Juízes são marionetes sob o regime comunista chinês (parte 1)

“O sistema judicial é a última linha de defesa da justiça social”, disse o presidente chinês, Xi Jinping, em 2014, ecoando os Princípios Básicos sobre a Independência do Judiciário aprovados pelas Nações Unidas em 1985, que reconhece um sistema judiciário independente como uma necessidade básica.

Na China, no entanto, o Judiciário funciona de forma eficaz sob as diretrizes do Comitê de Assuntos Legislativos e Políticos, uma organização do Comitê Central do Partido Comunista (Politburo). Isto torna-se especialmente evidente nos 15 anos de perseguição por parte do regime comunista contra o Falun Gong, uma vez que utiliza os tribunais do país como mais uma ferramenta com a qual realiza sua campanha de repressão.

Abaixo estão algumas citações de juízes chineses quando eles passaram a sentença contra os praticantes do Falun Gong:

“Cada palavra sua é mais um ano que você vai ficar em prisão.”
“O Partido proíbe [a contratação de advogados não governamentais]!”
“Não me fale sobre a Lei!”
“Sim, nós somos bandidos. E daí?”
“Estamos determinados a lutar pelo comunismo pelo resto de nossas vidas.”

Embora a Constituição chinesa estipule a liberdade de crença e de expressão para todos os cidadãos, dezenas de milhares de casos foram relatados no Minghui em que os praticantes do Falun Gong foram presos e torturados pelo Partido Comunista Chinês (PCC) pelas suas crenças ou por dizer aos outros sobre a perseguição.

“Três frases significam mais de três anos de prisão.”
Esta frase foi dita a Han Yuejuan, uma ex-oficial do Departamento de Propaganda na província de Guangdong. Quando ela disse “Falun Dafa é bom” no tribunal três vezes, alto e em bom som, as palavras enfureceram seus juízes, que mudaram sua sentença de quatro anos para sete.

“Cada palavra sua é mais um ano que você vai ficar na prisão.”
Zhang Jinsheng, um praticante em Qingyuan condado da província de Liaoning, foi preso e detido para contar aos outros como contornar o bloqueio da internet do regime comunista (conhecido como o Grande Firewall da China) para acessar o site do Minghui. Quando ele apelou pela sua inocência ao falar “Falun Dafa é bom” durante seu julgamento em setembro de 2004, o juiz ameaçou: “Cada palavra sua é mais um ano que você vai ficar na prisão.” Seu mandato de prisão de 8 anos foi mudado para 13 anos.

“Ele não é mais um menor de idade e não precisa de um guardião … não há obrigação de informar a família sobre o julgamento.”
Depois que o Tribunal de Naxi na província de Sichuan julgou o sr. Wang Daigui e dois outros praticantes em janeiro de 2014, sua família perguntou por que não foi notificada sobre o julgamento. “Eles são adultos sem guardiões. Portanto, não há necessidade de informar a sua família sobre o julgamento”, respondeu o oficial de justiça Zheng.

“Contanto que você demita seus advogados atuais [de Pequim], o tribunal vai pagar os custos e contratar os melhores advogados para você.”
Doze praticantes do Falun Gong foram presos na cidade de Benxi, província de Liaoning, e foram levados a julgamento em junho de 2014. Liu Weidong, presidente do Tribunal do distrito de Mingshan, pediu aos membros da sua família para substituírem os seus advogados de defesa de Pequim com os locais.

“Contanto que você demita seus advogados atuais [de Pequim], o tribunal vai pagar os custos e contratar os melhores advogados para você”, disse Liu.

Da mesma forma, os funcionários dos Tribunal Yongtai na província de Fujian e Tribunal Shulan na província de Jilin também disseram aos membros da família para parar de contratar advogados de Pequim.

“Eu não tenho que lhe dizer, é um regulamento interno.”
A sra. Zhang Xiaoli, de 38 anos, foi julgada na cidade de Dalian, província de Liaoning, em 31 de dezembro de 2014. Quando seu advogado fez um pedido para que as algemas da sra. Zhang fossem removidas de acordo com a lei, o juiz Li Zenglan respondeu: “De acordo com as provisões, algemas não precisam ser removidas.”

Ao ser perguntado a quais provisões ele estava se referindo, o juiz Li respondeu: “Eu não tenho que lhe dizer, é um regulamento interno.”

“O Partido proíbe [a contratação de advogados não governamentais]!”
Quando uma praticante de Jilin, sra. Wang Yajuan, de 51 anos, foi julgada em setembro de 2013, seu advogado de Pequim foi rejeitado pelo juiz Guo Qingxi. O advogado ressaltou que o juiz havia violado a lei, mas o juiz Guo respondeu: “O Partido proíbe [a contratação de advogados não governamentais]!”

“Estamos determinados a lutar pelo comunismo pelo resto de nossas vidas.”
Em 18 de maio de 2009, o Tribunal do distrito de Huaiyin na cidade de Huaian, província de Jiangsu, julgou o praticante Shen Yang. O juiz Guo Zhenxiang tentou enganá-lo a admitir seu “crime”, mas Shen Yang não se deixou enganar e explicou a todos porque ele se manteve firme na sua crença no Falun Gong.

Um oficial da Agência 610, em seus 50 anos, correu para a frente e gritou com o juiz: “Impedeça-o de falar!

Guo, em seguida, disse irritadamente para todos no tribunal: “Estamos determinados a lutar pelo comunismo pelo resto de nossas vidas.”

“Não me fale sobre a Lei!”
Quando Zhang Deyan e três outros praticantes da província de Liaoning estavam para serem julgados no Tribunal do distrito de Wanghua em julho de 2013, o juiz e o advogado de Zhang tiveram uma breve conversa.

O juiz disse: “Não me fale sobre a Lei!”

O advogado ficou chocado e perguntou-lhe: “Se nós não falamos sobre a Lei, devemos apenas contar piadas?”

Este não é o único exemplo das coisas que estão ocorrendo. Juízes em Xangai, províncias de Guangdong e de Heilongjiang fizeram observações semelhantes.

“Por que você fala da Lei? Estou falando de política aqui.”
O sr. Lu Tong, um praticante da vila de Caixiangxin na cidade de Suzhou, foi ilegalmente condenado a quatro anos de prisão em 17 de dezembro de 2008 pelo Tribunal do distrito de Jinchang. Sua filha, a sra. Lu Yan, recorreu e pediu um novo julgamento para seu pai. Os funcionários judiciais evadiram-se da responsabilidade repetidas vezes.

Gu Yingqing, o presidente do Tribunal Intermediário da cidade de Suzhou, disse à família: “Por que você fala da lei? Estou falando de política aqui.”

“É uma violação da Lei …. É uma ordem de cima.”
Em 6 de janeiro de 2004, o Tribunal da cidade de Shulan, na província de Jilin, levou a julgamento quatro praticantes do Dafa, mas as autoridades violaram o processo legal e não fizeram um anúncio público; não tinham sequer informado sua família. Um membro da família ouviu o julgamento e perguntou sobre a falta de notificação.

O juiz Liu Yong respondeu: “Não há uma ordem interna. Não precisamos fazer qualquer anúncio e os membros da família não precisam ser notificados.”

Quando questionado sobre a legitimidade, Liu disse: “É uma violação da lei, mas não vamos fazer nenhum anúncio público. É uma ordem de cima.”

“Sim, nós somos bandidos. E daí?”
O praticante sr. Zhang Jingdong do condado de Suibin, província de Heilongjiang, foi julgado em 17 de agosto de 2004. O juiz Wu Jun recusou-se a deixar duas irmãs mais velhas do sr. Zhang a testemunharem a favor dele e disse: “É uma ordem de cima.”

Depois de pedir para a ordem ser ignorada, as irmãs perguntaram por que os procedimentos legais não foram seguidos.

Wang simplesmente respondeu: “Sim, nós somos bandidos. E daí?”

(Continua)

 
Matérias Relacionadas