequado para alguns assunto”.

Esses interesses econômicos, observou ele, “levam essas elites ocidentais à cumplicidade com o Partido Comunista Chinês para esconder a monstruosidade dos transplantes. Não sabemos quantos milhares de prisioneiros políticos, prisioneiros comuns, de pessoas do movimento Falun Gong estão sendo submetidas a esses transplantes”.

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas