Jovens vacinados contra COVID registram mais casos de miocardite após doses de reforço, segundo CDC

Por Zachary Stieber

Uma proporção maior de homens jovens teve inflamação cardíaca após uma dose de reforço da vacina contra a COVID-19 da Pfizer, segundo dados recém-divulgados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Para cada milhão de segundas doses administradas a homens de 16 ou 17 anos, havia cerca de 139 casos de miocardite, uma forma de inflamação do coração, segundo dados do Vaccine Safety Datalink (VSD), um sistema de rastreamento do CDC.

Esse mesmo grupo apresentou 200 casos de miocardite para cada milhão de doses de reforço administradas, conforme registros entre 14 de dezembro de 2020 e 28 de maio de 2022. No período estudado, mais de 2 milhões de doses da séries primárias totais de Pfizer-BioNTech foram administradas a crianças e cerca de 230.000 doses de reforço.

Homens de 30 a 39 anos também tiveram uma maior taxa de inflamação cardíaca após uma dose de reforço da Pfizer em comparação com a resposta após a segunda dose, assim como mulheres de 16 e 17 anos.

As vacinas da Pfizer e da Moderna são baseadas na tecnologia de RNA mensageiro e ambas são administradas em séries primárias de duas doses, com várias semanas a vários meses de intervalo.

Os novos dados são a primeira vez em que um sistema de rastreamento federal observa uma taxa mais alta de miocardite após uma dose de reforço, embora alguns estudos tenham alertado anteriormente que os jovens corriam maior risco com uma dose de reforço do que com a segunda.

Nem a miocardite nem uma condição relacionada, a pericardite, foram detectadas nos ensaios clínicos das vacinas Pfizer ou Moderna. Como as vacinas receberam autorização prévia, os relatos dessas condições levaram a revisões de prontuários e outras investigações, levando à conclusão de que as vacinas estão relacionadas às doenças.

A vacina da Moderna ainda não está disponível para crianças.

Os novos dados foram apresentados ao painel consultivo de vacinas da Food and Drug Administration, que foi questionada se a vacina da Moderna deveria estar disponível para crianças.

O Dr. Tom Shimabukuro, investigador de segurança de vacinas do CDC, apresentou os dados.

“As taxas de incidência após a vacinação tendem a ser maiores nos homens e maiores após a segunda dose”, disse Shimabukuro. Se você observar os novos dados, “você verá que as taxas de incidência são realmente mais altas em homens após a primeira dose de reforço e em mulheres após a primeira dose de reforço”, continuou ele. “No entanto, as contagens de casos são bastante pequenas e os intervalos de confiança de 95% são bastante amplos, então não podemos dizer que há uma diferença entre a incidência da dose 2 e a incidência do primeiro reforço com base nesses dados”.

A incidência típica de miocardite na população geral é de 8 casos por 100.000 menores e 1,8 por 100.000 jovens de 15 a 18 anos. A incidência diminui à medida que as pessoas envelhecem.

O Vaccine Safety Datalink (VSD) é um sistema colaborativo liderado pelo CDC e nove organizações de saúde, incluindo Kaiser Permanente Southern California e Marshfield Clinic Research Institute em Wisconsin.

Com base nos dados do sistema, nem todos os grupos apresentaram risco aumentado após a dose de reforço.

Homens de 12 a 15 anos tiveram 152 casos de miocardite por milhão de segundas doses administradas e apenas 17 casos por milhão de doses de reforço administradas. Homens de 5 a 11 anos também tiveram uma taxa muito menor após um reforço, enquanto mulheres de 18 a 39 anos tiveram uma taxa notavelmente mais baixa.

Dados de outro sistema, o Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), indicaram uma taxa de 75,9 casos de miocardite por milhão de segundas doses em homens de 16 e 17 anos, e 46,4 casos por milhão de segundas doses em homens de 12 a 15 anos. Houve também taxas acima do esperado após a vacinação com a Pfizer e a Moderna em homens de até 49 anos de idade e mulheres de 12 a 29 anos de idade.

Com base nos dados do VAERS, as taxas após uma dose de reforço foram menores do que após a segunda dose em todas as faixas etárias, tanto em homens quanto em mulheres.

Após 90 dias, cerca de quatro em cada cinco pacientes se recuperaram totalmente ou quase totalmente, segundo pesquisas do CDC com profissionais da saúde. A agência planeja acompanhar os pacientes que não se recuperaram para avaliar seu status 12 meses ou mais após a emissão.

Ao contrário de outros países, as autoridades dos EUA não suspenderam a aplicação das vacinas da Pfizer ou da Moderna, apesar dos dados crescentes sobre inflamação do coração. Na terça-feira, as autoridades de saúde perguntaram ao painel consultivo de segurança de vacinas se a vacina da Moderna deveria estar disponível para crianças de 6 a 17 anos, e na quarta-feira, eles perguntaram se ambas as vacinas deveriam estar disponíveis para crianças de 6 meses.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas