Kanter Freedom pede ação para punir a China comunista por abusos: ‘o mundo precisa acordar’

“Isso é maior que tudo porque, no final das contas, a vida das pessoas depende disso”

Por Eva Fu

O jogador de basquete Enes Kanter Freedom acredita que é hora do mundo “acordar” e agir diante de uma China comunista beligerante que persegue seu próprio povo e exporta seus abusos para outras partes do mundo.

“Precisamos acordar, o mundo precisa acordar”, disse ele à NTD, uma afiliada do Epoch Times. “E eu sinto que condenar não é o suficiente – precisamos tomar algumas ações sólidas”.

Freedom fez essas observações após uma mesa redonda organizada pelo senador Rick Scott (republicano da Flórida) em Washington, em 29 de março, onde Simon Zhang, um adepto da prática espiritual Falun Gong, compartilhou sobre a recente perda de sua mãe nas mãos de o regime comunista devido à sua fé.

A mulher, Ji Yunzhi, da Mongólia Interior, já havia sido detida duas vezes, em 2001 e 2008, o ano em que Pequim realizou seus primeiros Jogos Olímpicos, escapando por pouco da morte em campos de trabalhos forçados.

Mas em meio a sua terceira detenção, a mulher de 65 anos morreu em 21 de março após ser submetida a tortura. A morte ocorreu menos de 50 dias após ela ser detida por nada mais que sua crença na prática espiritual Falun Gong.

A disciplina espiritual, baseada nos princípios fundamentais de Verdade, Compaixão e Tolerância, bem como um conjunto de exercícios meditativos, era muito popular na China durante a década de 1990. Considerando isso uma ameaça, o Partido Comunista Chinês (PCCh) lançou uma campanha nacional de eliminação, em 1999. Desde então, os adeptos foram fortemente perseguidos, com milhões sendo jogados em várias instalações de detenção.

Simon Zhang e sua mãe Ji Yunzhi durante uma viagem à cidade de Hangzhou, na província de Zhejiang, na China, em 2012 (Cortesia de Simon Zhang)
Simon Zhang e sua mãe Ji Yunzhi durante uma viagem à cidade de Hangzhou, na província de Zhejiang, na China, em 2012 (Cortesia de Simon Zhang)

Familiares tiveram acesso negado ao corpo de Ji após sua morte, mas puderam observar brevemente que sua garganta estava aberta e havia manchas de sangue em seu rosto e ombros, de acordo com o Minghui, uma organização com sede nos EUA que relata a perseguição à crença.

Seus parentes acreditam que as autoridades impediram deliberadamente o acesso ao corpo de Ji para encobrir seus abusos. Tal tratamento é comumente vivido entre parentes de praticantes do Falun Gong perseguidos, segundo relatos do Minghui.

“Se eu acabar morta, devo ter morrido pela perseguição”, disse Ji a seus companheiros de cela em um relatório do Minghui.

Zhang, um arquiteto de Nova Iorque, lutou para colocar seus sentimentos em palavras depois de saber da morte de sua mãe, que ele não via há anos..

“Eu esperava que nos reuníssemos aqui na América”, disse Zhang ao Epoch Times.

Ji tentou duas vezes solicitar um passaporte, mas ambos os pedidos foram negados por causa de seus registros de detenção, disse Zhang. “Eu nunca soube que nunca teríamos outra chance de nos ver.”

Se pronunciando

Freedom, recentemente, ficou sem uma equipe na NBA depois de ser transferido por seu ex-time Boston Celtics, o que ele atribuiu à sua franqueza contra o PCCh.

Ele tem criticado ferozmente o regime desde o verão passado, quando um dos pais de um jovem muçulmano participante de um campo de basquete chamou sua atenção para as violações dos direitos por Pequim.

“Como você pode se chamar um ativista dos direitos humanos quando seus irmãos e irmãs muçulmanos são torturados e estuprados todos os dias em campos de concentração na China?”

Freedom, que se concentrou principalmente em questões de direitos em seu país natal, a Turquia, na última década, disse que essa questão o surpreendeu e o obrigou a pesquisar.

“Fiquei muito frustrado comigo mesmo e pensei, custe o que custar, vou sair e tentar trazer a conscientização”, ele compartilhou no evento da mesa redonda.

(Esquerda para direita) O senador Roger Wicker (republicano do Missouri) fala com o ex-jogador da NBA Enes Kanter Freedom no Capitólio dos EUA, em Washington, em 17 de fevereiro de 2022 (Drew Angerer/Getty Images)
(Esquerda para direita) O senador Roger Wicker (republicano do Missouri) fala com o ex-jogador da NBA Enes Kanter Freedom no Capitólio dos EUA, em Washington, em 17 de fevereiro de 2022 (Drew Angerer/Getty Images)

Desde então, o jogador de basquete denunciou o regime por uma série de abusos, incluindo aqueles cometidos no Tibete e Xinjiang, bem como sua prática de extração de órgãos de pessoas vivas, uma atrocidade que matou um número incontável de praticantes do Falun Gong detidos.

“O que [o líder chinês] Xi Jinping está fazendo e o que o PCCh está fazendo é uma das maiores violações de direitos humanos no mundo, e eles precisam ser punidos”, ele disse à NTD.

Mas, para sua grande frustração, seu protesto disparou o alarme dentro de sua própria liga, de acordo com Freedom.

“Quando há muito dinheiro e negócios envolvidos, você vê as pessoas ficando realmente desconfortáveis”, disse ele.

“Quando falei sobre os problemas que aconteceram na Turquia nos últimos 10 anos, não recebi nenhum telefonema, mas quando comecei a falar sobre os problemas que aconteceram na China, meu telefone tocava uma vez a cada hora. Eles estavam me ligando da NBA e da associação do jogador e dizendo: ‘Ouça, você sabe que isso vai trazer muito impacto, mas tome cuidado’”.

O aviso de seu agente foi ainda mais direto, segundo ele.

“Ele estava me dizendo: ‘Olha, eu acho que se você não disser mais uma palavra e não falar sobre isso nunca mais as pessoas vão esquecer isso. Mas se você continuar falando sobre essas questões, não conseguirá outro contrato.’”

Ele também disse anteriormente que a NBA o deixou indisponível para a mídia por duas semanas, quando o então técnico do Houston Rockets provocou a ira de Pequim no final de 2019 por causa de um tweet pró-Hong Kong.

Em uma declaração anterior ao Epoch Times, a NBA negou pressionar Freedom por seu ativismo. A liga apontou para uma declaração à mídia de seu porta-voz Mike Bass, que disse que “continuam a apoiar Enes Kanter Freedom expressando suas opiniões sobre assuntos que são importantes para ele, assim como fazemos para todos os membros da família NBA”.

Mas Freedom compartilhou que acredita que há um dever vinculado à sua proeminência.

“Esta plataforma me foi dada por Deus, e sinto que preciso usá-la para fazer a obra de Deus”, disse ele na entrevista.

“Precisamos de alguns heróis destemidos que simplesmente apareçam e não pensem em seu próximo contrato ou não pensem em seus acordos de calçados”, disse ele.

“Isso é maior que tudo porque, no final das contas, a vida das pessoas depende disso.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas