Kim Jong Un adverte que Coreia do Norte pode usar armas nucleares ‘preventivamente’

Kim prometeu desenvolver suas forças nucleares na “velocidade mais rápida possível” e ameaçou usá-las se provocado

Por The Associated Press

Seul, Coreia do Sul – O líder norte-coreano Kim Jong Un alertou novamente que a Coreia do Norte poderia usar preventivamente suas armas nucleares se ameaçada, ao elogiar seus principais oficiais do exército por um enorme desfile militar em Pyongyang, a capital, na semana passada.

Kim expressou “firme vontade” de continuar desenvolvendo suas forças nucleares para que pudesse “preventivamente e completamente conter e frustrar todas as tentativas perigosas e movimentos ameaçadores, incluindo ameaças nucleares cada vez maiores de forças hostis, se necessário”, disse o comunicado oficial da Agência Central de Notícias da Coreia do Norte no sábado.

A KCNA disse que Kim chamou seus oficiais militares para elogiar seu trabalho durante o desfile de 25 de abril, onde o Norte exibiu as maiores armas de seu arsenal nuclear, incluindo mísseis balísticos intercontinentais que poderiam atingir a terra natal dos EUA. O Norte também lançou uma variedade de mísseis de combustível sólido de curto alcance projetados para serem disparados de veículos terrestres ou submarinos, que representam uma ameaça crescente para a Coreia do Sul e o Japão.

A KCNA não disse quando ocorreu a reunião de Kim com os militares.

O desfile, que marca o 90º aniversário do da Coreia do Norte, aconteceu no momento em que Kim revive o temor nuclear com o objetivo de forçar os Estados Unidos a aceitar a ideia de seu regime como uma potência nuclear e remover as sanções econômicas que incapacitam a nação.

Falando a milhares de soldados e espectadores mobilizados para o desfile, Kim prometeu desenvolver suas forças nucleares na “velocidade mais rápida possível” e ameaçou usá-las se provocado. Ele disse que suas armas nucleares “nunca se limitariam à dissuasão de guerra” em situações em que o Norte enfrente ameaças externas a seus “interesses fundamentais”.

Os comentários de Kim sugeriram que ele continuaria uma corrida provocativa em testes de armas para aumentar a pressão sobre Washington e Seul. A Coreia do Sul inaugurará um novo governo conservador em maio, que pode adotar uma linha mais dura em relação a Pyongyang, após as políticas de engajamento do ex-presidente liberal Moon Jae-in, que produziram poucos resultados.

A ameaça de Kim de usar suas forças nucleares para proteger os “interesses fundamentais” ambiguamente definidos da Coreia do Norte possivelmente pressagia uma doutrina nuclear crescente que poderia representar maior preocupação para Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos, dizem especialistas.

A Coreia do Norte realizou 13 rodadas de lançamentos de armas até agora neste ano, incluindo seu primeiro teste, desde 2017, de um ICBM de alcance total, enquanto Kim explora um ambiente favorável para impulsionar seu programa de armas enquanto o Conselho de Segurança da ONU permanece dividido e efetivamente paralisado pela guerra da Rússia na Ucrânia.

Também há sinais de que a Coreia do Norte está reconstruindo túneis em um campo de testes nucleares que esteve ativo pela última vez em 2017. Alguns especialistas dizem que o Norte pode tentar realizar um novo teste em algum momento entre a posse do presidente eleito sul-coreano Yoon Suk Yeol em 10 de maio e sua cúpula planejada com o presidente dos EUA, Joe Biden, em 21 de maio, para maximizar seu efeito político.

A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Jalina Porter, disse que os Estados Unidos estavam cientes dos relatos de que a Coreia do Norte poderia estar se preparando para realizar um teste nuclear, que ela disse que seria profundamente desestabilizador para a região e que prejudica o regime global de não proliferação.

“Nós instamos a RPDC a se abster de atividades desestabilizadoras e, que em vez disso, se envolva em um diálogo sério e sustentado”, disse ela, referindo-se à Coreia do Norte por seu nome formal, República Popular Democrática da Coreia.

Os comentários recentes de Kim seguiram uma declaração inflamada divulgada por sua poderosa irmã no início de abril, na qual ela criticou o ministro da Defesa da Coreia do Sul por divulgar capacidades de ataque preventivo contra o Norte. Ela disse que as forças nucleares de seu país aniquilariam as forças convencionais do Sul, se provocadas.

Yoon, durante sua campanha, também falou sobre o aprimoramento das capacidades de ataque preventivo e defesas antimísseis do Sul. Ele também prometeu fortalecer a defesa da Coreia do Sul em conjunto com sua aliança com os Estados Unidos.

Embora a coleção de ICBMs de Kim tenha atraído muita atenção internacional, desde 2019 a Coreia do Norte vem expandindo seu arsenal de mísseis de combustível sólido de curto alcance que ameaçam a Coreia do Sul.

A Coreia do Norte descreve alguns desses mísseis como armas “táticas”, que, segundo especialistas, comunicam uma ameaça de armá-los com bombas nucleares menores no campo de batalha e usá-las proativamente durante a guerra convencional para neutralizar as forças convencionais mais fortes da Coreia do Sul e dos Estados Unidos. Cerca de 28.500 soldados dos EUA estão no sul.

A Coreia do Norte pode usar seu próximo teste nuclear para afirmar que adquiriu a capacidade de construir uma pequena ogiva nuclear para caber nesses mísseis ou outras armas que testou recentemente, incluindo um suposto míssil hipersônico e um míssil de cruzeiro de longo alcance, dizem analistas. Ogivas menores também seriam necessárias para a busca do Norte por um ICBM de várias ogivas.

“Mísseis de combustível sólido são mais fáceis de esconder, mover e lançar rapidamente, tornando-os menos vulneráveis ​​a um ataque preventivo”, disse Leif-Eric Easley, professor de estudos internacionais da Universidade Ewha Womans de Seul.

“Junto com as ambições de ogivas nucleares táticas, capacidades de lançamento baseadas em submarinos e ICBMs mais sofisticados, Pyongyang não está simplesmente procurando deter um ataque. Seus objetivos se estendem a ultrapassar a Coreia do Sul em uma corrida armamentista e coagir os Estados Unidos a reduzir as sanções e a cooperação de segurança com Seul”, acrescentou Easley.

As negociações nucleares entre Washington e Pyongyang estão paralisadas desde 2019 devido a divergências sobre um possível afrouxamento das sanções lideradas pelos EUA em troca de medidas de desarmamento norte-coreanas.

Kim manteve seus objetivos de desenvolver simultaneamente armas nucleares e a economia do país diante da pressão internacional e não mostrou disposição de acabar com seu arsenal nuclear, o qual ele vê como sua maior garantia de sobrevivência.

Por Kim Tong Hyung

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas