Kim Jong Un afirma que armas nucleares da Coreia do Norte garantirão sua segurança

Kim afirmou novamente que os programas nucleares são de natureza principalmente defensiva e mostram a "força absoluta" de Pyongyang

Por Jack Phillips

O ditador norte-coreano Kim Jong Un disse que não haverá mais guerra porque as armas nucleares do país comunista garantem sua segurança, segundo a mídia estatal.

“Agora somos capazes de nos defender de forma confiável contra qualquer forma de pressão de alta intensidade e ameaça militar”, disse Kim. “Graças à nossa dissuasão confiável e eficaz de autodefesa nuclear, a palavra guerra [sic] não existirá mais nesta terra e a segurança e o futuro do nosso Estado serão garantidos para sempre”, acrescentou.

Kim afirmou novamente que os programas nucleares são de natureza principalmente defensiva e mostram a “força absoluta” de Pyongyang, segundo a mídia estatal KNCA. No entanto, ele alertou que a Coreia do Norte forçará “outras pessoas que nos olham com desprezo” a “pagar caro”.

O discurso ocorreu em meio a negociações paralisadas destinadas a desmantelar os programas nucleares e de mísseis de Pyongyang em troca do alívio das sanções dos EUA.

O líder norte-coreano Kim Jong Un (à esquerda) e sua irmã Kim Yo Jong participam da Cúpula Inter-Coreana na Casa da Paz em 27 de abril de 2018 em Panmunjom, Coreia do Sul (Grupo de Imprensa da Cúpula da Coreia / Getty Images)
O líder norte-coreano Kim Jong Un (à esquerda) e sua irmã Kim Yo Jong participam da Cúpula Inter-Coreana na Casa da Paz em 27 de abril de 2018 em Panmunjom, Coreia do Sul (Grupo de Imprensa da Cúpula da Coreia / Getty Images)

A Coreia do Norte há muito afirma que suas armas nucleares são defensivas, mas funcionários dos Estados Unidos e das Nações Unidas disseram que permitiriam a Pyongyang adotar táticas mais hostis e ameaçadoras na região Ásia-Pacífico.

Em 2018, Kim e o presidente Donald Trump se encontraram pela primeira vez em Cingapura, aumentando as esperanças de que o país estivesse aberto ao fim de suas ameaças nucleares. Uma segunda reunião entre os dois em 2019, no Vietnã, desmoronou antes que as negociações parassem.

No mês passado, o regime explodiu um escritório de ligação ao longo de sua fronteira com a Coreia do Sul, ao mesmo tempo em que a irmã de Kim, Kim Yo Jong, lançou ameaças a Seul pelo lançamento de panfletos.

A irmã também anunciou em julho que os Estados Unidos terão que adotar uma nova estratégia de negociação. Na mesma declaração, ela também pediu os DVDs das celebrações de 4 de julho nos Estados Unidos.

“Esta continua a ser minha opinião pessoal, mas duvido que coisas como as negociações da cúpula entre a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) e os Estados Unidos ocorram este ano”, disse ele, referindo-se ao nome oficial da Coreia do Norte. “Mas eu continuo questionando. Isso porque algo surpreendente ainda pode acontecer, dependendo do julgamento e da decisão entre os dois principais líderes”, acrescentou ele, de acordo com a agência.

“Por último, mas não menos importante (sic), gostaria de dar uma impressão das comemorações do Dia da Independência dos Estados Unidos que vi na televisão alguns dias atrás”, acrescentou. “Tenho a permissão do camarada Presidente para obter pessoalmente, com segurança, o DVD das comemorações do Dia da Independência no futuro”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 

 
Matérias Relacionadas