Juíza concede pedido do Projeto Veritas para incorporar oficial de justiça após invasões do FBI

FBI invadiu casa de participantes do Veritas em busca de evidências de conspiração envolvendo diário da filha de Joe Biden

Por Zachary Stieber

Uma juíza federal concordou, na quarta-feira, em nomear um oficial de justiça para proteger certos materiais do escritório e da promotoria do Projeto Veritas, que foram apreendidos pelo FBI.

Em um pequeno número de casos, um oficial de justiça, normalmente um juiz aposentado, é nomeado para examinar os materiais apreendidos e separar os documentos que são privilegiados ou legalmente protegidos das autoridades.

Embora uma equipe de filtragem do governo pudesse revisar adequadamente os materiais, um oficial de justiça está sendo nomeado para “garantir ‘a percepção de justiça'”, escreveu a juíza distrital dos EUA, indicada por Obama, Analisa Torres, em uma ordem de cinco páginas.

“À luz das potenciais preocupações da Primeira Emenda que podem ser implicadas pela revisão dos materiais apreendidos dos peticionários, o tribunal considera que a nomeação de um oficial de justiça ‘ajudará a proteger a confiança do público na administração da justiça’”, afirmou.

A juíza aposentada, Barbara Jones, indicada por Clinton, foi nomeada a oficial de justiça.

O governo foi obrigado a terminar de extrair materiais dos dispositivos de propriedade de James O’Keefe, fundador do Projeto Veritas, e de dois ex-funcionários do Projeto Veritas, e entregá-los à Jones para revisão.

Jones deixará de lado qualquer material que não responda aos mandados de busca aprovados por um juiz diferente no mês passado, permitindo ao FBI invadir as residências de O’Keefe, Eric Cochran e Spencer Meads. Ela entregará qualquer material que responda a ordens judiciais para a equipe de filtragem, que analisará os documentos para determinar se algum deve ser retido da equipe de investigação, separados por motivos como privilégio advogado-cliente.

Os advogados do Projeto Veritas podem se opor a qualquer material autorizado que vai para a equipe de investigação e Jones decidirá sobre todas as objeções.

Torres negou outra solicitação dos peticionários. Eles haviam requisitado ao juiz que ordenasse ao governo a busca pela fonte da informação vazada dada ao New York Times, relacionada às buscas e aos materiais apreendidos. Ela recusou-se, afirmando que eles não forneceram uma base legal para seu pedido ou não alegaram que o governo violou qualquer regra, lei ou política.

Agentes do FBI invadiram as casas em busca de evidências de uma conspiração envolvendo um diário que teria pertencido à filha do presidente Joe Biden, Ashley Biden.

Os advogados do Projeto Veritas afirmaram que a maioria dos materiais apreendidos eram protegidos e não tinham relação com o diário de Ashley Biden, enfatizando a necessidade de um oficial de justiça. O governo se opôs à nomeação de um oficial de justiça, argumentando que uma equipe de filtragem seria adequada.

A decisão veio um dia após a magistrada, Sarah Cave, rejeitar uma segunda tentativa de forçar a abertura de registros, o que convenceu o juiz a aprovar os mandados.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas